Da favela carioca para o mundo, a brasileira Olga Maria de Souza hitou nos anos 90 com o nome artístico Corona, do italiano “coroa”. A faixa “Rhythm of The Night” figurou em primeiro lugar durante 16 semanas consecutivas nos charts da Itália. Chegou também à primeira posição na Espanha, Portugal, Grécia e Romênia. No Reino Unido, a canção ficou no segundo lugar da parada principal por um mês. No verão de 1994 a canção dominou os Estados Unidos, atingindo a posição #11 da Billboard Hot 100.

Durante a infância, OlgaCorona” Maria de Souza morou em Vigário Geral, comunidade pobre do Rio de Janeiro. Filha de um músico e uma cozinheira apaixonada por cantar, na adolescência trabalhou como balconista, vendedora, caixa de supermercado e até prestou concursos. Eventualmente, já com a ideia de sair do Brasil, Olga encontrou Pelé em uma casa noturna e perguntou: “Onde você acha legal de se morar, Estados Unidos ou Europa?”. Na época, Pelé respondeu “Itália”.

No começo dos anos 90, Olga então foi morar um tempo nos EUA, depois se mudou para a Espanha e foi para a Itália. Algum tempo depois em terras italianas, foi descoberta por um produtor, colocando-a como frontwoman da banda de eurodance Corona, que eventualmente passou a ser o nome artístico dela.

Curiosamente, a música pela qual ela é conhecida não é cantada por ela, mas sim pela cantora italiana Giovanna Bersola, conhecida como Jenny B. A Corona apenas dublou e performou no clipe. Já alguns outros sucessos como Baby Baby e Try Me Out são cantadas por ela mesmo.

Em 1998, Corona lançou o segundo álbum, “Walking On Music”, debutando no número um da parada de álbuns da Itália e chegou à Billboard 200, vendendo cerca de 4 milhões de cópias até 2001. Em 2001, foi lançado o terceiro álbum, de R&B, intitulado “And Me U”. O último trabalho de estúdio foi lançado em 2010, “Y Generation”.

Após mais de vinte anos morando na Europa, a cantora decidiu voltar ao Brasil em 2013 e está morando em São Paulos junto de seu marido italiano Gianluca Milano.

“Bateu saudade dos cheiros, das cores, da alegria. Queria renovar meu look e minha música e pensei: por que não fazer isso no Brasil?” disse em entrevista ao EGO, do O GLOBO.

Foto: Reprodução

Espera, Corona aproveitou o auge da sua carreira durante os anos noventa para fazer seu pé-de-meia: “Sei que a vida não será sempre ‘The Rhythm of the Night’. Mas meu marido me ensinou a economizar. Sou muito gastona, às vezes compro sapatos e bolsas e escondo na garagem para não levar bronca. Coloco talco para fingir que é poeira”.

View this post on Instagram

Já no mood da #Corona aqui, e por aí?

A post shared by GAY BLOG BR (@gayblogbr) on

Hoje, Corona está com 51 anos e tem uma fortuna avaliada em 10 milhões de euros. E vários memes. Corona é super ativa no Instagram, sigam o ícone: @corona.olgadesouza

E vamos de lembranças:

Jornalista formado pela PUC do Rio de Janeiro, dedicou sua vida a falar sobre cultura nerd/geek. Gay desde que se entende por gente, sempre teve um desejo de trabalhar com o público LGBT+ e crê que a informação é a melhor arma contra qualquer tipo de "fobia".