GAY BLOG BR by SCRUFF

No final do mês de maio, em Washington, uma família estava passeando em um barco exibindo uma bandeira LGBTQIA+, virando motivo zombação por outros navegantes que se dirigiam a eles de modo insultuoso. No entanto, o barco das pessoas que estavam fazendo insultos, acabou entrando em combustão espontânea, forçando a todos a pularem na água, precisando ser resgatado por aqueles que eles estavam sendo vítimas do deboche. As informações são do Seattle Times.

“Estas pessoas perseguiram a minha família porque tínhamos bandeiras LGBT. Logo em seguida, o barco deles literalmente explodiu”, escreveu a conta retro_ushi, no Twitter, publicando algumas imagens do evento e com a hashtag #KarmaÉReal. No Tiktok, o vídeo original já passou de 11 milhões de visualizações.

@uhohbigboi

We safely got them out of the water immediately. We were nicer than they were. #pride #lgbtq #boat #Fail #Karma #Gay #hate #sorrynotsorry

♬ Oh No – Kreepa

As autoridades policiais do condado de Grant confirmaram ao jornal Seattle Times que estão investigando o ocorrido para saber se houve algum crime. Segundo um dos passageiros do barco com a bandeira, Robbie, os homofóbicos estavam gritando a palavra “gay” em tom pejorativo e “b1ch4s” também e uma das moças estava dando o “dedo do meio”.

No Tiktok, a conta (@uhohbigboi) que filmou o resgate dos LGBTfóbicos disse que os resgatados não deram nem um “obrigado” após o episódio:

@uhohbigboi

Reply to @dark_umbre0n Part two with my two best friends @retro_ushi_ and @nova.starr96 #Gay #hate #sorrynotsorry #Karma #Fail #boat #lgbtq #pride

♬ original sound – UhOhBigBoi

Junte-se à nossa comunidade

O app SCRUFF está disponibilizando gratuitamente a assinatura PRO no Brasil, com todas as funcionalidades premium. Seja Embaixador SCRUFF Venture para ajudar os LGBTs que estão visitando sua cidade. Tenha uma agenda atualizada das melhores festas, paradas, festivais e eventos. São mais de 15 milhões de usuários no mundo todo; baixe o app SCRUFF diretamente deste link.

Jornalista formado pela PUC do Rio de Janeiro, dedicou sua vida a falar sobre cultura nerd/geek. Gay desde que se entende por gente, sempre teve desejo de trabalhar com o público LGBT+ e crê que a informação é a a melhor arma contra qualquer tipo de "fobia"