Diversidade e meritocracia são conceitos que precisam ser revisitados no ambiente corporativo

Sputnik e float propõem discussão sobre Meritocracia e os principais obstáculos para a Diversidade nas empresas

O mundo nunca esteve tão diverso e plural — ainda que, ao mesmo tempo, nunca houve tanta relutância de tantas pessoas e empresas em acreditar nisso. Existem hoje mais de 500 etnias, mais de 50 identidades de gênero, mais de 50 orientações sexuais e mais de 20 religiões grandes/médias. Todo mundo parece que é “mais cabeça aberta”, mas essas discussões, especialmente no ambiente corporativo são fronteiras frequentes.

A maioria das empresas aposta na Diversidade desde que valha, ao mesmo tempo, a velha e boa lei da Meritocracia e que ninguém “se esconda atrás das suas cotas”. O problema é que Meritocracia é um modelo vigente de hierarquização e premiação dos mais fortes, mais talentosos, inteligentes, dedicados por que não dizer, mais privilegiados.

meritocracia
Foto: reprodução/Uol-GettyImages

Para Mari Achutti, CEO da Sputnik, braço B2B da Perestroika, o conceito ocupa um limiar tênue entre fazer justiça e perpetuar injustiças, e a discussão vem aquecendo à medida que muitas empresas vem tratando deste assunto.

“O conceito original de Meritocracia era baseado na equação “QI + esforço = mérito”, na sociedade contemporânea seu significado é “Educação + esforço = mérito”; e Educação, sabemos bem, é um marcador de privilégio e status muito claro no contexto em que vivemos. A análise objetiva de CVs e entrevistas estritamente técnicas, práticas da grande maioria dos RHs, são os primeiros obstáculos para contratações em prol de diversidade e inclusão”, explica.

O debate se intensificou em 2015, quando a McKinsey, empresa de consultoria empresarial americana publicou o icônico relatório que compara os índices de Diversidade nas empresas com números de performance financeira. Em 2018, a nova edição do estudo comprovou que ambientes diversos resultam em maiores índices de criatividade e inovação.

Nesse contexto, a lógica da Meritocracia se transforma em uma espécie de mito ideológico — uma crença organizacional que está à serviço da reprodução das desigualdades e da perpetuação da não-diversidade no ambiente corporativo. Cada vez mais estudiosos aprofundam e sustentam essa conclusão.

Mapa da desigualdades 2018

Lucas Liedke, Co-Founder da float, empresa de estratégia, cultura e comportamento do consumidor, destaca um estudo divulgado pela Rede São Paulo, organização da sociedade civil que tem por missão mobilizar diversos segmentos da sociedade, e retrata as inúmeras realidades em que vivem os diferentes habitantes de uma mesma megalópole.

“Segundo o estudo, o ciclo é vicioso e desastroso e passa por questões de segurança pessoal, moradia, lazer; e, é claro, por toda a gama de preconceitos com origem, cor, crença, identidade de gênero, idade e deficiências física e mental. Sem falar em classes sociais, o debate que a maioria das empresas prefere evitar”, esclarece.

Para André Alves, Co-Founder da float, pondera que o problema é passar por cima das diferenças, histórias pessoais e liberdades individuais. “Repetir essa falha é ignorar o fato de que ninguém parte do mesmo lugar. Além de não trazer o centro da questão para a mesa: o papel dos nossos vieses inconscientes no dia-a-dia. É aquela história de que apenas 2 em cada 10 brasileiros admitem ser preconceituosos, mas assumem já ter feito comentários considerados racistas, machistas ou homofóbicos”, concluiu Alves.

Não há receita milagrosa e todas as empresas estão tentando encontrar caminhos. Ainda que o trajeto não esteja tão claro, existem algumas premissas básicas que precisam ganhar notoriedade: soluções devem ser sempre conjuntas e com atuações em diferentes áreas e departamentos; não existe one-size-fits-all: há estratégias que funcionam melhor para determinados perfis de empresa e quadro de funcionários; Diversidade é um trabalho de todos, por isso é tão importante trabalhar iniciativas que comuniquem e sensibilizem as iniciativas para todos os colaboradores.

Comente