This article is also available in: English Español

GAY BLOG BR by SCRUFF

Uma pesquisa realizada pela OnBuy, publicada no Metro UK, concluiu que 1 em cada 5 homens não muda de cueca todos os dias, enquanto 1 em cada 20 volta a vestir a mesma pelo menos cinco vezes. A pesquisa foi feita com 2.790 pessoas, sendo que 18% das mulheres também reutilizam as calcinhas.

22% dos homens e 20% das mulheres aproveitam a mesma peça íntima para usar novamente se não estiver cheirando mal e 29% dos homens e 30% das mulheres também reutilizam se eles veem que a peça não está visivelmente suja.

No entanto, o Dr.Nichola Cosgrove, especialista em cuidados com a pele, comenta ao Metro que é importante usar a cueca apenas uma vez devido as bactérias de nossos órgãos genitais, que não causam nenhum tipo de problema desde que a pessoa se lave regularmente e troque de roupa íntima logo após o uso.

“Obviamente, as bactérias se transferem ao longo do dia para nossa roupa íntima através do suor e também se você não se limpar corretamente ou suficientemente após ir ao banheiro” – diz Cosgrove “secreções corporais normais bem como material fecal podem ser transferidos para outras partes do corpo”.

Já o fundador e formulador chefe do R10 Labs Skincare, Kal Bulbul, também conversou com o Metro e endossou o discurso de Cosgrove, dizendo  que as bactérias em um número “padrão” são excelentes para a saúde, mas a falta de higiene pode acabar aumentando demais o número delas, e aí pode ser perigoso.

“Nosso corpo depende de micróbios benéficos para nos ajudar a manter a saúde também” – disse Bulbul” Quando as roupas estão em contato próximo com a pele, especialmente roupas íntimas, que estão em contato com nossa região íntima, podem acabar abrigando micróbios patogênicos que são prejudiciais à saúde humana (…) Se os micróbios patogênicos estiverem em número suficientemente alto, ou nosso sistema imunológico ou microbioma estiver comprometido, isso pode levar a infecções microbianas e causar várias doenças, como inflamação, abcessos e infecções do trato urinário, só para citar alguns”.

CÂNCER DE PÊNIS

Segundo Dr. Marcos Tobias, os principais fatores envolvidos na gênese da doença são as condições precárias de educação e higiene. No Brasil, os estados do Maranhão e Piauí são uma das maiores incidências de câncer de pênis do mundo, fazendo com que, alguns urologistas brasileiros sejam referência mundial no tratamento deste tipo de tumor.

Em contrapartida, como as condições de higiene e educação são melhores nos EUA e nos países europeus, a indigência desta doença lá é bem menor. Ainda segundo Dr. Marcos Tobias pesquisas estimam que entre 30 e 70% dos casos estejam ligados à presença do vírus do HPV. Neste sentido, uma vacinação na juventude de indivíduos do sexo masculino que ainda não tiveram contato com os subtipos causadores de tumor, poderia ter algum impacto na frequência do mesmo em populações de maior risco. Como o emprego da vacina para HPV tem pouco tempo de implantação, esta hipótese aguarda confirmação em estudos futuros.

COMO LAVAR

Guilherme Cury, do Moda Para Homens, dá a dica: “O melhor jeito, e o mais indicado, é voltar para os modos de antigamente e botar a mão na massa… Na hora de lavar sua cueca, use sabão de coco ou algum outro que seja mais puro (sem cremosidade, cores e produtos químicos). Esfregue bastante com as mãos (somente com as mãos, não use escova de forma alguma), enxague bem e coloque para secar no varal. Nada de colocar em máquina de secar ou de deixar no banheiro secndo, pois é um lugar muito úmido e que não bate muito vento (podendo ficar com o cheiro ruim)”, conta.

This article is also available in: English Español

Junte-se à nossa comunidade

O app SCRUFF está disponibilizando gratuitamente a assinatura PRO no Brasil, com todas as funcionalidades premium. Seja Embaixador SCRUFF Venture para ajudar os gays que estão visitando sua cidade. Tenha uma agenda atualizada das melhores festas, paradas, festivais e eventos. São mais de 15 milhões de usuários no mundo todo; baixe o app SCRUFF diretamente deste link.

Jornalista formado pela PUC do Rio de Janeiro, dedicou sua vida a falar sobre cultura nerd/geek. Gay desde que se entende por gente, sempre teve um desejo de trabalhar com o público LGBT+ e crê que a informação é a melhor arma contra qualquer tipo de "fobia".

1 COMENTÁRIO