GAY BLOG BR by SCRUFF

Segundo uma reportagem do britânico The Guardian feita com trans do Rio de Janeiro (via Universa), muitas que trabalham como profissionais do sexo não pararam com as atividades, dizendo que a realidade tem sido muito difícil desde que a pandemia do coronavírus chegou.

“É realmente difícil, porque quase não há ninguém na rua.” – diz Stefany Gonçalves (26), nascida no Espírito Santo – “Eu trabalho como prostituta, então o que acontece? É terrível. Ainda saio, ainda faço sexo, porque se não fizer, vou morrer de fome”. Ela também comenta que, por estar no grupo de risco, procura ficar mais em casa.

Foto: Reprodução

Ela recebe o pagamento do auxílio emergencial do governo no valor de R$ 600 e também diz estar recebendo alguma ajuda das pessoas durante o período da quarentena.

“Graças a Deus, há pessoas que veem isso. Eu ganhei uma doação básica de alimentos. Há pessoas que estão fazendo um pouco.”

Já a paraibana Elba Tavares (44), mora no Rio de Janeiro há 20. Ela diz que não vive mais da prostituição, mas que ainda vende o corpo dela.

“Você pode ver como é: ruas vazias, lojas fechadas, a economia decadente. Existem muito poucos clientes”.

“Como estou sobrevivendo? Bem, você pode ver”, diz Elba. “Eu recebo um pouco do governo, mas não é muito. Às vezes, posso ficar na casa de alguns amigos”.

“Este é um país semidesenvolvido. O que é mais desenvolvido aqui são o crime e a corrupção. E quando o governo não vale nada, nada mais vale”, afirma.

A Casa Nem, abrigo para LGBTQIA+ em Copacabana, está distribuindo cestas básicas para pessoas trans e outras vulneráveis, além de distribuir máscaras faciais para mulheres trans que trabalham em casa, vindo de uma parceria com o grupo Capacitrans.

Indianare viveu a AIDS nos anos oitenta e disse que, na época, muitos “deram as costas” aos LGBTs.” Foto: Reprodução

A fundadora do abrigo, ativista trans do Rio de Janeiro e ex-prostituta Indianare Siqueira, bloqueou o lugar no dia 13 de março quando o coronavírus começou a se espalhar pela Europa.

“Eu tive a experiência da Aids [nos anos oitenta] e sabia que isso [coronavírus] poderia chegar ao Brasil”.

A ativista também acredita que a violência contra as pessoas trans aumentaram desde a eleição de Jair Bolsonaro.

“Esse isolamento social pelo qual a sociedade está passando é o que as pessoas LGBT e especialmente os travestis e transexuais sempre viveram. Espero que as pessoas aprendam com isso”.

Junte-se à nossa comunidade

Mais de 20 milhões de homens gays e bissexuais no mundo inteiro usam o aplicativo SCRUFF para fazer amizades e marcar encontros. Saiba quais são melhores festas, festivais eventos e paradas LGBTQIA+ na aba "Explorar" do app. Seja um embaixador do SCRUFF Venture e ajude com dicas os visitantes da sua cidade. E sim, desfrute de mais de 30 recursos extras com o SCRUFF Pro. Faça download gratuito do SCRUFF aqui.

Jornalista formado pela PUC do Rio de Janeiro, dedicou sua vida a falar sobre cultura nerd/geek. Gay desde que se entende por gente, sempre teve desejo de trabalhar com o público LGBT+ e crê que a informação é a a melhor arma contra qualquer tipo de "fobia"