Com 375 mil mortos por covid, deputada quer proibir comerciais com LGBTs para “proteger crianças”

Para a deputada, que se considera cristã, propagandas que mostram LGBTs são "danosas" para a sociedade, mas não mostra provas ou evidências

This article is also available in: Español

A Assembleia Legislativa do Estado de São Paulo (ALESP) votará, no próximo dia 22 de abril, um projeto de lei (504/20) que tenta proibir a veiculação de publicidade com pessoas LGBTQIA+ ou famílias homoafetivas no estado de São Paulo.

A autora do Projeto de Lei é a filha do pastor José Wellington Marta Costa (PSD), que atualmente é deputada estadual. Ligada à Assembleia de Deus, Costa que alega que os comerciais trazem “desconforto emocional a inúmeras famílias” e mostram “práticas danosas”. Com a proibição, a cristã acredita que vai “evitar a inadequada influência na formação de jovens e crianças”

Marta Costa (PSD) se considera cristã – Reprodução

Já a deputada Erica Malunguinho (PSOL-SP) lidera a oposição contra a proposta, argumentando que não deve existir associação entre perversão e lascividade aos LGBTQIA+, e que isso é “dar mais um passo rumo às violências que já são constantes em relação a nós”.

“Querem nos eliminar da sociedade sob o pretexto de proteger as crianças, quando a gente sabe que os grandes problemas na infância, neste país, são a falta de alimento, de acesso à escola, a violência doméstica e outros abusos que acontecem dentro de casa. Associar a gente à má influência para as crianças é extremamente desumanizador” – diz Malunguinho.

A deputada argumenta que as consequências desse projeto são muito danosas. “Não só para nós, que temos nossa ética e moral questionadas, mas também para as crianças, que ao conceberem suas identidades de gênero ou orientação sexual não terão a possibilidade de ver com naturalidade aquilo que elas são.”

Foto: Reprodução / CBN/Leo Pinheiro

A advogada da integrante da Comissão da Diversidade Sexual e de Gênero da OAB-SP alega que o projeto de Marta Costa é claramente LGBTfóbico e fere a constituição em três pontos:

  • Viola o artigo 220, que defende que “a manifestação do pensamento, a criação, a expressão e a informação, sob qualquer forma, processo ou veículo não sofrerão qualquer restrição”;
  • Usa o termo “preferência sexual”, que é incorreto, para se referir à “orientação sexual”, termo reconhecido na Constituição;
  • Pretende legislar sobre publicidade e propaganda, o que é de competência exclusiva da União, portanto, o tema não deveria ser proposto na esfera estadual.

“A gente vem discutindo a importância de ter diversidade, de ter todos os grupos populacionais representados em todos os espaços, e o PL vai na contramão de tudo isso, inclusive de decisões recentes do STF (Supremo Tribunal Federal), que tem demonstrado uma atuação de defesa aos nossos direitos”, afirma Luanda.

This article is also available in: Español

Junte-se à nossa comunidade

O app SCRUFF (Google Play ou App Store) está disponibilizando gratuitamente a versão PRO no Brasil, com todas as funcionalidades premium. Seja Embaixador SCRUFF Venture para ajudar os gays que estão visitando sua cidade. Tenha uma agenda atualizada das melhores festas, paradas, festivais e eventos. São mais de 15 milhões de usuários no mundo todo; baixe o app SCRUFF diretamente deste link.

Jornalista formado pela PUC do Rio de Janeiro, dedicou sua vida a falar sobre cultura nerd/geek. Gay desde que se entende por gente, sempre teve um desejo de trabalhar com o público LGBT+ e crê que a informação é a melhor arma contra qualquer tipo de "fobia".

4 COMMENTS