Segundo um artigo publicado pelo Sintrajud no último dia 30 de junho, houve uma série de comentários homofóbicos relacionados ao post do Tribunal Regional do Trabalho feito para celebrar o Dia do Orgulho LGBTI.

GAY BLOG BR by SCRUFF

“Em um post que divulga a legislação existente no país contra discriminações no mundo do trabalho – que frequentemente chegam ao Judiciário -, o TRT-2 foi questionado porque estaria a ‘propagar a agenda marxista’, ‘privilegiando’ segmentos sociais, promovendo ‘desrespeito ao princípio da imparcialidade’, entre outras manifestações de discriminação e ódio.”

Um estudo realizado pelo LinkedIn com mais de 100 mil profissionais LGBTI+ revelou que 35% já sofreu algum tipo de discriminação velada ou direta.

“E para as pessoas transgêneros, a dificuldade de encontrar ou se manter no emprego é ainda maior – 90% deles acabam recorrendo à prostituição, segundo levantamento da Associação Nacional de Travestis e Transexuais (Antra).”

Reprodução

O mesmo estudo também comprova que 60% das pessoas LGBTs escondem a orientação sexual no trabalho para não enfrentarem preconceitos e discriminação.

“Os avanços no reconhecimento dos direitos das pessoas LGBTQI+ sempre dependeram de luta e de conquistas de espaços. Para quem não sente o preconceito na pele, é fácil colocar como uma pauta estranha, mas enquanto todos os nossos direitos, inclusive os mais básicos, não forem efetivados a todas e todos, é um dever nosso e das instituições trazer à mesa o debate e confrontar as situações que decorrem da lgbtfobia, do racismo, do machismo, e de qualquer tipo de preconceito. E quem acha que esse debate está fora de lugar, em qualquer lugar, é quem mais precisa dele”, ressalta Fabiano dos Santos. Dirigente do Sintrajud e da Fenajufe, Fabiano é trabalhador do TRT-2.

O artigo do Tribunal Regional do Trabalho também esclarece que qualquer pessoa que se sentir discriminada ou assediada em ambiente de trabalho deve imediatamente recorrer ao RH ou à ouvidoria da empresa.

“Se não for o suficiente, procure o seu sindicato e a Justiça do Trabalho” – e por fim, eles reforçam o compromisso com a luta dos LGBTs – “A diretoria do Sintrajud saúda a luta LGBT e seguirá atuando para que todos os tribunais desenvolvam políticas de combate às discriminações.”

Comentário homofóbico em redes sociais passa a ser crime

Junte-se à nossa comunidade

O app SCRUFF está disponibilizando gratuitamente a assinatura PRO no Brasil, com todas as funcionalidades premium. Seja Embaixador SCRUFF Venture para ajudar os gays que estão visitando sua cidade. Tenha uma agenda atualizada das melhores festas, paradas, festivais e eventos. São mais de 15 milhões de usuários no mundo todo; baixe o app SCRUFF diretamente deste link.

Jornalista formado pela PUC do Rio de Janeiro, dedicou sua vida a falar sobre cultura nerd/geek. Gay desde que se entende por gente, sempre teve um desejo de trabalhar com o público LGBT+ e crê que a informação é a melhor arma contra qualquer tipo de "fobia".