Talvez pelo nome o leitor não conheça o artista português Antonio Da Silva, mas muito provavelmente já tenha visto circular em algum grupo erótico do Whatsapp os trailers de alguns dos filmes sexuais dirigidos e produzidos por ele.

Gingers – Divulgação

Vivendo em Londres, Antonio Da Silva, 42 anos, não tem um porto seguro: com 10 anos de carreira, ele viaja para vários países rodando os seus filmes sensuais cujo o foco é a sexualidade masculina. A beleza local das mais diversas nacionalidades é sempre inspiradora aos seus olhos: mexicanos, cubanos, europeus e claro brasileiros. Aqui, no país, ele gravou alguns filmes, sendo um deles “Brazil Carnival”, que mostrava toda a efervescência da folia carioca, dentre outros bastante ‘calientes’.

Da Silva estudou cinema, multimídia, artes plásticas e performativas, tendo como objetivo interligar o interesse por cinema, performance e artes visuais, tendo realizado dois mestrados em Londres nessas áreas. Ele parte do princípio da experimentação, sempre interessado em explorar diferentes gêneros artísticos, isso fica evidente em filmes como “Beach 19”, “Mates” e “Dancers”, este último sem conteúdo sexual explícito, mas com ênfase na nudez e expressão corporal. A filmografia de Antonio Da Silva preza sempre pela qualidade técnica e artística, não sendo apenas uma mera pornografia.

da silva
Divulgação

Discreto, ele prefere não fazer divulgação de sua imagem mas apenas de suas obras, disponíveis no site, totalizando mais de 20 curtas-metragens, cada um abordando uma temática diferente, podendo ser o sexo rápido dos aplicativos de paquera, o sexo anônimo em uma imensa área de pegação, o paraíso das praias de nudismo em Portugal e diversos outros temas. 

Com exclusividade, Da Silva conversou com o GAY BLOG BR:

Você nasceu em Portugal mas vive em Londres, a decisão de morar em Londres está relacionado ao fato da Inglaterra ser mais “livre” no sentido sexual do que Portugal, que possui fortes raízes religiosas?

Eu nasci em Portugal, fui para Londres em 2005 para estudar vídeo dança e artes plásticas. A decisão de ir para Londres foi impulsionada pelo fato de dois dos meus melhores amigos terem ido para lá viver/estudar. Eu, nessa altura, tinha terminado a licenciatura em multimídia e tinha vontade de fazer mestrado em videodança e Londres era a única cidade que tinha um mestrado nesta área. Também me atraiu bastante o fato de Londres ser uma cidade com muita diversidade artística e cultural. Nessa altura, estava precisando me distanciar um pouco das minha referências culturais.  

Como surgiu a ideia de rodar curtas-metragens com temas de sexualidade explícita?

A ideia surgiu da vontade de desmistificar o preconceito sobre vídeos/filmes de conteúdos explícitos, porque acredito que é possível criar filmes que tenham narrativa, estética e apelam mais ao cidadão comum, no sentido em que as pessoas consigam se identificar com os conteúdos e os personagens.

Você se diz fascinado com a sexualidade masculina. O que mais te atrai na figura masculina?

Tudo me atrai na figura masculina, especialmente o que mais se oculta, que é o pênis. Também me atrai as histórias sobre as pessoas e os pênis…

Divulgação

Você já filmou 26 curtas-metragens de sexo explícito. Qual deles fez mais sucesso? E qual foi o mais difícil de ser filmado?

A curta metragem que possivelmente fez mais sucesso foi a primeira, que foi MATES, depois GINGERS e DANCERS. O filme mais difícil de ser filmado foi SPUNK, porque além de envolver muitos participantes, tem uma narrativa bastante complexa e também contém muitos efeitos especiais.

Eu conheço o seu trabalho há anos e o que eu acho interessante é que cada obra sua têm uma temática diferente (carnaval, praia, dança…). Como funciona esse processo envolvendo o tema e os protagonistas que estão intimamente ligados a temática do curta-metragem?

Os temas são sempre tópicos que tive interesse pessoal em explorar e os protagonistas, no início, foram amigos que participaram. Os temas e os protagonistas surgem de uma dinâmica natural do meio em que estou envolvido. Por exemplo, em Londres tenho muitos amigos ruivos, em Portugal tenho muitos amigos que são bailarinos…

Divulgação

Os rapazes que atuam nas suas obras, são em sua maioria pessoas comuns ou atores? Como é feito essa seleção de “elenco”?

