Dan Reynolds, do Imagine Dragons, literalmente levantou a bandeira trans no Rock in Rio

O vocalista do Imagine Dragons é um grande defensor dos direitos LGBTs. Em 2018, no festival Lollapalooza, Dan Reynolds também levantou a bandeira LGBT+

Hétero militudo das causas LGBT+, Dan Reynolds, vocalista do Imagine Dragons, performou com intimidade com seus fãs brasileiros na última noite do Rock in Rio. De sorrisos a lágrimas, o frontman discursou sobre causas sociais, políticas e familiares. Mas foi durante o música ‘Yesterday’ que Dan Reynolds literalmente levantou uma bandeira que representa o Orgulho Trans.

Dan Reynolds, do Imagine Dragons, literalmente levantou a bandeira trans no Rock in Rio
Foto: reprodução
Dan Reynolds, do Imagine Dragons, literalmente levantou a bandeira trans no Rock in Rio
Imagine Dragons no RIR – Foto: reprodução

A bandeira arco-íris também teve seu lugar de fala durante o show do Imagine Dragons: “Vocês são livres para serem vocês”, disse o cantor enquanto ostentava o manto LGBT+.

Foto: reprodução

#ELENÃO

No ano passado, Dan Reynolds retuitou uma matéria publicada no jornal New York Times que criticava Bolsonaro e comentou: “Isso não representa o Brasil que conheço e amo”. Na mesma semana, inclusive, Reynolds deu entrevista no iHeart Festival com uma camiseta escrita #EleNão.

elenão elenao #elenão
LAS VEGAS, NV – SEPTEMBER 22: Dan Reynolds attends the 2018 iHeartRadio Music Festival at T-Mobile Arena on September 22, 2018 in Las Vegas, Nevada. (Photo by GabeGinsberg/GettyImagesForiHeartMedia)

Bandeira LGBT+ em 2018 no Lollapalooza

No ano passado, no festival Lollapalooza, Dan se enrolou na bandeira LGBT e na bandeira do Brasil – claro, argumentando bravamente sobre igualdade e amor. Assuntou também sobre depressão e armas.

“Há dez anos eu fui diagnosticado com depressão e problemas de ansiedade. Nós vivemos em um mundo em que as pessoas escondem isso porque acham que é uma fraqueza, mas não é fraqueza. Há milhares entre nós que estão deprimidos e não sabem ainda, estão para baixo e entorpecidos, mas há luz. Falem com seu terapeuta, não devemos estereotipar isso em nossa cultura. A música salvou minha vida”, disse o frontman da banda.