Quem viveu a era das discotecas nos anos 70, certamente dançou muito ao som de Sylvester James. Em 1978, ele emplacou o sucesso You Make me Feel, que foi a número 1 na Billboard Club Hits. Foi um dos primeiros artistas abertamente homossexual, fato este que nunca escondeu.

Reprodução
Reprodução

Nascido em Los Angeles, o cantor se mudou para São Francisco em 1970 em busca de liberdade para expressar a sua arte e sexualidade, uma vez que mantinha um relacionamento conturbado com sua mãe, uma devota religiosa que não aceitava a homossexualidade do filho.

Embora fosse barítono, Sylvester se destacou cantando em falsete, com a qual gravou seus maiores hits e, em suas apresentações, James fazia performances como drag queen. O cantor chegou a ser apelidado de “A rainha da Discoteca”. 

Descrito como sendo uma personalidade extravagante, usava tanto roupas masculinas quanto femininas como parte de seu figurino. Em 1987, quando participou de um famoso talk show na TV americana, indagado pela apresentadora se era uma drag queen, o cantor simplesmente respondeu “Eu sou Sylvester”A gravadora, por vezes, tentou interferir no figurino extravagante do cantor, algo que ele recusou a seguir, abusando dos acessórios femininos, como brincos, anéis, chapéus até o fim de sua carreira, em 1987.

As backing vocals também eram fora dos padrões: as plus size Martha Wash e Izora Rhodes. No início do anos 80, elas acabaram deixarando o cantor e criaram juntas a dupla The Weather Girls e, de cara, explodiram com o hit It’s Raining Men. Posteriormente Wash seguiu carreira solo e continua na ativa até hoje.

Reprodução
Reprodução

Sylvester também foi um dos primeiros ao revelar, em 1987, que vivia com o vírus HIV. No ano seguinte, já bastante debilitado em uma cadeira de rodas, participou da Gay Pride em São Francisco. Criado em uma Igreja evangélica quando criança, ao ser questionado se achava que a doença era um castigo de Deus por ser gay, declarou: “Eu não acredito que a AIDS seja ira de Deus. As pessoas têm a tendência de culpar Deus por tudo”.

Reprodução
Reprodução

RELACIONAMENTOS

O cantor costumava se relacionar com homens brancos. Em 1978, se envolveu com o modelo John Maley. Em 1981, namorou brevemente Michael Rayner. No ano seguinte, conheceu o cabeleireiro Tom Daniels, mas a relação durou apenas seis meses quando Daniels descobriu que Sylvester o havia traído com outros homens quando estava em turnê. O último companheiro foi o arquiteto Rick Crammer que morreu de AIDS em 1987, no mesmo ano que o cantor descobriu seu diagnóstico.

Reprodução
Reprodução

DINHEIRO

James era conhecido pela generosidade, não sendo apegado ao dinheiro, gastava com ele próprio, amantes, amigos e família. Extremamente vaidoso, com o dinheiro do segundo álbum, o cantor fez uma plástica no nariz, injetou silicone nas bochechas e fez procedimentos estéticos nos dentes, gastando uma alta soma, e exigindo que suas fotos de divulgação fossem meticulosamente retocadas.

Além do sucesso You Make me Feel ter sido estrondoso no mundo inteiro, principalmente nos Estados Unidos e na Europa, o artista também emplacou outras canções como Dance e “Do You Wanna Funk”, que se tornaram hinos nos tempos da discoteca. Sylvester era a personificação de todos os excessos dos anos 1970 que representava a mudança de normas sociais daquela época. 

Reprodução

You Make me Feel chegou a integrar trilha sonora da novela brasileira Pecado Rasgado, de 1978; tema do documentário The Times of Harvey Milk de 1984, onde Sylvester participa e de quem era amigo pessoal; trilha sonora do filme “54” de 1998 sobre o lendário Studio 54, assim como no filme Milk, de 2008. A canção também foi executada em um dos episódios da série Friends e regravada em 1991, pela atriz e comediante Sandra Bernhard em homenagem a Sylvester.

Reprodução

O cantor de traços femininos veio a falecer no final de 1988 em decorrência da AIDS, aos 41 anos de idade, deixando todos royaties de seu trabalho para instituições de caridade de HIV / AIDS de San Francisco. A letra de “You Make Me Feel (Mighty Real)” é sobre a celebração da vida, os prazeres simples como beijos, abraços, a dança e o mundo da disco, algo que Sylvester explorou intensamente nos tempos do amor livre.

Google Notícias