Lacoste – Primavera/Verão 2020 | Semana de Moda de Paris

A coleção foi revelada em torno das estufas de Serres d’Auteuil, enquanto Julien Benneteau e ‘Petit Croco’ Tiago Pirès treinavam ao lado na Simonne Mathieu

O desfile Primavera Verão 2020 da Lacoste marca o retorno a Roland-Garros, o lar espiritual do tênis francês e o terreno de René Lacoste. Desenhada pela diretora criativa Louise Trotter, a coleção celebra uma união emocionante entre o esporte, o legado e o estilo. Refletindo sobre os ícones inesperados da história da Lacoste, Trotter continua a desafiar a tradição com um entusiasmo contemporâneo.

Peças originais para o tênis e para o golfe são retrabalhadas: uma lembrança íntima de John F. Kennedy Jr., pronto para o acampamento de verão em sua polo da Lacoste, evoca o clima de nostalgia, assim como o passeio de René Lacoste, de Dieppe a Deauville, com Suzanne Lenglen (uma campeã mundial conhecida por seu encanto dentro e fora das quadras). Proporções divertidas sugerem roupas que ainda estão grandes e outras que já não servem mais. A alfaiataria é essencial, refletindo os códigos passados da elegância esportiva.

Um ícone da Lacoste desde 1927, a polo em Piqué é reinventada de forma moderna, com proporções quadradas e detalhes ampliados de couro e tricô. Unindo-se a um logo de composição Art Deco e ao monograma de ‘L’, o crocodilo de Robert George, criado em 1926, surge grande nos bolsos frontais e em bolsas de praia de sarja lavada, ou então discretos como ferragens nos mocassins. Tradição e inovação estão sempre alinhadas, realçando a busca pelo equilíbrio no dia a dia.

Para a Primavera/Verão 2020, a Lacoste fez parcerias com duas designers britânicas. Os tênis com colagens são confeccionados à mão por Helen Kirkum, uma releitura dos modelos da estação passada em novos híbridos. O crocodilo foi moldado como Alighieri nos pendentes e pulseiras de metal da Lacoste, pelo joalheiro Rosh Mahtani, transformando o símbolo da casa numa recordação totêmica.