Médica americana que fez mais de mil cirurgias trans palestra no Brasil

A médica trans Marci Bowers já foi homenageada como uma das 100 pessoas LGBT mais influentes na Lista de Poder do Orgulho Mundial do jornal The Guardian

Mulher, ginecologista, cirurgiã e trans. A norte-americana Marci Bowers é pioneira na prática cirúrgica de Reatribuição Genital. Nesta sexta-feira, 17, ela chega ao Brasil para participar do tradicional Encontro de Atualização em PTGI e Colposcopia. Promovido pela Associação Brasileira de Patologia do Trato Genital Inferior e Colposcopia (ABPTGIC), o evento acontece no Centro de Convenções Rebouças, em São Paulo.

Marci Bowers trans
BEVERLY HILLS, CA – APRIL 01: Dr. Marci Bowers attends the 28th Annual GLAAD Media Awards at The Beverly Hilton Hotel on April 1, 2017 in Beverly Hills, California. (Photo by David Livingston/Getty Images)

A médica, que teve sua transição entre 1996 e 1998, é a primeira mulher que, simultaneamente, realiza cirurgias transgênero e passou por uma. Tem se dedicado, desde 2003, à realização de vaginoplastias em seu consultório.  Profissional competente e de excelência, Marci traz em seu currículo uma série de prêmios e títulos que a fazem ter reconhecimento a nível internacional. Entre eles, o de primeira cirurgiã norte-americana a aprender a técnica de restauração funcional do clitóris após mutilação genital feminina.

Atuante em Burlingame, Califórnia, ela já figurou, nos anos 2000, entre os melhores médicos norte-americanos  em uma eleição do Conselho de Pesquisa Americano. Em sua vida pessoal, já foi homenageada como uma das 100 pessoas LGBT mais influentes na Lista de Poder do Orgulho Mundial do jornal The Guardian.

Durante sua palestra, na 29ª edição do Encontro de Atualização em PTGI e Colposcopia, irá testemunhar, como paciente e profissional de referência no assunto, sobre a cirurgia transgênero. Ainda, instruirá os ginecologistas presentes a como receber e tratar uma mulher trans devidamente.

Mais informações: http://colposcopia.org.br/

SOBRE O ENCONTRO DE ATUALIZAÇÃO EM PTGI E COLPOSCOPIA

O tradicional Encontro de Atualização em PTGI e Colposcopia chega à 29° edição. Promovido pela Associação Brasileira de Patologia do Trato Genital Inferior e Colposcopia (ABPTGIC), acontece de 15 a 18 de maio, no Centro de Convenções Rebouças, na cidade de São Paulo.

Dedicado aos ginecologistas da capital paulista e região, tem programação densa. A audiência terá contato informações sobre novas tecnologias diagnósticas e terapêuticas das lesões genitais e atrofia vaginal como laser, radiofrequência não ablativa e fracionada. Além disso, o Encontro de Atualização apresentará conhecimentos básicos para aqueles que estão em preparação para a prova de Qualificação em PTGI e Colposcopia.

Haverá a participação de especialistas renomados no cenário nacional e internacional. Destaque para a médica americana Marci Bowers, pioneira na prática cirúrgica de Reatribuição Genital. Atuante em Burlingame, na Califórnia, ela visita o Brasil pela primeira vez com a missão de levantar a discussão sobre Transexualidade.

Marci conquistou reconhecimento e diversos prêmios durante a sua trajetória. É a primeira mulher que, simultaneamente, tem uma história pessoal e realiza cirurgias trans. Ela também carrega o título de primeira cirurgiã americana a aprender a técnica de restauração funcional do clitóris após mutilação genital feminina.

Dedicada à ginecologia, ocupa espaços em vários programas populares dos Estados Unidos e já foi homenageada como uma das 100 pessoas LGBT mais influentes na Lista de Poder do Orgulho Mundial do jornal The Guardian.

De acordo com a presidente da Associação Brasileira de Patologia do Trato Genital Inferior e Colposcopia – Capítulo São Paulo, Marcia Fuzaro Terra Cardial, é essencial que o tema seja introduzido ao ginecologista, para que possa tratar dessas pacientes com o mesmo carinho e competência. “No tangente ao tratamento global desta paciente, além de prevenção de câncer de mama e genital, é necessário que também consulte o urologista para a prevenção do câncer de próstata”.

Comente