Tinder divulga estudo com hábitos dos LGBTQ+ no Brasil

O aplicativo Tinder divulgou pesquisa realizada no Brasil que revela o comportamento da comunidade LGBT+ nos ambientes on e off-line

A app de relacionamento Tinder divulgou globalmente seu estudo de comportamento da comunidade LGBTQ+ dentro de sua plataforma. A pesquisa, que também foi realizada no Brasil, revela que a comunidade LGBTQ+ sente que houve uma mudança drástica no estigma em torno da homossexualidade nos últimos 5 anos: 75% dos entrevistados afirmam que hoje há menos tabu do que havia 5 anos atrás, tendo os aplicativos de namoro como grandes aliados nesta luta – 86% dos adultos pertencentes a comunidade LGBTQ+ acreditam que os apps os beneficiaram de forma positiva.

Sentimentos como felicidade e orgulho são os mais associados aos que se dizem pertencentes à comunidade e quase dois terços (61%) dos entrevistados dizem que consideram importante que o/a match esteja ativamente envolvido (a) em organizações e ações que lidem com as questões LGBTQ+.

DESTAQUES DA PESQUISA

Acabando com o stigma: Adultos brasileiros pertencentes a comunidade LGBTQ+ sentem que houve uma mudança drástica no estigma em torno da homossexualidade nos últimos 5 anos: 75% dos entrevistados afirmam que hoje há menos tabu do que havia 5 anos atrás. Mais de 1 em cada 3 (37%) afirma que o aumento da aceitação das diferentes orientações sexuais tornou mais fácil ser aberto/honesto sobre sua sexualidade.

Namoro online tem um impacto positivo: Os aplicativos e sites de namoro online desempenham um papel fundamental na quebra do tabu em torno dos LGBTQ+ no Brasil, onde 86% dos adultos pertencentes a esta comunidade acreditam que os aplicativos de relacionamento os beneficiaram de maneira positiva. Essas ferramentas ajudaram a aumentar a confiança dos brasileiros LGBTQ+ para expressarem suas sexualidades- 62% dizem se identificar claramente como pertencente à comunidade nas plataformas online e/ou grupos fechados antes mesmo de se assumir para amigos e familiares. Destes, 89% afirmam que isso deu a confiança necessária para se assumirem fora do mundo online.

PESQUISA LGBTQ+ NO BRASIL – PRINCIPAIS DESCOBERTAS

LGBTQ + são felizes e orgulhosos: A maior emoção que os LGBTQ + adultos relacionam ao se dizer pertencentes à comunidade estão ligadas a felicidade (38%) seguida pelo orgulho (28%).

Encontrei o amor no mundo digital (e na vida real também): As mídias sociais são consideradas a principal forma para 46% dos adultos LGBTQ+ encontrarem pessoas (de forma bem-sucedida), seguida de perto por locais de convívio social como bares (45%).

Plataformas digitais e aplicativos de namoro impulsionam mudanças positivas: mais da metade (53%) dos adultos LGBTQ+ dizem que os aplicativos facilitam que a comunidade expresse sua individualidade com mais liberdade.

Mais encontros com o Tinder: Mais de 1 em cada 3 (38%) afirma sentir mais facilidade em encontrar novas pessoas atualmente – comparado aos últimos 5 anos – devido aos aplicativos de relacionamento, com os usuários do Tinder quase 2x mais propensos a concordar com a afirmação (43%) do que os não usuários (25%).

Solteiro sem culpa: Quase 1 em cada 3 (31%) adultos LGBTQ+ dizem não sentir vergonha do seu status civil. Mais de 1 em cada 3 (37%) de todos os Millennials e 34% dos usuários do Tinder dizem que sentiram a pressão e cobrança de estar em um relacionamento diminuir nos últimos cinco anos.

O ativismo faz o coração bater mais forte: Quase dois terços (61%) dos entrevistados dizem que consideram importante que o/a match esteja ativamente envolvido (a) em organizações e ações que lidem com as questões LGBTQ+.

Demonstrando o amor: 64% dos brasileiros LGBTQ+ dizem se sentir confortáveis em abraçar em público. A Geração Z é a mais confortável em relação a demonstrações públicas de afeto, com 67% se sentindo confortável em abraçar (contra 62% dos Millennials e 52% da Geração Z) e 52% ficando confortável em andar de mãos dadas (contra 45% dos Millennials e 35% da Geração Z).

O que mais lhe atraí?: Enquanto 56% da Geração Z afirma que o desejo de construir uma família é importante na hora de escolher um parceiro, esse número cai para 36% entre a Geração Z e 35% entre os Millennials. Da mesma forma que, enquanto 48% da Geração X classifica a profissão como uma característica importante, apenas 36% dos Millennials e 32% da Geração Z diz levar isso em consideração.

DIVERSIDADE

Dos 86% que acreditam que os aplicativos de relacionamento online beneficiaram positivamente a comunidade LGBTQ+, mais de 1 em cada 3 (42%) acredita que isso oferece mais opções de pessoas para um possível relacionamento com diferentes orientações sexuais. 1 em cada 3 (33%) diz que os aplicativos fornecem uma diversidade maior em termos de raça/cultura. 1 em cada 3 (33%) diz que a comunidade LGBTQ+ tem mais potencial e diversidade no momento de escolher uma possível pessoa para um relacionamento comparado aos heterossexuais.

GERAÇÕES
A Geração Z (45%) e os Millennials (49%) sentem-se mais bem-sucedidas em relação a encontrar pessoas por meio das redes sociais e aplicativos, em comparação a apenas 28% da Geração X. Mais da metade da Geração Z (60%) acredita que os aplicativos de namoro / namoro online tornam mais fácil para os membros da comunidade LGBTQ + expressar sua individualidade mais livremente, em comparação com 48% da geração X.

Metodologia: Os resultados deste estudo são baseados em uma pesquisa realizada pelo Savanta em todo o Brasil, entre 19 de março e 18 de abril de 2019. Para esta pesquisa, 500 entrevistados responderam perguntas que exploraram suas atitudes e hábitos no que se refere à cultura do relacionamento e namoro. O estudo teve como alvo consumidores entre as idades de 18 a 45 anos que se identificaram como LGBTQ+. Os entrevistados foram recrutados através de diferentes mecanismos, de diversas fontes e participaram de painéis e da pesquisa. Todos os participantes passaram por um processo duplo de adesão e concluíram, em média, 300 pontos de análise de dados de perfil antes de participar. Os resultados de qualquer estudo estão sujeitos a variação de amostragem. Neste, em particular, as chances são de 95 em 100 de que o resultado obtido não varie.

Comente