Daniel Newman, o ator bissexual de The Walking Dead, compartilhou no Twitter uma foto dele em uma ilha mexicana envolto de pessoas brancas, com corpo fitness, sem máscara e sem nenhum tipo de distanciamento.“Todos testaram negativo [para covid19] várias vezes”, disse ele em um tweet recentemente deletado.

A atitude foi criticada por alguns seguidores que disseram que Newman era hipócrita, pois horas antes, ele havia feito um tweet dizendo que as pessoas que têm algum tipo de profundidade têm grupos de amigos que não se parecem necessariamente com ela: “Procure pessoas com os mesmos objetivos e interesses, não o mesmo tipo de corpo”, ele disse.

Em resposta aos que o acusam de hipocrisia, Daniel Newman gravou um vídeo explicando que estava em um aniversário e não imaginava como seriam as pessoas que estavam lá. Para endossar seu discurso, nesse vídeo ele mostra seu corpo com algumas “gordurinhas” e lançou a hashtag #StopBodyShaming (Pare com a vergonha do seu corpo), e diz “Tenha orgulho de você! Este sou eu”.

Newman disse que acabou rindo bastante após postar uma foto com várias pessoas fitness. Falando sobre imagem corporal, ele diz: “Eu quis dizer sobre diversidade e sobre ser você mesmo, e ter um grupo de amigos diversos. E eu mesmo sou assim – minha família é metade negra e metade latina (…), cinco horas depois de postar [um tweet] sobre diversidade, um amigo me chamou pra um aniversário e chegando, as pessoas são fitness (…), então , eu comecei a rir.Postei uma foto com muitas pessoas fitness e eu fui arrastado – ‘Oh, isso é tão diverso’.”

O vídeo sobre body positive também repercutiu na web.

“Você não tem dimensão do quanto seu vídeo me ajudou. Você mostrou que é tão humano quanto nós, não uma celebridade que está andando em tapete vermelho que nos faz sentir diferente. Obrigado Daniel por ser essa grande pessoa!! Abraços da Argentina”.

Com informações do Pink News e Queerty.

Google Notícias
Jornalista formado pela PUC do Rio de Janeiro, dedicou sua vida a falar sobre cultura nerd/geek. Gay desde que se entende por gente, sempre teve um desejo de trabalhar com o público LGBT+ e crê que a informação é a melhor arma contra qualquer tipo de "fobia".