GAY BLOG BR by SCRUFF

Mesmo com a proibição do projeto de lei que pretendia proibir a representação de pessoas LGBTQIA+ e famílias homoafetivas na publicidade no estado de São Paulo, estados como Ceará, Espírito Santo e Pernambuco decidiriam realizar propostas semelhantes.

A deputada estadual Erica Malunguinho (PSOL-SP), que lidera a oposição a esse projeto de lei em São Paulo, concedeu uma entrevista ao Universa dizendo que as medidas refletem a perseguição da sociedade perante os LGBTQIA+.

“As pessoas que elaboram este e outros projetos semelhantes olham para pessoas LGBTQIA+ e associam elas a coisas ruins e negativas”, diz Malunguinho, acrescentando que seu gabinete está entrando em contato com parlamentares dos estados onde o PL foi replicado.

“Essas propostas utilizam expressões como ‘ideologia de gênero’, um conceito pejorativo usado pelo campo ultraconservador contra os avanços nos direitos sexuais e reprodutivos e na igualdade de gênero. Os autores costumam se referir à ‘ideologia de gênero’ como ameaça à sociedade e usam o conceito de ‘família’ para impor uma agenda política” – explica Malunguinho.

Vereadores de outros estados tentam copiar projeto que proíbe publicidade com LGBTs
Reprodução

RELEMBRE O CASO

No dia 28 de abril, entrou para votação na assembleia Legislativa do Estado de São Paulo o projeto de lei nº 504, que tentava proibir peças publicitárias com LGBTs em qualquer veículo de comunicação. A autora do projeto argumentava que publicidade com a diversidade trazia “desconforto emocional a inúmeras famílias”.

Após pressão e repúdio proveniente de sociedade civil, entidades como escritórios de advocacia, emissoras de TV, agências de publicidade e marcas como a Coca-Cola, Mastercard, Brastemp, a Alesp (Assembleia Legislativa do Estado de São Paulo) acaba de decidir que o projeto de lei 504/2020 voltará às comissões da casa para ser analisado novamente.

Realizada por meio de videoconferência, a sessão foi tumultuada pela dificuldade que alguns parlamentares tiveram para se conectar nos primeiros minutos. Os deputados aprovaram uma emenda que pretende alterar o teor do projeto. A emenda, articulada na oposição e apresentada pela deputada Érica Malunguinho, propõe que em vez de proibir propaganda com alusão à diversidade sexual, a lei proíba “material que contenha alusão a drogas, sexo e violências explícitas relacionada a crianças”.

Quase toda a bancada do PSDB apoiou a emenda. Na prática, significa que o projeto de autoria de Marta Costa, do PSD, que é ligada à Assembleia de Deus e é filha do Pastor José Wellington Bezerra da Costa, voltará à estaca zero e sofrerá grandes modificações. Marta Costa (PSD), autora do projeto LGBTfóbico, reclamou por não ter conseguido se pronunciar:

“Eu não sei nem que horas posso falar para não aceitarem a emenda, porque ela está desfigurando o projeto”, disse a deputada. A essa altura, a emenda já tinha assinaturas suficientes para ser aprovada. “Não consegui me conectar, então não consegui (falar)”, completou. Continue lendo.

Junte-se à nossa comunidade

O app SCRUFF está disponibilizando gratuitamente a assinatura PRO no Brasil, com todas as funcionalidades premium. Seja Embaixador SCRUFF Venture para ajudar os LGBTs que estão visitando sua cidade. Tenha uma agenda atualizada das melhores festas, paradas, festivais e eventos. São mais de 15 milhões de usuários no mundo todo; baixe o app SCRUFF diretamente deste link.

Jornalista formado pela PUC do Rio de Janeiro, dedicou sua vida a falar sobre cultura nerd/geek. Gay desde que se entende por gente, sempre teve desejo de trabalhar com o público LGBT+ e crê que a informação é a a melhor arma contra qualquer tipo de "fobia"