Ex-jogador do Avaí dá dicas para Neymar ser um jogador de destaque

Henrique Azeved diz que falta maturidade e humildade para Neymar se tornar melhor do mundo. Para ele, Neymar é um menino mimado e precisa amadurecer.

O lateral Henrique Azevedo, ex-jogador e capitão do time do Avaí, conhece a bem a bola.  Henrique jogou pelo Avaí desde a infância, mas se aposentou do futebol aos 32 anos. Atualmente carrega o título de bicampeão estadual (SC) e vice campeão sul-americano de fisiculturismo Arnold Classic.

avaí
Foto: divulgação
Foto: divulgação
Foto: divulgação
Foto: divulgação
Foto: divulgação

“Eu acho que esse drama todo que o Neymar faz é desnecessário, puro chilique. Não é bem por aí. Ele sempre foi blindado pela sua família, que desde cedo lucra com o envolvimento do rapaz com o futebol. Neymar não teve um pai, teve um empresário. Não se preocuparam com o amadurecimento pessoal ou profissional; o objetivo sempre foi ganhar bastante dinheiro. Se o Neymar tivesse a maturidade do Messi ou do Cristiano Ronaldo, seria certamente o melhor jogador do mundo, mas ele age como uma criança mimada que foi privada de sua infância para poder jogar bola e fazer fortuna”, analisa Henrique.

Sobre as alegadas dificuldades de Neymar e seu caminho para defender a seleção, tornando-se sua maior estrela em campo, Henrique pontua: “Não vejo nenhum sofrimento. Eu via nas categorias de base do Avaí pessoal jogando com tornozelo torcido, com pé quebrado, colocava esparadrapo e ia pro campo jogar, porque precisava daquilo. Isso sim é superar dificuldades. Já o Neymar, mora em Paris, namora uma estrela da TV  e desde criança sempre esteve bem no mundo do futebol. Com 11 anos já ganhava 80 mil reais por mês, e sempre foi protegido pelas pessoas. Cadê a dificuldade? Ronaldo Fenômeno na sua última Copa teve de se recuperar de três cirurgias no joelho devido a uma lesão seríssima que sofreu no joelho que quase o aleijou, e que havia sido desenganado de que não conseguiria mais jogar bola seis meses antes da Copa, e mesmo assim deu a volta por cima, apesar das críticas. Já o Neymar quebrou um dedinho do pé, tendo à disposição a melhor equipe médica que o dinheiro pode comprar. Sinceramente, não há nem comparação”.

A solução para que Neymar jogue melhor, segundo Henrique, seria no campo psicológico: “precisa estar mais tranquilo pra jogar, porque todo esse melindre estraga o futebol dele. Ele precisa parar de acreditar que é um coitado e permitir-se ser ajudado, ouvir as críticas. Neymar precisa se ajudar. Todo jogador tem que saber suportar a pressão. O que se espera de um ídolo, de um craque, não é que ele seja um reclamão, e sim um motivador da equipe. O Tite tem a confiança da CBF e do país, todavia precisa ser firme de tirar o Neymar do jogo se não estiver rendendo. Fui capitão do time e sei como é ser pressionado, ser a referência, mas não se pode deixar entregar. Neymar está mal preparado física e emocionalmente, principalmente.”

Seria então o choro de Neymar mero fingimento buscando a compaixão das pessoas devido ao seu baixo rendimento? Na opinião de Henrique, apesar das críticas, o craque ainda é um grande talento e foi sincero em campo quando chorou após o gol. Henrique vê que, com os devidos ajustes de postura e atitude, Neymar ainda pode fazer muito pela seleção no Mundial: “muitos acusaram Neymar de fingir, mas quando o Neymar chorou, após o gol, ele não fez teatro. Eu acredito que ali ele caiu em si e viu que ele não pode todo tempo ser colocado sobre um pedestal, que é preciso descer. Se o Neymar for sempre humano e menos estrela, certamente trará o futebol que precisamos para sermos campeões do mundo. Contudo, acredito que não deve haver uma ‘neymardependência’, e sim um bom trabalho de equipe com todos os talentos da seleção, como por exemplo o Philipe Coutinho, que é um excelente jogador”.

Comente