Tal como mencionei anteriormente no início, os participantes eram amigos e a medida que o meu trabalho se tornava conhecido comecei a ter muita gente a me contatar com o interesse em participar nos filmes, grande parte deles são pessoas comuns que gostam do meu trabalho e de se exibir.

Divulgação

Seus curtas-metragens têm uma estética impecável, são de extremo bom gosto aliado ao teor erótico, isso é muito nítido em “Dancers“. Mesmo sendo pornografia, existe ali uma qualidade também artística (locação, trilha sonora etc). O que te inspira?

Toda a minha formação acadêmica foi uma grande contribuição para que os meus filmes sejam bem executados em termos técnicos, estéticos e conceituais. O que me inspira é o fato de haver ainda muitas histórias pra contar sobre a sexualidade e a beleza do corpo masculino.

Falando sobre a sua estadia no Brasil, quantos curtas você rodou aqui? E como foi essa experiência de filmar aqui com brasileiros?

Tenho cinco títulos filmados no Brasil: CARIOCAS, BRAZIL CARNIVAL, BRAZIL SOLOS, BRAZIL JUNGLE, PENIS POETRY e DANIEL. Adoro viajar para o Brasil e trabalhar com Brasileiros, o clima, os cenários e as pessoas são fantásticos. O brasileiro tem uma energia sexual que é muito natural… Tenho tido muitos brasileiros entrando em contato com interesse em participar do meu trabalho e, por isso, pretendo trabalhar em mais projetos no Brasil.

Você tem viajado para diversos países a trabalho, tais como: Brasil, Cuba, México e outros lugares. Qual país te chamou mais atenção em termos de figura masculina?

Eu adoro pessoas e diversidade por isso não consigo destacar uma das culturas que tenha visitado.

antonio da silva
Divulgação

No curta “Daniel” temos um protagonista brasileiro, que é modelo e performer em festas de sexo. Como você o descobriu?

O Daniel foi possivelmente o primeiro brasileiro a me contatar, dar os parabéns pelo meu trabalho e a demonstrar interesse em participar. Por isso, desde a minha primeira viagem ao Brasil que conheço o Daniel. Ele já participou de sete filmes meus porque ele também colabora à distância.

“Praia 19” (Beach 19) talvez seja o seu curta mais conhecido em Portugal, não? A praia é realmente aquele paraíso afrodisíaco exibido no filme? Você é frequentador da praia? (Praia 19 é o local mais famoso em Portugal para gays que curtem naturismo, localizada a 30km ao sul de Lisboa).

Sim, BEACH 19 é o meu curta português mais conhecido, esta praia é verdadeiramente um paraíso para que gosta de nudismo e pegação. Sempre que posso, adoro ir a esta praia, é também um dos locais meus favoritos para filmar e por isso também já filmei lá para outros projetos.

Divulgação

Em alguns dos seus curtas como Praia 19, Car Cruising, Brazil Jungle etc, mostram rapazes que parecem ser cidadãos comuns. Como você os convenceu a participar do curta em práticas como o Cruising (pegação em bar específico para isso) onde a grande maioria preza pelo anonimato?

Os filmes de pegação são todos rodados em locais onde o cruising acontece. Muitas vezes, enquanto filmo os participantes que me contactaram para participar dos filmes, surgem outros participantes que também querem fazer parte de ação de forma anônima.

As pessoas que participam dos seus curtas têm corpos semelhantes, são geralmente magros/definidos. Já pensou em fazer um curta com homens fora do padrão ou mesmo incomuns?

Sim, eu adoro a possibilidade de trabalhar com diversidade. Mas é bem mais difícil ter homens “fora do padrão” que estejam interessados em se expor sexualmente.

Divulgação

“Mates” é um dos seus curtas que tiveram bastante repercussão e tinha como tema os app de paquera, cujo o foco do curta era o sexo rápido. Seria de certa forma uma crítica ao sexo ter se tornado em algo banal através da tecnologia? 

MATES foi meu primeiro curta metragem. Foi filmado bem no início do surgimento dos smartphones e representa muito bem a frenética do sexo descartável.

Quais são seus próximos projetos e quais temas pretende abordar neles?

Os próximos projetos vão continuar a ser uma abordagem multifacetada sobre a sexualidade masculina. Com todo aceleramento da tecnologia e das mudanças climáticas, estou interessado em explorar temáticas que apelem para o homem se conectar e cuidar da natureza.

Filme para assistir gratuitamente durante a quarentena neste link.

Para acompanhar o diretor:
Site: http://antoniodasilvafilms.com/pt/
Facebook: https://www.facebook.com/filmsbyantoniodasilva/
Twitter: https://twitter.com/Antonio24263489

Google Notícias

3 COMENTÁRIOS