GAY BLOG BR by SCRUFF

Em parceria com o diretor de cena Nico Matteis (da Saigon), o coletivo Running Rats lançou a série documental “Além”. Dividido em quatro capítulos, o projeto dá voz a quatro personagens, propondo reflexões sobre temas como preconceito racial e de gênero. Os episódios estão sendo lançados no perfil do Instagram @runningratsorg.

além
Cena do episódio de Steves – Divulgação

Além abre reflexões por diferentes prismas. Um “além” que vai do preconceito à resistência. Um “além” da violência ao esplendor. Os filmes são narrados pelos próprios personagens. As filmagens aconteceram no Rio de Janeiro, nas comunidades de Manguinhos, Maré e Realengo, e em São Paulo, na cidade litorânea de Peruíbe.

O episódio de estreia, “Moleque Puro”, lançado na última quinta-feira (01), conta a história de Jonathan Neguebites (@neguebites01), um menino que sonhava ser jogador de futebol, mas virou dançarino de passinho. “Sou Jonathan dos Santos, mais conhecido como Neguebites. A experiência que eu tive fazendo esse documentário foi ‘fodarástica’. É muito gratificante poder mostrar um pouco da minha realidade e da comunidade onde cresci, onde aprendi a maioria das coisas que sei. Eu me emociono todas às vezes que assisto. Agradeço muito ao Nico e a todos os envolvidos pela oportunidade de fazer com que eu sinta ainda mais orgulho da minha história e do meu corre. Foi excepcional para minha autoestima e para eu perceber que sou um cara ‘foda’, que tenho muito mais a brilhar e sou capaz de chegar a qualquer lugar”, conta Jonathan.

O segundo episódio, intitulado “Vivendo dentro de uma máscara”, retrata a história de Steves (@steveshiandrey), que enxergou em sua personagem, Lolita, uma voz poderosa para combater o preconceito. “Ter que se despir de figurinos, maquiagens e textos decorados, para protagonizar minha própria existência, foi algo que nunca imaginei que iria acontecer comigo ao topar participar deste projeto. O mais incrível foi poder me ver através do olhar de pessoas até então desconhecidas, como eram todos da equipe de produção deste filme e sobretudo o diretor Nico Matteis. Me reconhecer, perceber que aquela máscara que eu sempre pensava me proteger, era transparente o bastante para não esconder minhas cicatrizes, assustou no primeiro instante, mais também me abraçou ao perceber que o que aproximava a troca de vivências com outras pessoas, não era as personagens e sim o fato que elas também se reconheciam nestes fragmentos de dor e alegria. Estar neste projeto não mudou minha vida, mais potencializou todas as mudanças que o estar vivo requer que tenhamos dia a dia e a pós o sutil soco no estômago que esta experiência foi, acredito que este caminhar será ainda mais intenso, repleto de amor, lágrimas e vida”, diz Steves.

A terceira história, “Ter um teto quando está chovendo”, é da dançarina Codazzi (@codazzi_idd), que viu no nascimento da filha sua redenção. “Participar do projeto além foi uma experiência incrível, que para além do trabalho teve conexão, emoção e empatia. Compartilhar coisas tão profundas e intensas, algumas talvez até não bem resolvidas é difícil pra mim, eu fiquei impressionada comigo mesma o quanto eu me senti a vontade para conversar olho no olho com a equipe que ali estava comigo. Me senti a vontade e as coisas foram fluindo naturalmente… Eu fiquei mega feliz com o resultado, eu vibrei de emoção, tudo ficou perfeito! Edição, filmagem, direção… A forma que as imagens se encaixava com minhas palavras transmitiam muita emoção, que trabalho incrível! Me senti muito orgulhosa, essa experiência me fez perceber o quanto sou forte, o quanto evolui, o quanto devo ser grata por tudo… Me deu muita energia”, diz Codazzi.

A websérie fecha com Higor (@ahigorporai), que encara a visibilidade como uma questão de sobrevivência. “Sobrevivente” será lançado na próxima quarta-feira, dia 07.

“Quando é que uma bixa transgenere, artista, brasileira, interiorana e pobre, tem a oportunidade de se expressar e viver em segurança, dignidade e respeito em seu país de origem e/ou em liberdade pelo mundo? O que pode ser feito pela minha vida marginalizada? Quando é que vou poder construir minha trajetória sendo valorizada e sem ter minha identidade maltratada. A busca perdura… Ter participado do projeto Além, foi uma espécie de respiro, grito e choro, ao olhar para minha própria vida e ter orgulho de quem sou. Projetos como “Além”, são necessários para pessoas que assinam um pacto de transformação consigo mesmas. Ainda mais nos tempos tenebrosos em que vivemos. Ao abrir espaço para histórias corajosamente sensíveis e imprescindíveis do nosso povo, sejam elas semelhantes ou diferentes das que geralmente somos acostumados a entrar em contato, a luta por sobrevivência se explícita através da arte, e a importância da transgressão de valores fortalece o respeito ao ser humano. O projeto Além, nos eleva e nos convida a refletir a informação e a formação de novas possibilidades do existir, na ressignificação e reconstrução de sociedades inteiras. Assistir minha história retratada, é honrar o que aprendi com as manas do bonde (LGBT’S) onde, principalmente para nós pessoas Trans, visibilidade é questão de sobrevivência. O projeto Além, me apresentou a possibilidade de resgatar as minhas lágrimas e transforma-las em registro artístico e trabalho. A história que antes se esvaia em solidão, agora se soma a um oceano profundo, onde compartilho sensações e transito para além da dor. Ser inspirada e inspirar pessoas é um bálsamo . Ao ser inacabada, o que me completa e me esvazia é o amor”, relata Higor.

SERVIÇO

Instagram: @runningratsorg

FICHA TÉCNICA RJ
Direção: Nico Matteis
Direção criativa : Running Rats
Diretor de cena: Nico Matteis
Assistente de direção e assistente criativa: Livia Stacciarini
Direção de fotografia: Fernando Bertoluci
Produção de elenco: Lívia Stacciarini
Direção de arte: Felipe Petroni e Bruno Zampoli
Acervo fotográfico: Vincent Rosenblatt
Transporte: Salles
Trilha sonora: Cabaret
Pós-produção: Butterfly Coletivo
Colorização: Acauan Pastore
Equipamentos de iluminação: Locall
Produtora: Saigon

FICHA TÉCNICA SP:
Direção: Nico Matteis
Direção criativa: Running Rats
Diretor de fotografia: Fernando Bertoluci
Assistente de fotografia e produção de set: Gabriel Avelar
Assistente de direção, assistente criativa e produção de elenco: Lívia Stacciarini
Direção de arte: Bruno Zampoli e Felipe Petroni
Produção de saco plástico: Flaviane
Equipamento de iluminação: Locall Passarelli – Drone
Trilha sonora e sound design: Cabaret
Pós-produção: Butterfly Coletivo
Colorização: Acauan Pastore
Produtora: Saigon

Junte-se à nossa comunidade

O app SCRUFF (Google Play ou App Store) está disponibilizando gratuitamente a versão PRO no Brasil, com todas as funcionalidades premium. Seja Embaixador SCRUFF Venture para ajudar os gays que estão visitando sua cidade. Tenha uma agenda atualizada das melhores festas, paradas, festivais e eventos. São mais de 15 milhões de usuários no mundo todo; baixe o app SCRUFF diretamente deste link.