GAY BLOG BR by SCRUFF

A partir do encontro de cinco artistas, com trajetórias diversas, interessadaos em diferentes linguagens artísticas em que o foco é o trabalho do intérprete, nasceu o VULCÃO [criação e pesquisa cênica]. Formado por Elisa Volpatto, Livia Vilela, Paulo Salvetti, Rita Grillo e Vanessa Bruno, o coletivo comemora cinco anos em maio de 2021, sempre colocando em cena criações autorais.

Para celebrar a data da estreia do primeiro trabalho conjunto – as encenações simultâneas de dois solos A Dor e Pulso, no palco do Sesc Consolação 2016, serão realizados eventos virtuais com parte da programação contemplada pela Lei Aldir Blanc (Lei 14.017/2020), Módulo I, Maria Alice Vergueiro, através do Ministério do Turismo, Secretaria Especial da Cultura e Prefeitura Municipal de São Paulo, por meio da Secretaria Municipal de Cultura.

Entre o final de abril e os últimos dias de maio, o coletivo e convidados discutem questões como feminismo, literatura e gênero. Também fazem parte da comemoração duas ações ligadas ao processo de uma das próximas encenações, Orlandx (baseado no romance de Virginia Woolf e que esteve no 27º Festival MixBrasil) e a pré-estreia de Rosa Choque (poema cênico musical com dramaturgia de Dione Carlos reunindo atrizes que estão em diferentes cidades).

VULCÃO aproxima diferentes linguagens, une teatro, literatura, dança e audiovisual e vê como motor catalisador – principal e determinante – o trabalho do intérprete. O coletivo tem desenvolvido projetos de investigação teatral a partir do deslocamento da literatura para a cena. O coletivo já realizou criações a partir da obra de três grandes autoras do século XX – Clarice Lispector, Sylvia Plath e Marguerite Duras.

Coletivo VULCÃO se debruça sobre feminismo, literatura e questões de gênero
Coletivo VULCÃO se debruça sobre feminismo, literatura e questões de gênero – Foto: Alice Jardim

Calendário de comemorações

As comemorações começam com uma série de três lives, dias 27, 28 e 29 de abril, terça a quinta-feira, sempre às 20h, no canal de Instagram @vulcao.art. Nesses encontros, o tema é feminismo e literatura – tema presente nas peças apresentadas pelo coletivo – em que Vanessa Bruno conversa a cada dia com uma pensadora: a pesquisadora Eliane Fitipaldi, a jornalista Mariana Delfini e a escritora Liliane Prata. O tema dos encontros é Clarice Lispector e sua obra “Uma Aprendizagem ou O Livro dos Prazeres” (1969) – que deu origem ao espetáculo Águas do Mundo – para uma discussão sobre feminismo e o espaço social da mulher hoje.

Na sexta-feira, 30 de abril, às 20h, será transmitido uma sessão especial de Águas do Mundo, no youtube.com/user/corporastreado. A atriz e diretora, Vanessa Bruno faz em Águas do Mundo uma atualização cênica do romance “Uma Aprendizagem ou O Livro dos Prazeres” de Clarice Lispector no qual o público acompanha sua travessia na partilha da solidão, do habitar seu próprio corpo e desejo para ampliar a capacidade de amar sua própria existência de ser mulher e ser humano no mundo. Entre as várias referências míticas que a obra literária faz, tais quais o mito de Eros e Psiqué, a Odisséia de Homero e a ninfa Lorelei da mitologia alemã, a peça explora a reversão do mito bíblico do pecado original e confere à mulher a entrada no Paraíso e descoberta da vida através do prazer. Em dezembro de 2020, seguindo todos os protocolos de segurança impostos pela pandemia da Covid-19, a equipe produziu, num teatro vazio, a transmissão especial on-line do espetáculo que será exibida.

Outra peça baseada na obra de uma escritora está em processo de construção pelo VULCÃO. “Orlando – uma biografia”, de Virgínia Wolf, lançado em 1928, narra a história do personagem-título, nobre em plena Inglaterra elisabetana, séculos XVI / XVII, que atravessa os anos até o século XX, e que se vê, em um dado momento, misteriosamente transformado em Lady Orlando.

A premissa dá abertura para muitas reflexões e sátiras sobre as construções sociais de gênero, moral, sexualidade e identidade, que serão discutidas pelo VULCÃO [criação e pesquisa cênica] ao compartilhar com o público ações ligadas ao processo de criação de Orlandx, que vem sendo construído em sala de ensaio desde 2017 pelos intérpretes Elisa Volpatto, Paulo Salvetti e pela diretora Vanessa Bruno a partir do romance de Virginia Woolf.

