“O preconceito se satisfaz através de equívocos”

Breno Rosostolato, psicólogo, educador e terapeuta sexual, terapeuta de casais e professor da Faculdade Santa Marcelina disserta sobre o tema

Por Breno Rosostolato

Quando pensamos em preconceito devemos subdividi-lo, porque pensar nele é admitir que existem muitos preconceitos. Pensar nestas divisões é admitir a ideia de pré-conceito, ou seja, uma formulação antecipada, julgadora e precipitada sobre uma ideia e concepção (do latim conseptus, que se refere à construção ideal do ser ou de objetos).

Ao antecipar-se ao real, sem se aprofundar e conhecer as questões envolvidas, o preconceituoso constrói-se a partir de seu individualismo narcísico, uma solidão embrutecida, e que não busca compreender. Distorce aquilo que não reconhece como pertencente a ele, na prepotência de quem acha que possui o poder e o saber necessário para a existência.

O preconceito torna-se verbo na ação de ignorar as diferenças, de não aceitar o outro e, portanto, incapaz de olhar-se no espelho. Ao contrário, o incompleto lhe é o bastante. O empobrecimento do preconceituoso cria raízes na mentira, na raiva e no ódio.

Satisfação

O preconceito não busca aprofundamentos e se satisfaz através de equívocos. Reproduz violência e cria seguidores. Exemplos desta lógica são visíveis em passagens históricas, desde a formação da família, que insiste em manter-se tradicional, nuclear. Infelizmente, identificamos outras manifestações preconceituosas e sustentadas por uma cultura do ódio: violências raciais, injustiças e ressentimentos sociais, a opressão contra a mulher, divisões políticas e classistas, censura de identidades, assassinatos ‘da’ e ‘na’ diversidade.

Permanecer preconceituoso num universo de informações, de possibilidades de estudar o assunto, romper com estruturas atravancadas de um passado que deveria ensinar e não continuar perpetuando-se é naquilo que Hannah Arendt (filósofa alemã, 1906-1975) denominou como “banalidade do mal”. O mal e a violência são naturalizados e passam a ser comuns.

Para entendermos melhor esta diferença entre natural e comum, basta confrontar o próprio preconceito, que nos fornece uma dialética. Uma relação homoafetiva é natural, mas não é comum, dado que, a violência projetada aos gays chega ao absurdo em alguns países: de ser considerado crime, passível de condenação à morte.

Direitos

Uma mulher ter os mesmos direitos de um homem, desfrutar de liberdade de opiniões, escolhas, respeito à sua dignidade, ao seu desejo e ao próprio corpo, é natural, mas não é comum. Neste caso, além de não ser natural, nem um pouco comum, tanto que a violência que elas sofrem acontece pelo fato de serem mulheres. Vejamos os altos índices de feminicídio.

Banalizamos nosso desprezo ao outro através dos discursos, e geralmente, o preconceito para ter voz precisa se agrupar, encontrar outros que compartilham de seu ódio para, assim, silenciar aqueles não seguem as normas. As mesmas normas que, pasme, escravizam os mesmos preconceituosos, e produzem repetições. O preconceito de ontem não é muito diferente do de hoje. O que existe atualmente são mais questionamentos, confrontações, debates e movimentos dispostos a encorajar as pessoas a sair do ostracismo. Hoje desnuda-se o que até então era arbitrário e impositivo.

Por isso que a educação torna-se uma ameaça. Porque revela a verdadeira face da ignorância. A educação é democrática e se posiciona politicamente. Já o preconceito, se alimenta do medo e da insegurança. Por isso, não devolva violência ao agressor. Use o que talvez exista de mais acolhedor, o diálogo.

Breno Rosostolato, psicólogo, educador e terapeuta sexual, terapeuta de casais e professor da Faculdade Santa Marcelina disserta sobre o tema
Breno Rosostolato. Divulgação

Breno Rosostolato, psicólogo, educador e terapeuta sexual, terapeuta de casais e professor da Faculdade Santa Marcelina