Com tratamento, é possível uma quantidade indetectável de vírus HIV

Especialista da BP - A Beneficência Portuguesa de São Paulo explica que a adesão ao tratamento é fundamental para a qualidade de vida

Embora ainda não tenha cura, é possível manter a qualidade de vida mesmo convivendo com o HIV. Para isso é fundamental receber um diagnóstico precoce e fazer o tratamento de maneira correta e ininterrupta.

“No âmbito do tratamento, o HIV já se igualou a doenças crônicas como o diabetes, hipertensão e colesterol, pois os medicamentos já são mais eficazes, com poucos efeitos colaterais e fáceis de administrar”, afirma João Prats, infectologista da BP – A Beneficência Portuguesa de São Paulo.

Para se manter a qualidade de vida, é fundamental que o paciente se comprometa com o tratamento e seja acompanhado por um médico. Além disso, ele precisará tomar as medicações corretamente, pois o uso irregular dos antirretrovirais faz com que o vírus se torne mais resistente, dificultando o controle da carga viral.

Tratamento contínuo

Os antirretrovirais impedem a multiplicação do vírus e fortalecem o sistema imunológico. “O objetivo do tratamento é fazer com que o paciente fique com uma quantidade indetectável de vírus no sangue, igual àquela apresentada por pessoas que não vivem com o HIV” explica o médico da BP.

Por outro lado, o infectologista reforça que a carga viral indetectável no sangue não significa cura ou mesmo que seja possível abandonar o tratamento. “O vírus ficará adormecido e se o paciente parar de tomar os remédios o HIV volta a se proliferar, levando ao adoecimento, que é o que chamamos de Aids, a síndrome da imunodeficiência adquirida” alerta o especialista. “O paciente que vive com HIV pode ter uma vida absolutamente normal. Ele poderá estudar, trabalhar, praticar esportes e fazer todas as outras coisas do cotidiano, desde que não abandone o tratamento”, conclui o médico.

Sobre a BP – A Beneficência Portuguesa de São Paulo

A Beneficência Portuguesa de São Paulo agora é BP. Composto por 4 hospitais com foco em alta complexidade e que atendem diferentes perfis de clientes e outros 3 serviços que contemplam medicina diagnóstica, atendimento ambulatorial e educação e pesquisa, a BP compreende mais de 220 mil m² construídos, 7.500 colaboradores e 4.500 médicos distribuídos em 8 edifícios e cerca de 50 clínicas nos bairros da Bela Vista, onde são concentrados os serviços privados, e da Penha, onde são oferecidos os serviços para clientes regulados pelo Sistema Único de Saúde (SUS).

O polo de saúde é composto pelo Hospital BP, referência em casos de alta complexidade, pronto-socorro geral e corpo clínico especializado para clientes de planos de saúde e particulares; pelo BP Mirante, hospital que oferece um corpo clínico renomado, pronto atendimento privativo, hotelaria personalizada e cuidado intimista para clientes particulares e de planos de saúde premium; pelo BP Essencial, hospital que tem foco na qualidade assistencial e oferece acomodações compartilhadas para clientes de planos de saúde básicos e particulares; pelo BP Hospital Filantrópico, que oferece cuidado humanizado e eficaz para clientes regulados pelo Sistema Único de Saúde (SUS); pela BP Medicina Diagnóstica, um completo e atualizado centro de diagnósticos e de terapias, que oferece exames laboratoriais, de imagem, métodos gráficos e de todas as outras especialidades diagnósticas; pelo BP Vital, um conjunto de iniciativas da BP com foco em promoção de saúde por meio do cuidado integral, num um olhar atento e acolhedor da instituição para fora dos seus muros, contribuindo para a melhoria das condições de saúde da população como um todo; e pela BP Educação e Pesquisa, tradicional formadora de profissionais de saúde que capacita profissionais por meio de cursos técnicos e de pós-graduação, residência médica, eventos científicos e é responsável por gerenciar mais de 100 estudos e pesquisas na área da saúde com o intuito de contribuir para a evolução da Medicina no País.