Cultura de igualdade impulsiona o ambiente de trabalho, revela estudo

Relatório demonstra que a capacitação de funcionários para inovar pode aumentar PIB global em US$ 8 trilhões até 2028

Estudo da Accenture (NYSE: ACN) demonstra que uma cultura de igualdade no local de trabalho é fundamental na multiplicação de iniciativas em prol da inovação e do crescimento.

Debate da esq. para dir.: Marina Filippe, de EXAME; Karina Chaves, do Carrefour; Beatriz Sairafi, da Accenture; Simone Beier, da Cargill e Alvaro Garcia, do Grupo Boticário. (Flavio Santana/ Biofoto/EXAME)
Debate da esq. para dir.: Marina Filippe, de EXAME; Karina Chaves, do Carrefour; Beatriz Sairafi, da Accenture; Simone Beier, da Cargill e Alvaro Garcia, do Grupo Boticário. (Flavio Santana/ Biofoto/EXAME)

O estudo Getting to Equal 2019 mostra que, nos EUA, a mentalidade de inovação dos funcionários ꟷ ou seja, sua disposição e capacidade de inovar ꟷ é quase cinco vezes maior em empresas com uma cultura de igualdade robusta, em que todos podem avançar e prosperar, do que em empresas menos igualitárias.

“Estamos vivendo em uma época de ampla disrupção e tanto empresas quanto organizações em busca de sucesso precisam inovar continuamente”, afirma Julie Sweet, CEO da Accenture para América do Norte. “Nosso estudo mostra claramente que a cultura organizacional é fundamental para impulsionar a inovação em todos os níveis de uma empresa”.

A pesquisa mostra que a grande maioria dos executivos do mundo concorda que inovação contínua é fundamental: 95% enxergam a inovação como vital para sua competitividade e viabilização de negócios. Uma cultura de igualdade tem um papel chave quando se quer impulsionar uma mentalidade de inovação ꟷ mais do que outros fatores que diferenciam as organizações, como setor, país ou dados demográficos da força de trabalho. Entre os participantes do estudo, pessoas de diferentes gêneros, identidades de gênero e etnias demonstraram uma mentalidade de inovação mais forte em locais de trabalho com culturas mais igualitárias.

A nova pesquisa da Accenture é baseada nas respostas de mais de 18 mil profissionais de 27 países (inclusive o Brasil), além de entrevistas com mais de 150 executivos em nível C-suite de oito países, além de modelo que combina os resultados da pesquisa com dados já publicados sobre a força de trabalho. A nova edição usa dados do estudo 2018 que identificou 40 fatores que contribuem com uma cultura de igualdade no local de trabalho, agrupando-os em três categorias: liderança arrojada, ações abrangentes e ambiente empoderador.

O estudo desse ano determinou que, entre as três categorias de cultura igualitária identificadas, um ambiente empoderador é de longe o fator mais importante para impulsionar uma mentalidade inovadora, formada por seis elementos: propósito, autonomia, recursos, inspiração, colaboração e experimentação. Quanto mais empoderador o ambiente de trabalho, maior o índice de mentalidade inovadora. Nos EUA, por exemplo, funcionários inseridos em culturas robustas de igualdade são sete vezes mais propensos a dizer que nada os impede de inovar (44% na maioria das culturas igualitárias contra 6% em culturas menos igualitárias).

Cultura de igualdade impulsiona inovação no ambiente de trabalho, revela estudo Getting to Equal 2019 da Accenture

Ainda assim, as organizações precisam fechar a lacuna entre executivos de nível C-suite e os demais funcionários, conforme mostra o estudo. Enquanto 76% dos executivos do mundo todo disseram que incentivam os funcionários a inovar, apenas 42% dos funcionários concordam com a afirmação. Outro dado é que os executivos parecem superestimar o valor das recompensas financeiras e subestimar o propósito como motivações para a inovação por parte dos funcionários. Em uma cultura mais igualitária, os principais fatores subjacentes a uma mentalidade de inovação incluem oportunidades de formação de competências relevantes, flexibilização da jornada de trabalho e respeito pelo equilíbrio entre vida profissional e profissional.

Cultura de igualdade impulsiona inovação no ambiente de trabalho, revela estudo Getting to Equal 2019 da Accenture

O papel da diversidade

Se por um lado os fatores de diversidade isolados (por exemplo, uma liderança diversificada ou uma força de trabalho equilibrada em termos de gênero) têm um impacto significativo na mentalidade inovadora, uma cultura igualitária é fundamental para a maximização da inovação nas empresas. O estudo mostra que a mentalidade dos funcionários nos EUA, por exemplo, é quase oito vezes mais inovadora quando a diversidade está ligada a uma cultura de igualdade, em comparação com empresas onde isso é menos comum.

Riscos econômicos elevados

O novo estudo descobriu que uma mentalidade de inovação é mais forte em economias de rápido crescimento e em países com altos índices de crescimento de produtividade. A oportunidade é enorme: a Accenture calcula que o produto interno bruto global aumentaria em até 8 trilhões de dólares americanos em 10 anos se a mentalidade de inovação em todos os países aumentasse 10 pontos percentuais.

“Acelerar a igualdade no local de trabalho nunca foi tão importante para impulsionar a inovação”, conclui Ellyn Shook, responsável por recursos humanos e liderança na organização global da Accenture. “Se as pessoas têm um sentimento de pertencimento e suas contribuições, perspectivas e características únicas são valorizadas pelos empregadores é mais provável que elas avancem e sintam-se capazes de inovar.

Metodologia

Como parte do estudo “Getting to Equal 2019”, a Accenture conduziu uma pesquisa online com mais de 18 mil profissionais de 27 países ꟷ incluindo 1.400 nos EUA ꟷ ao longo de outubro de 2018, bem como entrevistas telefônicas com mais de 150 executivos em nível C-suite em oito países entre novembro e dezembro de 2018.

Acesso o estudo global neste link.

Comente