A tecnologia pode ser uma grande aliada no combate ao preconceito e na valorização da diversidade sexual e de gênero. Como junho é celebrado em todo o mundo como mês do Orgulho LGBT e do combate à homofobia e à transfobia, o TechTudo selecionou uma lista de apps, sites e serviços voltados aos cidadãos LGBT no Brasil. A maioria dos programas funciona tanto para celulares quanto para PC.

GAY BLOG BR by SCRUFF

Confira a seleção de apps e sites abaixo e veja como a tecnologia pode ajudar no combate ao preconceito e prestação de serviços em prol da tolerância.

Vale lembrar que o período virou marco após a Revolta de Stonewall, um episódio de resistência de um grupo de homossexuais, em 1969, aos atos de violência policial em um bar em Greenwich Village, nos EUA. Confira a seleção de apps e sites abaixo e veja como a tecnologia pode ajudar no combate ao preconceito e prestação de serviços em prol da tolerância.

Espaço Livre

O Espaço Livre é um app para celulares com Android e Windows 10 Mobile que busca criar um mapa da homofobia no Brasil. Segundo dados da Secretaria Especial de Direitos Humanos, foram registradas 2.964 denúncias de discriminação e violência contra a população LGBT no país em 2015 pelo Disque 100. No mesmo ano, o número de assassinatos motivados por homofobia no país foi de 318, de acordo com dados coletados pelo Grupo Gay da Bahia, que é referência na luta pelo direitos de pessoas LGBT.

espaco-livre

No Espaço Livre, usuários podem relatar anonimamente pontos em suas cidades em que sofreram agressões físicas ou verbais. Além disso, o app também serve como fonte de consulta sobre áreas perigosas com base no relato dos usuários: quanto mais vermelha for a localização, maior é a quantidade de denúncias. Segundo os desenvolvedores, o app deve chegar em breve para iPhone (iOS).

Mona Migs

O Mona Migs é uma startup que busca conectar pessoas expulsas de casa por causa da LGBTfobia a famílias dispostas a ampará-las. Atualmente, o site encontra-se em pré-cadastro para que os interessados em receber pessoas em estado de vulnerabilidade possam fornecer dados para o contato. Além disso, também há coleta de relatos de indivíduos que sofreram discriminação ou violência em casa e desejam compartilhar histórias anonimamente na página do Facebook.

mona-migs

Segundo a equipe da plataforma, foram recebidos atualmente um total de 790 cadastros e 248 depoimentos em pouco mais de um mês desde o lançamento do Mona Migs. “A procura nos impressionou de duas formas: uma negativa, pois não deixamos de ficar extremamente tristes em saber que existem tantas pessoas por aí expulsas de casa. E, em parte positiva, pois conseguimos dar a esperança a pessoas que, em alguns casos, estavam a ponto de cometer suicídio”, disse um dos desenvolvedores da plataforma, Wallace Soares.

Tem Local?

O Tem Local? é uma plataforma colaborativa que reúne relatos de pessoas que sofreram ou presenciaram agressões motivadas por LGBTfobia. Ao abrir a página, o usuário pode selecionar orientação sexual e/ou identidade de gênero com as quais se identifica. Em seguida, é possível ler as histórias publicadas no mapa, identificadas com base no tipo de preconceito sofrido.

tem-local

Ao contrário do Espaço Livre, o Tem Local? permite que o internauta forneça mais detalhes sobre a agressão sofrida ou presenciada. É possível informar o local da agressão no mapa, o tipo de violência, data, hora, um pequeno relato e definir se foi homofobia, lesbofobia, bifobia ou transfobia. O site solicita ainda contato e informações sobre a vítima para ajudar a gerar estatísticas e futuras cobranças ao poder público.

Dicionário de Gêneros

O Dicionário de Gênero é um projeto colaborativo do AfroReggae e da agência Artplan, que visa desmitificar e quebrar preconceitos quanto à identidade de gênero. Para isso, a página explica conceitos nem sempre claros à população, como a diferença entre sexo, orientação sexual e identidade de gênero. O site também propõe uma reflexão sobre o quanto a língua nos define, mas também falha no que diz respeito à evolução da percepção de representatividade.

dicionario-de-generos

Para enfrentar esse desafio, o Dicionário de Gêneros consultou dezenas de pessoas para que elas, em depoimentos, definissem a sua própria identidade de gênero. O projeto é ainda uma plataforma aberta na qual cada internauta pode colaborar com a visão de sua identidade, podendo até mesmo incluir novas definições ao dicionário, como uma espécie de Wikipedia.

TransEmpregos

A população de transgêneros no Brasil encontra-se, muitas vezes, em situação de vulnerabilidade socioeconômica e com dificuldade de se colocar no mercado do trabalho. Segundo a Associação Nacional de Travestis e Transexuais do Brasil (Antra), 90% das pessoas trans trabalham com prostituição e em salões de beleza, nem sempre por escolha, mas por preconceito. No entanto, o site TransEmpregos é uma iniciativa para ajudar a comunidade a encontrar oportunidades.

transempregos

Na página, é possível consultar diversas vagas em postos de meio período ou integral, estágio, autônomo e freelancer. Além disso, travestis e transexuais podem anunciar seus currículos gratuitamente para serem encontrados por empregadores.

Conhece mais algum aplicativo ou site que preste serviço de apoio ou diminua o preconceito contra a comunidade LGBT? Deixa a sua colaboração em nosso Fórum

Referências: Secretaria de Direitos Humanos e Grupo Gay da Bahia

Junte-se à nossa comunidade

O app SCRUFF está disponibilizando gratuitamente a assinatura PRO no Brasil, com todas as funcionalidades premium. Seja Embaixador SCRUFF Venture para ajudar os gays que estão visitando sua cidade. Tenha uma agenda atualizada das melhores festas, paradas, festivais e eventos. São mais de 15 milhões de usuários no mundo todo; baixe o app SCRUFF diretamente deste link.