Festa Mel recebe Talaricas Queer neste sábado, dia 20

A Mel, festa LGBTQIA+ dedicada ao brega e a remixes de ritmos periféricos do Brasil, recebe o duo sensação da internet Talaricas Queer. O tema desta edição da festa é “Mel em Clima de Motel”, homenageando a atmosfera de paixão e sedução dos ritmos populares brasileiros. Pra completar, a festa sugere ao público o dresscode ‘Lingerie com Casaco’.

Festa Mel recebe Talaricas Queer
Festa Mel recebe Talaricas Queer. Foto: reprodução

Com apresentação de 60 minutos, o duo Talaricas Queer, formado por Rainha Favelada e Chupac0 irão apresentar com exclusividade na Festa Mel uma sequência de sucessos do ritmo Funk 150 BPM com altas doses de “loucura queer”, uma discotecagem frenética regada a falas repletas de gírias divertidas.

Talaricas Queer é um grupo de amigas que manifestam a liberdade de ser e existir. Mantém um ousado perfil no Instagram onde compartilham trechos de cenas absurdas das festas que frequentam no eixo Rio-São Paulo. Sua mixtape “Talaricas Queer 001” já conta com mais de 7 mil views no SoundCloud em menos de 1 mês. [https://soundcloud.com/talaricaqueer/talaricas-queer-001-rainha-favelada-chupacu-dj-tertu]

Além das Talaricas Queer, a Mel também terá como atrações musicais os DJs residentes Ad Ferrera, Almir Rosa e DJ Tide, nomes em destaque na cena pop-tropical paulistana. No repertório, uma surpreendente mistura de clássicos, remixes e novidades dos ritmos populares e tropicais do Norte do Brasil como Melody, Carimbó, Brega, TecnoBrega, e demais ritmos contagiantes como Axé, Samba, Cumbia, Zouk, Dancehall, Lambada, Salsa, Forró, Funk, Rasteirinha, Bahia Bass, Arrocha, Pagodão, entre outros.

Serviço

Rua Formosa, 65, Anhangabaú
República – São Paulo, SP
(Ao lado da saída do Metrô Anhangabaú)
Ingressos: de R$10 a R$25
Ingressos Antecipados: http://bit.do/melmotel

Contato
Email: melfestamel@gmail.com
Facebook: https://www.facebook.com/muitomel
Instagram: https://instagram.com/melfestamel/
Site: festamel.com

Sobre a Mel

Mel é uma festa pioneira em mapear o novo Brasil. Com mais de 5 anos de atuação em São Paulo, lança artistas, ativa tendências e promove o encontro de uma juventude plural, multicultural e ousada, experimentando, atualizando e religando o afeto das pessoas com a sua própria cultura popular e com a música tropical, periférica e autenticamente brasileira.

O projeto foi embrionado em 2013 no COMO Clube, Núcleo de Estudos e Projetos em Dança, Performance e Convivência Artística. Em maio de 2014, a Festa Mel foi para as ruas, sendo realizada gratuitamente 1 sábado por mês em frente ao restaurante Homelete da Praça Dom José Gaspar, no centro da cidade de São Paulo e a partir daí em edições itinerantes em aparelhos culturais. A ação é uma livre e ousada experiência carnavalesca que celebra a cultura popular, a liberdade e ser e a música das periferias do mundo, com edições realizadas no Rio de Janeiro e em São Paulo.

Mel é uma festa irreverente, um encontro de intensa alegria que mistura gente e adoça rebolados em inusitadas discotecagens que reúnem clássicos, remixes e
novidades dos ritmos populares e tropicais.

Desde de 2014 a festa é realizada pelas ruas de São Paulo, numa livre e ousada experiência carnavalesca que celebra a vida, as culturas populares, as liberdades e as músicas das periferias do mundo. É muito Samba, Brega, TecnoBrega, Axé, Cumbia, Zouk, Kizomba, Dancehall, Lambada, Salsa, Merengue, Forró, Carimbó, Funk, Rasteirinha, Bahia Bass, Arrocha, Pagodão, entre outras melodias, criando um campo de fantasia, diversão e experimentação.

Além dos DJs residentes do projeto (Ad Ferrera, DJ Tide e DJ Almir Rosa), a Festa Mel abriu espaço para artistas iniciantes em suas épocas, como Linn da Quebrada, MC Tha, Mavi Veloso, Jaloo, Glamour Garcia, entre outrxs, ao longo de suas edições em 5 anos.

O objetivo do projeto é estimular os afetos, a alegria e a conexão das pessoas entre si, onde jogos de arte, dança, ‘montações’ e linguagens de moda imersos em um clima carnavalesco criam um interessante território de fantasia, experimentação, garantindo a força democrática de uma verdadeira festa, igualando e fazendo interagir naquele tempo espaço pessoas de diferentes mundos, classes sociais, etnias, orientações sexuais, credos e faixas etárias.

Comente