Peça ‘A Noite do Antílope Dourado’ em cartaz em Ipanema (RJ)

Em cartaz até dia até a 31 de outubro no Teatro Candido Mendes

Escrita e encenada na década de 70, os assuntos abordados no texto de ‘A Noite do Antílope Dourado’ permanecem atuais: as perturbações mentais, a homofobia, o poder doentio e desmedido.

Peça 'A Noite do Antílope Dourado' em cartaz em Ipanema (RJ)
Foto: divulgação

A trama se desenrola na cela de um Manicômio Judiciário, mas poderia passar em qualquer lugar onde a imposição de ideias se faz presente. Nesse Manicômio se encontra Jorge, um assassino cruel, homofóbico, emocionalmente desequilibrado, e para lá é levada Vera, um velho travesti suicida, que vive à margem de uma sociedade hipócrita e preconceituosa. Dois universos diferentes, que se atraem e se repelem mutuamente. Duas partículas de camadas sociais minoritárias e marginalizadas.

Controlando esta cela, está um enfermeiro, que para este pequeno universo representa o poder maior. Abusivo e repressor, do alto de sua posição, este Enfermeiro arma um jogo entre Jorge e Vera com a finalidade de atingir os seus próprios objetivos, que é destruí-lós. Partes fracas que são diante de uma força maior presente, estas minorias (assassino e travesti) se tornam peças fundamentais para saciar a diversão sádica do Enfermeiro. Porém, essa cela não pode comportar três mentes tão perturbada (Jorge, Vera e enfermeiro) e O final desse jogo é previsível.Uma dessas peças é eliminada. Qual? Assistam até o final!

Segundo o ator e produtor Fernando Giusti “Remontar esse espetáculo quatro décadas após sua estreia original é trazer à cena um tema questionador, polêmico e pulsante”.

SERVIÇO DO ESPETÁCULO
Teatro Candido Mendes
Rua Joana Angélica, 63 – IpanemaRio de Janeiro, RJ
Tel: 2523-3663.
Capacidade: 103 lugares. 1 lugar para cadeirante
Horários: 4ªs e 5ªs às 20h
Classificação: 16 anos
Ingressos: R$50,00 (inteira) e R$25,00 (meia)
Temporada: até a 31 de outubro 2019

O AUTOR

Fernando Melo (1954/1997) é um premiado dramaturgo brasileiro, nascido em Pernambuco, autor de vários sucessos do teatro nacional: “Greta Garbo, Quem Diria, Acabou No Irajá”, “O Trágico Fim De Maria Goiabada”, “Se Eu Não Me Chamasse Raimundo”, etc. Seus temas mais frequentes envolvem personagens amargos, perturbados, marginalizados que sobrevivem no submundo, do qual o autor tem um conhecimento profundo.

EQUIPE TÉCNICA

Autor: Fernando Melo
Direção: Sérgio Nostra e Claudinha Vieira
Elenco: Matheus Freire, Fernando Giusti e André Américo
Cenário e figurinos: Augusto pessoa
Iluminação: Sérgio Nostra
Trilha sonora: Thiago Lopes
Fotografia: Luíz Teixeira Mendes