Na sexta-feira, 7 de maio, às 20h, o VULCÃO convida o público a tomar um chá (virtual) no canal de YouTube da Corpo Rastreado. A ideia é os intérpretes fazerem uma leitura online para problematizar a dramaturgia que vem sendo construída em sala de ensaio. Para isso, os integrantes do coletivo recebem as convidadas Carol Pitzer (dramaturga), Britney Federline (maquiadora trans) e Carla Cristina Garcia (socióloga).

A intenção da ação é investigar percepções diante da recepção da versão do texto, para avaliar o tratamento dado aos temas envolvidos neste projeto, como as questões de gênero e sexualidade, do tempo e da historicidade, do humor e da crítica aos valores patriarcais.

Além disso, um encontro que reedita o “jantar pensamento – R U M I N A R”, no qual o público é convidado a discutir se Orlando pode ser considerado queer – em uma tradução livre, o termo designa pessoas fora das normas de gênero, seja pela sua orientação sexual, identidade ou características sexuais. Para participar da discussão duas convidadas especiais: Helena Vieira e Magô Tonhon, no dia 14 de maio, sexta-feira, às 20h, também com transmissão no canal de YouTube da Corpo Rastreado.

R U M I N A R foi desenvolvido pelo coletivo junto com o artista Lucas Pretti e realizado pela primeira vez em setembro de 2018 para reunir pessoas de diversas áreas do conhecimento num jantar que se mistura a um programa performativo (inspirado nas poéticas de Eleonora Fabião). Na impossibilidade dos encontros presenciais, a provocação será feita virtualmente, porém com a mesma vontade de discutir os temas que ajudem na construção do novo espetáculo, Orlandx.

Neste jantar virtual, Elisa Volpatto, Paulo Salvetti e Vanessa Bruno juntam-se à escritora e transfeminista Helena Vieira e à maquiadora e mestre em filosofia Magô Tonhon para pensarem a relação que o romance de Virginia Woolf pode estabelecer com as Teorias Queers. O evento será aberto e transmitido via Youtube, e o público vai poder interagir por meio de perguntas no chat da plataforma. Serão discutidas questões desse corpo ‘desobediente’ da personagem de Virginia Woolf que transgride e rompe as barreiras de comportamento com as convidadas, especialistas em questões de transgêneros e cultura queer.

Na sexta-feira seguinte, 21 de maio, também às 20h, acontece a pré-estreia de Rosa Choque – poema cênico musical virtual com dramaturgia inédita de Dione Carlos, direção Vanessa Bruno. O trabalho faz uma relação entre a história da ativista paquistanesa Malala Yousafzai e as estudantes secundaristas que ocuparam as escolas de todo o Brasil no final de 2015, contra o seu fechamento.

Dione Carlos interligou os dois acontecimentos, influenciada pelo slam poetry (movimento de literatura e resistência que ganhou força no Brasil a partir de 2017). Em maio de 2020, durante o isolamento imposto pela pandemia da Covid-19, a diretora Vanessa Bruno reuniu a equipe formada exclusivamente por mulheres conectando artistas de São Paulo, Brasília, Porto Alegre e Paris e propôs uma vivência de teatro completamente remota, inspirada pela estética do zoom e gravada pelo celular das próprias atrizes, relacionando as ruas das slammers com a janela virtual.

Participam no elenco: Alice Quintiliano, Bia Miranda, Gabriela Rocha, Letícia Calvosa, Lilian Regina, Lisi Andrade, Livia Vilela, Luisa Coelho, Monalisa Silva e Rita Grillo. A transmissão será pelo youtube.com/user/corporastreado.

Encerrando as comemorações, em 28 de maio, sexta-feira, às 20h, será feita uma live com os propositores Elisa Volpatto, Livia Vilela, Paulo Salvetti, Rita Grillo e Vanessa Bruno – via Instagram (@vulcao.art). Os cinco integrantes rememoram a trajetória do grupo desde 2016, unindo curiosidades e também a reflexão sobre (r)existir nos tempos atuais.

As peças criadas pelo VULCÃO 

Brincar de Pensar, concebido e dirigido por Vanessa Bruno, foi criado a partir de oito contos/crônicas de Clarice Lispector, publicados no Jornal do Brasil entre 1967 e 1973. A peça é feita no jogo em que o pensamento é o protagonista, juntamente com memórias e inquietações de uma jovem narradora, vivida pela atriz Isabel Wilker, ao lado de Lívia Vilela e Luiz Felipe Bianchini, para apresentar memórias da infância e devaneios próprios de todas as idades.

