A sexta edição dos quadrinhos de “Guardiões da Galáxia” traz um novo beijo gay: Hércules e Noh-Vaar, algo já esperado pelos fãs. Na história, um dos heróis, Nova, está em uma sessão com uma psicóloga e ele começa a lembrar de uma das batalhas recentes que os Guardiões da Galáxia enfrentaram. Nas lembranças dele, vemos a cena entre os dois personagens. Nova também diz que ambos não são namorados, apenas ficaram.

- CURTA A PÁGINA DO FACEBOOK -
Hércules dá beijo gay em nova HQ de Guardiões da Galáxia
Reprodução

Noh-Vaar já era declaradamente bissexual desde a revista Jovens Vingadores, lançada em 2013. Já o Hércules, um dos mais antigos heróis da Marvel, sempre teve fama de ter vários romances com mulheres, mas sua bissexualidade veio a público em duas ocasiões: a primeira em X-Treme X-Men, onde ele faz par romântico com Wolverine em uma realidade alternativa, e também em Hércules: A Queda de Um Vingador, onde as ex-namoradas do semideus estão em seu funeral (ele morre, porém depois revive), e Pássaro de Neve diz que “outros” deveriam estar lá junto com elas. Todas as personagens olham fixamente para o Estrela Polar, que é o primeiro super-herói gay da Marvel, mas ele apenas desvia o assunto.

Vale dizer que na mitologia grega, Hércules sempre foi bissexual, tendo relações homoeróticas com Eros. Reza a lenda que o semideus tinha 14 amantes homens, sendo o mais notório seu sobrinho, Iolau.

Hércules e Iolau, com Eros entre eles. Vaso de ritual etrusco do século IV a.C.

Na Grécia antiga não havia o conceito de “homossexualidade” como entendemos hoje (nem mesmo essa palavra) e o gregos consideravam as relações entre dois homens como algo corriqueiro e padrão, não sendo um tipo de desvio moral, perversão ou algo “errado”. Ao contrário, era incentivado pela sociedade. Apesar disso, havia uma obrigação dos homens casarem e terem filhos, e o que era mal visto na sociedade da época era que os homens fossem afeminados, tendo regras de discrição e punições para aqueles que não fossem viris.

Google Notícias
Jornalista formado pela PUC do Rio de Janeiro, dedicou sua vida a falar sobre cultura nerd/geek. Gay desde que se entende por gente, sempre teve um desejo de trabalhar com o público LGBT+ e crê que a informação é a melhor arma contra qualquer tipo de "fobia".

2 COMMENTS