GAY BLOG BR by SCRUFF

O 48 horas é um projeto que surgiu com a proposta de registrar os momentos que passam despercebidos da intimidade de homens. Através de imagem, o projeto conta, minuciosamente, realidades construídas durante vivências de 48 horas com cada rapaz.

A primeira edição está prevista para maio deste ano e conta a história de nove caras diferentes. Um deles é o Wanrley Cardoso, capixaba que vive em São Paulo. O moço, que é ator, já trabalhou nos eventos de terror do Playcenter e do Hopi Hari e se orgulha do sucesso de sua personagem Megan Necan, drag queen que abriu shows por todo Brasil de artistas do RuPaul’s Drag Race.

Wanrley Cardoso para 48 Horas. Foto: Marcus Pesavento
Wanrley Cardoso para 48 Horas. Foto: Marcus Pesavento

Como surgiu o convite para abrir os shows de Rupaul no Brasil?

Um amigo, Maycon Vasconcelos, me chamou para integrar o elenco da festa que ele criou na Bubu Lounge, a Katwalk. Eu nunca tinha feito nada relacionado a drag queen até então, foi uma experiência maravilhosa e libertadora, uma desconstrução pessoal. Logo em seguida, Maycon estava trabalhando na festa Podero$a, que iria as trazer drags do programa de RuPaul para o Brasil. Trixie Mattel, Katya, Laganja, Gia Gunn… E tive a honra de abrir os shows delas em São Paulo e no Rio de Janeiro, foi uma experiência maravilhosa.

Wanrley Cardoso para 48 Horas. Foto: Marcus Pesavento
Wanrley Cardoso para 48 Horas. Foto: Marcus Pesavento

Há um curso para desenvolver perucas? Como rolou você se profissionalizar e entrar no mercado? E o Brasil tem um bom mercado, é um nicho que dá grande retorno financeiro?

Meu primeiro trabalho na vida foi como cabeleireiro e, assim adquiri bagagem para trabalhar com perucas, elas estão na minha vida desde o teatro. Como já tinha experiência, sempre era contratado por agências para cuidar desse departamento. Foi uma demanda natural. Não só no brasil como no mundo, o mercado está muito grande. Com as lace wigs bombando nas celebridades, até quem não faz parte da classe artística está nessa onda. E como todo trabalho, é necessário se esmerar e fazer o diferencial para ter o reconhecimento financeiro que se deseja; esse mercado não se diferencia.

E trabalhar em ambientes de lazer, como as noites do Playcenter e Hopi Hari, dá pra aproveitar? Qual a situação mais legal/estranha que já aconteceu nesses trabalhos?

Foram experiências transformadoras e dá pra aproveitar sim! A interpretação é muito dinâmica e diferenciada dos palcos, fora amizades que construí para vida toda. Ficávamos o dia todo para a preparação de maquiagem, figurinos… Foi única a experiência no camarim com tantos artistas, muitas situações engraçadas e estranhas. Uma divertida, é que comemorávamos quando o susto dava certo e a pessoa até caia ou desmaiava com a situação (claro, depois do visitante levantar). Fora histórias de bastidores…

Ser observado por 48h foi uma experiência que trouxe quais aprendizados?

Eu nunca fui tímido, então não sou preso a pudores. Esse trabalho foi transformador pelo prisma da naturalidade. Eu só tinha que ser eu mesmo. Com o profissionalismo do fotógrafo e idealizador do projeto, Marcus Pesavento, tudo fluiu naturalmente. Eu sempre estive em frente às câmeras interpretando outra persona e, neste caso, era eu mesmo. Meu maior aprendizado é que eu também sou interessante e não necessariamente preciso de um personagem para mostrar algo.

E pra você, qual é o melhor e o pior da comunidade/cultura gay no Brasil?

São inúmeros pontos positivos e inúmeros negativos, como tudo nesta vida. Porém, o ponto que acho pertinente ressaltar, é a luta que artistas, ativistas, políticos, blogs LGBTQI+ estão encabeçando, nos representando e nos dando voz onde nunca tivemos. Isso é louvável, essa inclusão. E o fato de nos fazer pertencente à sociedade me emociona. Já em contrapartida, algo que me deixa muito triste é o próprio preconceito entra a comunidade, principalmente com transexuais e gays afeminados. A falta de união e respeito internamente só potencializa os danos que a sociedade nos causa, devemos entender que todos somos um dentro da comunidade para assim lutarmos com mais força e deixar de ser o país que mais mata LGBTs no mundo.

Através da ajuda de um financiamento coletivo, o projeto 48 horas vai ganhar vida em edição impressa – nela nada será censurado! É possível conferir mais no Instagram @48zine.

Junte-se à nossa comunidade

O app SCRUFF (Google Play ou App Store) está disponibilizando gratuitamente a versão PRO no Brasil, com todas as funcionalidades premium. Seja Embaixador SCRUFF Venture para ajudar os gays que estão visitando sua cidade. Tenha uma agenda atualizada das melhores festas, paradas, festivais e eventos. São mais de 15 milhões de usuários no mundo todo; baixe o app SCRUFF diretamente deste link.

2 COMENTÁRIOS