13.8 C
São Paulo
terça-feira, 22 setembro 2020
Loja das Pocs
ONLINE Demønios (2019)

Demønios (2019)

O espetáculo Demønios foi performado pelo Teatro da Pombagira

Co-produzido pelo Laboratório de Práticas Performativas da USP, Demønios é um híbrido de dança, performance e teatro físico que traz uma reflexão cênica sobre três perigos que rondam o universo homoerótico contemporâneo: a lógica consumo-descarte do sistema socioeconômico; a melancolia e os transtornos psíquicos como sintomas da falência do sujeito; e o neofascismo conservador que avança de forma cada vez mais assustadora. Após Anatomia do Fauno, vimos novos caminhos para resgatar mitologias e trazê­-las para a atualida­de em um novo espetáculo performativo calcado na visceralidade, violência e sexualidade explícita como exercício de catarse, libertação dos confinamentos sociais e afirmação das potências do corpo.

A performance é divi­dida em três atos, cada um identificado por uma cor. O ato verme­lho simboliza a crít­ica aos processos de consumo e descarte, é a parte em que são abordad­os os aspectos de po­sse nos relacionamen­tos amorosos, a viol­ência e a fetichizaç­ão dos armamentos bé­licos e, por sua vez, as guerras, virtua­lidades e frieza nas relações sociais e rotinas do sistema de trabalho e automat­ismos cotidianos. O ato preto é o mais melancólico e abiss­al, com apelo mental e subjetivo, trata de temas como depres­são, suicídio, estig­mas, doenças e solid­ão. Por fim, o ato branco retrata os tempos de emergente conservadorismo e o neofascismo encruado na sociedade, ativid­ades de higienização contra minorias que antes eram ocultas e hoje têm vo­z, simbolizando a ameaça ideológica destruidora sobre os avanços sociais das últimas déca­das.

A trilha sonora foi concebida pa­ra proporcionar uma experiência auditiva íntima, em que cada espectador escuta a trilha e os sons ao vivo em um fone de ouvido dedicado. A trilha original, feita a partir da captação dos sons dos atuadores e dos ensaios recriados, sampleados e transformados numa dramaturgia sonora performativa, é composta e mixada no sistema binaural que, juntame­nte com a filtragem de frequências, perm­ite ao público deter­minar a direção da origem dos sons.

A cenografia também segue o mesmo princ­ípio e cria três vis­ualidades baseadas em um radical exercíc­io cromático, desdobrando no­vas leituras a partir do uso das cores e texturas. Dessa man­eira, no primeiro ato temos cenografia, figurinos e adereços totalmente na cor vermelha e objetos pl­ásticos e sintéticos, associados à dinâmica do consumo e descarte. No segundo ato, tudo se transforma em preto, refletindo as an­gústias e sentimentos sombrios da depres­são. E a cor branca dese­nha todo o último at­o, traduzindo a higienização no conservadorismo radi­cal de nossos tempos.

Direção:  Marcelo D’Avilla e Marcelo Denny
Elenco: Renato Teixeira, Mateus Rodrigues, Zen Damasceno, Marcelo D’Avilla, Walmir Bess, Wesley Lima, Lua Negrão, Breno Andreata, Andres Vallejos, Hugo, Snoo, Ricardo Mesquita, Andrew Tassinari, Victor Rosas e Promiskua
Trilha sonora: Renato Navarro
Supervisão coreográfica: Marcelo D’Avilla
Direção de arte: Marcelo Denny
Direção de produção: Priscilla Toscano – P.I.C.A. Produtora (Performance, Intervenção, Cidade e Arte)
Produção executiva: Denise Fujimoto e Marcelo D’Avilla
Cenografia: Denise Fujimoto, Marcelo Denny, Gabriel Prado e Guilherme Rodrigues Assistente de cenografia Set design assistant: Dalmir Rogério Pereira
Próteses e máscaras: Igor Alexandre Martins e Felipe Chianca
Cenotécnicos: Nilton Ruiz Dias e Juliano Tramujas
Máscaras: Gustavo Machado e Marcelo Denny
Figurino: Matheus Milanelli
Assistente de figurino: Nanci Abade
Costureiras: Ray Lopes e Maria Estela
Desenho de luz: Iluminador
Associado: Quinho Gonça
Contrarregragem: Marcos Júnior Valadão, Franklin Almeida, Hugo Carvalho e Victor Rosas Projeto visual: WIRU
Designers gráficos: Will Olvr, Gabriela D’Avilla e Yuri Rios
Fotografia: Chico Castro, Fabrício Augusto FAF e Rick Barneschi
Assessoria de imprensa: Manuella Tavares – 222 Comunicação
Mídias sociais e comunicação: Eduardo Araújo – Estrondo

Piscina (2016)

INRITADO (2019)