A cantora Patrícia Marx (46), que ficou famosa na década de 80 por integrar o grupo infantil Trem da Alegria, postou esta madrugada no Instagram uma foto com sua namorada, Renata, comunicando sua homossexualidade.

“Sou lésbica com muito orgulho! Estamos juntas, eu e o meu amor, Renata” – disse na imagem, utilizando também a hashtag #28dejunho, fazendo referência ao Dia Internacional do Orgulho LGBTQIA+.

A revelação surpreendeu muitos de seus seguidores, que lembraram que Marx foi casada com o produtor musical Bruno E, além de ter tido outros namoros com homens. Em uma das respostas, ela disse:

“Sempre fui, mas antes não conseguia me assumir. Acontece muito, não?”

Reprodução

BIOGRAFIA DE PATRÍCIA MARX

Patrícia Maques de Azevedo, nascida em 28 de junho de 1974, é uma cantora, compositora e musicista brasileira, ficando nacionalmente conhecida através do programa Clube da Criança, exibido pela Rede Manchete e apresentado por Xuxa.

Em 1985 entrou para o já citado Trem da Alegria, permanecendo por cerca de três anos. Em 1988 deu início a sua carreira solo, ficando mais três anos com a gravadora RCA Records, porém rescindiu o contrato após se sentir desconfortável sob o argumento de precisa seguir um “molde” para que fizesse sucesso comercial.

Mais recentemente, ela gravou o álbum Trinta, em comemoração aos 30 anos de carreira, ficando entre os mais vendidos do iTunes entre março e junho de 2013. Já o videoclipe “Espelhos D´água” possui mais de 600 mil visualizações no canal oficial da gravadora.  Já seu último álbum, Nova, foi lançado em 2018.

Em 1998 ela casou com o produtor musical Bruno E, com quem tem seu único filho, Arthur. Após a maternidade, se tornou vegetariana e também é ativista na proteção aos animais, algo que, segundo ela, “está muito ligado ao vegetarianismo”. Quanto a religiosidade, ela é budista.

Vasco, Corinthians e Palmeiras se manifestam favoráveis ao Orgulho LGBT+

Google Notícias
Jornalista formado pela PUC do Rio de Janeiro, dedicou sua vida a falar sobre cultura nerd/geek. Gay desde que se entende por gente, sempre teve um desejo de trabalhar com o público LGBT+ e crê que a informação é a melhor arma contra qualquer tipo de "fobia".