Morreu aos 84 anos o autor, dramaturgo, roteirista e ativista Larry Kramer, conhecido pelo seu trabalho de conscientização do público sobre a pandemia do HIV/AIDS. A informação foi dada pelo seu marido, David Webster, ao The New York Times, que disse que Kramer estava com pneumonia.

Kramer descobriu que portava o vírus HIV em 1988, curiosamente seis anos após fundar a Gay Men´s Health Crisis, organização que focava na luta contra a AIDS, em especial dando assistência aos homens gays. Além disso, ele também esteve envolvido na fundação do ACT UP (Coalisão para Liberar o Poder contra a AIDS) realizando atos para chamar a atenção do governo dos Estados Unidos sobre a gravidade.

A negligência do governo norte americano sobre a gravidade da AIDS que o fez escrever a peça “The Normal Heart”, que retrata o cotidiano dos portadores do vírus HIV, em 1985. 29 anos mais tarde, em 2014, a peça foi adaptada para filme de televisão, chegando a vencer um Globo de ouro e dois Emmys.

Larry Kramer morre aos 84 anos
Foto: Reprodução

Mais recentemente, ele escreveu a peça “An Army of Lovers Must not Die“, se inspirando na atual pandemia que assola o mundo: coronavírus. Essa ainda não estreou.

Seu desejo em entender a sexualidade e lutar pelos direitos dos gays veio após uma tentativa em tirar a própria vida quando ainda era um jovem adulto. Isso porque, aos 18 anos, ele entrou na Unversidade Yale e ele se sentia como o “único estudante gay do campus”, tendo muitas dificuldades em socializar.

Só que algum tempo depois, ainda como estudante, ele acabou tendo um caso com um professor de alemão, sendo este seu primeiro namorado. O relacionamento de ambos acabou quando o professor foi a Europa para se dedicar aos estudos, chegando a convidar Kramer, que optou em não ir com ele.

Quanto ao seu marido, ambos se conheceram na década de 1970 e tiveram um relacionamento breve. Em 1991 os dois reataram e, em 2013, casaram oficialmente.

 

Google Notícias
Jornalista formado pela PUC do Rio de Janeiro, dedicou sua vida a falar sobre cultura nerd/geek. Gay desde que se entende por gente, sempre teve um desejo de trabalhar com o público LGBT+ e crê que a informação é a melhor arma contra qualquer tipo de "fobia".