A Dor, criado a partir do romance “La Douleur” de Marguerite Duras, também é dirigido por Vanessa Bruno. O espetáculo com a atriz Rita Grillo é uma compilação de publicações de escritos em algum momento do pós-guerra, que tratam do período em que o marido da autora francesa, envolvido com a resistência ao nazismo, foi preso e enviado para um campo de concentração. A peça é um testemunho cênico sobre a guerra do ponto de vista de uma mulher.

O solo Pulso, com Elisa Volpatto, dirigido por Vanessa Bruno, coloca luz sobre a vida e a obra do ícone da Poesia Confessional norte-americana, Sylvia Plath. O trabalho apresenta o universo de uma mulher enclausurada no ambiente doméstico dos anos 50, buscando escrever e produzir sua obra literária ao mesmo tempo em que se percebe sem reconhecimento, justamente devido à posição que ocupava frente ao status quo estabelecido por uma sociedade patriarcal e machista. Tudo naquele que seria o seu último dia de vida (Sylvia Plath cometeu suicídio aos 30 anos, ligando o gás em sua cozinha). O espetáculo, desde sua estreia em 2016, tem servido como disparador para pensarmos de forma poética e sensível sobre o espaço ocupado pelas mulheres na sociedade hoje.

Águas do Mundo, pesquisa e criação a partir do deslocamento do romance “Uma Aprendizagem ou O Livro dos Prazeres” de Clarice Lispector para o palco. O espetáculo mantém a poética clariciana em terceira pessoa, onisciente, com alternância entre diálogos e fluxo de pensamento, numa narrativa em que uma consciência se abre para outra consciência, afirmando a escrita peculiar e metafísica de Lispector. Idealizado há mais de 10 anos pela atriz e diretora Vanessa Bruno, Águas do Mundo tornou-se o embrião de sua pesquisa de mestrado concluída em 2015 na Escola de Comunicação e Artes da Universidade São Paulo (ECA-USP) em que relaciona os procedimentos de Antunes Filho e a experiência pregressa no CPT com a transposição da literatura de Lispector para a cena. Os procedimentos desenvolvidos nesta pesquisa foram aplicados na criação dos outros espetáculos do VULCÃO [criação e pesquisa cênica]Brincar de PensarPulso e A Dor.

Serviço

#vulcão5anos
De 27 de abril a 28 de maio de 2021
www.vulcao.art.br

PROGRAMAÇÃO

Lives Clarice e Feminismo [incentivo Lei Aldir Blanc]
Transmissão pelo Instagram do Vulcão
Mediação: Vanessa Bruno
27/04, terça-feira, 20h, com Eliane Fitipaldi
28/04, quarta-feira, 20h, com Mariana Delfini
29/04, quinta-feira, 20h, com Liliane Prata

Transmissão da peça Águas do Mundo
interpretação e direção Vanessa Bruno
Via Canal de YouTube da Corpo Rastreado
30/04, sexta-feira, 20h

Chá dramatúrgico Orlandx [incentivo Lei Aldir Blanc]
Via Canal de YouTube da Corpo Rastreado
07/05, sexta-feira, 20h
Com Elisa Volpatto, Paulo Salvetti e Vanessa Bruno
Convidadas: Britney Federline, Carol Pitzer e Carla Cristina Garcia

R U M I N A R – Orlandx é queer? [incentivo Lei Aldir Blanc]
Via Canal de YouTube da Corpo Rastreado
14/05, sexta-feira, 20h
Com Elisa Volpatto, Paulo Salvetti e Vanessa Bruno
Convidadas: Helena Vieira e Magô Tonhon

Pré-lançamento de Rosa Choque
Dramaturgia Dione Carlos, direção Vanessa Bruno
Via Canal de YouTube da Corpo Rastreado
21/05, sexta-feira, 20h

Live com os propositores VULCÃO
Transmissão pelo Instagram do Vulcão
28/05, sexta-feira, 20h
Com Elisa Volpatto, Livia Vilela, Paulo Salvetti, Rita Grillo e Vanessa Bruno

Junte-se à nossa comunidade

O app SCRUFF (Google Play ou App Store) está disponibilizando gratuitamente a versão PRO no Brasil, com todas as funcionalidades premium. Seja Embaixador SCRUFF Venture para ajudar os gays que estão visitando sua cidade. Tenha uma agenda atualizada das melhores festas, paradas, festivais e eventos. São mais de 15 milhões de usuários no mundo todo; baixe o app SCRUFF diretamente deste link.