Tchelo Gomez, do Quebrada Queer, lança EP solo

Terceiro trabalho do artista, inspirado na numerologia, conta com a participação da cantora Candy Mel

O 3 é a expressão, a comunicação, a criação. É a união do 1 e 2. Na espiritualidade, o número três é visto como o poder da unidade entre a mente, o corpo e o espírito e, com base nesse três pilares, o cantor e compositor Tchelo Gomez lança um EP com três faixas intitulado “3”. As músicas foram produzidas pelo músico e beatmaker Dinho Souza, produtor de artistas como BaianaSystem, Rico Dalasam e Larissa Luz.

Para este novo EP, Tchelo aposta no estilo dançante, que dialoga com pop, música brasileira e africanidades, abordando assuntos contemporâneos: “Pele” fala sobre o valor das coisas simples quando o assunto é afeto; já a faixa “Resiliência” é uma mistura equilibrada de deboche e sensatez, que questiona o nosso poder de ação em relação aos nossos problemas; por fim, “Transbordar”, que conta com a participação especial da cantora Candy Mel, ex-integrante da Banda Uó, é um funk com cumbia que reforça toda forma de amar, independente do que é imposto como padrão na sociedade.

Em janeiro deste ano, Tchelo lançou o single “Encaracolado”, juntamente com o clipe que já conta com mais de 31 mil visualizações. A faixa, que fala sobre amor, afeto, autoestima e negritude, não faz parte do EP, mas deu uma prévia aos fãs do que estaria por vir do trabalho solo do artista. O EP já está disponível em todas as plataformas digitais, incluindo no Spotify.

Sobre o TCHELO

A trajetória musical de Tchelo começou como a de muitos artistas: cantando na igreja católica. E foi lá também, depois de muitas apresentações, que percebeu que precisava buscar novos horizontes além das missas e, para se aperfeiçoar, começou a cursar a ETEC de Artes. Em pouco tempo, fez amizades com artistas mais ativos, profissionalmente. “Eu fui conhecendo uma galera muito legal, que já gravava vídeos cantando, já faziam shows e, ter esse contato, me ajudou a me inserir em um meio que eu pudesse ir mostrando as minhas músicas e descobrindo o caminho que eu queria seguir. As pessoas começaram a gostar e, com isso, veio a necessidade de ter um trabalho inicial”, explica Tchelo.

O primeiro EP, autointitulado, veio em maio de 2017. Ao longo de cinco faixas, gêneros como R&B, Afropop, Soul, Funk, Dancehall e Hip-hop marcavam presença. Desse trabalho, ganhou o 25º concurso Mix Brasil com a música “Tum Tá” e seu primeiro videoclipe “Me Empoderei” foi destaque no portal internacional AFROPUNK.

Sempre atento a tudo o que rolava na cena musical brasileira, começou a perceber uma lacuna que ainda existia e, em 2018, reuniu alguns amigos que conheceu pela internet e criou o coletivo Quebrada Queer, primeira cypher e grupo gay do Brasil e da América Latina. O grupo, formado por Lucas Boombeat, Harlley, Murillo Zyess, Apuke Beat, Guigo e Tchelo, foi destaque nos maiores portais do Brasil e viralizou na internet gerando debates sobre representatividade, não somente sobre a questão LGBTQI+, mas também sobre negritude e juventude periférica. Na Billboard Brasil foram apontados como uma das 10 apostas para música nacional em 2019.

O primeiro trabalho com o Quebrada Queer, e o segundo de sua carreira, veio o ano passado com o EP “SER” – Sobre Existir e Resistir” e ficou entre os 10 melhores álbuns de 2018 pela RedBull. Destaque para a faixa “Pra Quem Duvidou” que um hino contra homofobia e transfobia.

Conheça mais de TCHELO – @tchelogomez

Assista os vídeos das faixas:

2. RESILIÊNCIA youtu.be/3eTjfN25XnM
3. TRANSBORDAR feat. MEL youtu.be/ImBapIbG2R4

EP “Tchelo Gomez”, disponível em todas as plataformas digitais: 
ONErpm.lnk.to/TCHELOgomez

Comente