A atriz Nany People entrou em contato com a redação do site GAY BLOG BR nesta segunda-feira, 03, bastante indignada a respeito de uma declaração dada pelo vice-presidente da Parada LGBT de São Paulo, Renato Viterbo, em uma entrevista concedida para o site na data de 28/07/2020.

- CURTA A PÁGINA DO FACEBOOK -

Na entrevista, Viterbo havia comentado que “todo ano a Nany está com sua tenda na Feira Cultural da Diversidade com a venda do seu Guia, inclusive este ano estaria de novo, mas em função da pandemia a Feira não pôde ser realizada”.

Há mais de 20 anos sem participar da Parada do Orgulho LGBT+ de São Paulo, ao ler a entrevista, a artista ficou bastante chateada ao ver o seu nome envolvido com a Associação e ressaltou desmérito em relação à instituição:

“Para o Guia LGBTS Classificados eu só empresto o meu nome, o que ele disse é uma inverdade, no sentido de que todo ano eu coloco o ‘meu’ guia na feira pra vender. Primeiro que o guia não é vendido, é distribuído; segundo que o guia não é meu. E eu não vou a Parada há mais de 20 anos, exatamente por esses equívocos da direção que a Parada tem, como exemplo ele, como diretor (vice presidente) da Parada, não saber disso. Uma das primeiras coisas que eu levantei bandeira lá trás é que: a partir do momento que a Associação Amigos da Parada exigiu que os carros fossem colocados pelas casas noturnas na época da Parada fossem alugados pela Associação Amigos da Parada e esse preço triplicava, eu questionei, eu ousei perguntar pra o que iria o dinheiro, o que fariam com esse dinheiro e nunca foi me dado resposta, tanto que há mais de 20 anos eu não vou em Parada, eu não faço Parada, não tenho nenhum envolvimento com nenhuma Parada no Brasil. E foi só essa entrevista de vocês com o Viterbo ir para o ar que duas associações de Paradas já me ligaram perguntando: ‘Como você não faz Parada, se você tá na Parada de São Paulo?’. Olha que equívoco que deu; então o pessoal do Guia já está entrando em contato com ele (Renato Viterbo) e queria muito que vocês publicassem a nota de retratação que ele vai enviar”, disse Nany por WhatsApp.

nany
Foto: @designrama @marcosguimaraes.design

O vice-presidente da APOGLBT, SP Renato Viterbo, por sua vez enviou uma mensagem de retratação para o GAY BLOG BR acerca de sua declaração:

Gostaria de solicitar uma gentileza, peço que colocasse uma errata na matéria por mim cedida a você, na fala onde me refiro a Nany People sua participação na Feira da Diversidade e na Parada LGBT de São Paulo. Na verdade a Nanny é madrinha do Guia GLBTS, e não proprietária do Guia, e o Guia é distribuído de forma gratuita a todos os participantes da Feira da Diversidade. Desde já agradeço e me coloco a disposição”.

Mirene Iraci da Silva e Carla Cristina de Camargo, que são da empresa C&M editora criação e arte Ltda, dentre outros produtos, editam o Guia LGBTS Classificados. Em contato com o GAY BLOG BR, para fins de esclarecimento, Mirene declarou:

“A Nany é a madrinha do Guia há mais de dez anos e, como a gente tem essa amizade e esse comprometimento há mais de dez anos, então a gente tem uma transparência muito grande para lidar, então tenho certeza que a Nany já falou tudo como deve ser. O Guia não é vendido, é distribuição gratuita e ela não tem absolutamente nada a ver com o Guia, quem coloca o Guia na feira é a C&M editora, é a nossa empresa. E distribuímos gratuitamente o Guia na qual a Nany é madrinha, é só isso. Inclusive, a feira não é o único evento, a gente faz a distribuição em mais de 20 eventos para distribuí-lo, então não tem ligação nenhuma tá, não existe associação da pessoa da Nany em relação ao stand na feira e nem na Parada”.

PARADA VIRTUAL

Em conversa por telefone, ao ser perguntada sobra a edição online do evento, Nany não poupou críticas a Parada Virtual, afirmando que os apresentadores/youtubers da “new generation” só foram convidados para atrair seguidores, sem ter conhecimento acerca da história do movimento gay.

Kaká di Polly: “Duvido que vocês publiquem esta entrevista na íntegra”

Google Notícias