Curta-metragem do artista trans Kit Redstone tem première esta sexta

Cinetrupe lança curta-metragem 'Vinde como estais', filme do artista trans Kit Redstone, em evento da Academia Internacional de Cinema

Diretor, escritor e performer teatral, Kit Redstone, homem transgênero radicado em Londres, veio em novembro de 2018 ao Rio de Janeiro para participar do Festival Mulheres do Mundo. A passagem do artista pela cidade, além da participação no evento, tinha também o objetivo de produzir uma peça teatral com atores transexuais brasileiros.

O artista trans Kit Redstone Foto: Divulgação
O artista britânico Kit Redstone Foto: Divulgação

O filme ‘Vinde como estais’ percorre o processo de criação e execução dessa peça teatral no Rio e permite que o público conheça estas atrizes e atores e suas perspectivas sobre como é ser LGBTQI+ e artista em um cenário apocalíptico para as minorias sociais e produtores de cultura no país.

Assista ao trailer:

O documentário tem roteiro e direção de Rafael Ribeiro com co-direção de Galba Gogoia. A primeira apresentação do curta-metragem acontece na sexta, dia 14 de junho, no Cineclube Latitudes, na Academia Internacional de Cinema, às 18h com exibição conjunta com Ilha (Melhor Roteiro, Ator e Troféu Zózimo Bulbul no Festival de Brasília e Melhor Filme na Mostra Novos Rumos do Festival do Rio).

SERVIÇO:

Première de “Vinde como estais”
Sexta-feira, 14 de junho às 18h
Cineclube Latitudes
AIC – Academia Internacional de Cinema
Rua Martins Ferreira, 77 – Botafogo – Rio de Janeiro, RJ

SOBRE OS DIRETORES

Rafael Ribeiro: Formado em Cinema e mestrando em Comunicação pela UFF, onde desenvolve pesquisa voltada para estudos de gênero, música e cultura drag. Nascido e criado no Cachambi, bairro da zona norte do Rio de Janeiro, foi produtor executivo do documentário MC Carol 100% Feminista, vencedor do prêmio Elipse 2018. Além disso, possui 5 curtas metragens como diretor e roteirista: Descompasso (2010), Emergir (2013), A Filha do Homem (2014), Invasão Drag (2018) e Vinde a mim como Estas (2019). Seus temas possuem temática LGBTQI+ e já foram exibidos em festivais nacionais e internacionais, possuindo diversos prêmios por seus trabalhos.

Galba Gogóia: Cineasta pernambucana, atriz, travesti e militante do movimento LGBTQI+. Jéssika, seu primeiro filme como diretora, esteve em festivais como Mostra de Tiradentes e Festival do Rio.

FICHA TÉCNICA: Vinde como estais

Curta Metragem
Ano de Produção: 2019
Duração: 17 minutos
Gênero: Documentário
Suporte de Captação: Ultra HD/digital
Suporte de Exibição: Digital
Formato de Projeção: 16:9
Cor: Cor
Tipo de Som: Wav Stereo
EMAIL DE CONTATO: contato@cinetrupe.com

DIREÇÃO: Rafael Ribeiro e Galba Gogóia
ROTEIRO: Rafael Ribeiro
PRODUÇÃO EXECUTIVA: Beto Waite, Diego Tavares, Rafael Ribeiro, Thiago Tavares e Veridiana Cardoso
PRODUÇÃO: Veridiana Cardoso e Karine Amenta
FOTOGRAFIA: Otávio Schocair
SOM DIRETO: Beto Waite
MONTAGEM: Rafael Ribeiro
COLORISTA: Musta Juli
ASSISTENTE DE DIREÇÃO: Fernanda Florentino Lima
ASSISTENTE DE PRODUÇÃO: Maria Luísa Rodrigues
ASSISTENTES DE FOTOGRAFIA: Mallu Correa, Tatiana Delgado e Bruno Ronsini
ASSISTENTES DE SOM: Carol Latch e Tiago Pierre
IMAGENS WOW FESTIVAL: Beto Waite
VIDEO-ARTE: Tauane Luzes
APOIO: Filmes do Zé, Cazota Filmes e Transarte
ELENCO: Kit Redstone, Kaique Theodoro, Kethelleen Cajueiro, Ralph Duccini, Rebeca Blando, Vanessa Alves
MÚSICA: ‘Ir Contramão, Ser Contração’
Criação e performance: Pedro Drumond
‘Nas Costas dos Olhos’ – Criação e performance: Pedro Drumond
‘Tidal Wave’ – Criação e performance: Silent Partner
‘Roxy Music’ – Criação: Jonaz Sampaio e Léo BreedLove
Performance: Verônica Decide Morrer

SOBRE A CINETRUPE

A Cinetrupe é uma produtora cultural composta por profissionais de áreas diversas. O que nos move é a possibilidade de construir projetos, contar histórias que revelem um mundo que por muito tempo foi considerado periférico, mas que para a Cinetrupe é ouro puro. Esse é nosso maior diferencial. Nessa busca, entramos em contato com os diferentes modelos e propostas que enriquecem nossa empresa e nossa trupe. Os modelos são muitos e estamos abertos a todos eles. Nossa meta é cada vez mais revelar culturas, contar histórias que consideramos importantes, na busca de obras que possuam potencial de comunicação com o público e não estejam engessados em moldes hegemônicos. A Cinetrupe olha pro outro lado. E a vista é linda.

Os projetos realizados pela produtora são: Todas as Coisas São uma Metáfora Sobre a Morte (2015), ficção, premiado como melhor filme no Festival Visões Periféricas. O Sabiá do Samba (2016), documentário sobre o último fundador vivo da escola de samba carioca Acadêmicos do Salgueiro, Juventude Coletiva (2017), documentário sobre coletivos de jovens nas periferias do estado do Rio de Janeiro, vencedor do edital de fomento Sala de Notícias do Canal Futura e exibido no canal em 2017. Invasão Drag (2019), documentário produzido com o fomento da Secretaria de Cultura do Estado do Rio de Janeiro através do edital Territórios Culturais, exibido na mostra Novos Rumos do Festival do Rio 2018 e premiado em festivais pelo Brasil.

Comente