O britânico James Wharton, autor do livro “Out in the Army – My Life as a Gay Soldier” (Fora do Armário no Exército – Minha vida como um soldado gay), contou ao canal Forces News que sofria homofobia de outros soldados e foi protegido pelo príncipe Harry, que na época era comandante.

“Eu estive em uma situação que alguns soldados de outro regime, e, essencialmente, eles não gostavam do fato de seu ser gay. Eles ficavam brincando comigo e eu me sentia desconfortável.”

No ano de 2008, o príncipe Harry era seu comandante do carro de combate e, em determinada situação, percebeu que Wharton estava incomodado e perguntou o que estava ocorrendo.

Foto: Reprodução / Getty Images

“Entrei no meu tanque e o príncipe Harry estava fazendo alguma coisa (…) eu disse a ele que alguns soldados do lado de fora não estavam muito felizes pelo fato de eu ser gay.”

Após isso, o príncipe Harry saiu do carro de combate e conversou com todos os soldados.

“Ele os repreendeu e eles me deixaram em paz” – disse na entrevista, comentando também que o príncipe Harry era um ótimo oficial e que todos gostavam dele.

Já em seu livro, Wharton comenta sobre uma outra situação em que soldados de um outro regime o ameaçaram de espancá-lo e que Harry ficou perplexo.

“Eu não conseguia conter as lágrimas em meus olhos. Ele disse, ‘Agora mesmo eu vou acabar com essa m**** de uma vez por todas.’ “

Foto: Reprodução

Harry se aproximou do grupo e, desde então, a situação foi solucionada.

“Sempre serei grato ao Harry. Nunca vou esquecer o que aconteceu. Até ele interver e resolver tudo, eu estava a caminho do espancamento.”

Wharton foi o primeiro homem gay a se expor na capa da revista Soldier em 2009 e dizer “ao mundo” sua orientação sexual. Vale dizer que ele gerou polêmica em 2014 quando escreveu um artigo para a Winq Magazine argumentando que as saunas gays “marcavam a comunidade como diferente pelas razões erradas”, no entanto, ele eventualmente voltou atrás. (Com informações do Pink News)

Google Notícias
Jornalista formado pela PUC do Rio de Janeiro, dedicou sua vida a falar sobre cultura nerd/geek. Gay desde que se entende por gente, sempre teve um desejo de trabalhar com o público LGBT+ e crê que a informação é a melhor arma contra qualquer tipo de "fobia".