Quem lembra do anime de Sailor Moon que passava nos anos noventa na Manchete e no início da década de 2000 no Cartoon Network? Oriundo de um mangá (quadrinhos japoneses), o desenho animado foi um sucesso no mundo inteiro e até hoje possui uma grande legião de fãs, rendendo um remake em 2014 (Sailor Moon Crystal) e até um Live Action com atores em 2004.

Sailor Moon foi um anime muito popular nos anos noventa
Foto: Reprodução

Se hoje em dia os mais conservadores utilizam o discurso de que o público infanto-juvenil não deve assistir produções com personagens LGBT, nos anos noventa vivíamos uma outra realidade, já que este assunto praticamente não entrava em pauta e a sociedade, pelo menos a ocidental, tinha uma visão bem mais homofóbica. Em produções audiovisuais, era comum vermos os gays sendo personagens cômicos e secundários.

No entanto, toda regra tem exceção e aparentemente os japoneses sempre foram mais liberais com os LGBTs. Há quase trinta anos atrás, Sailor Moon foi pioneiro em representatividade, com personagens gays, bissexuais, gênero fluido e transgênero com uma naturalidade que, até hoje, é raro de se ver.

Dentro deste universo, questões como preconceito, homofobia ou qualquer tipo de discriminação não entram em pauta, além de que até mesmo personagens heterossexuais, como a Sailor Júpiter, era naturalmente mais masculina quando comparada as outras.

Haruka e Michiru: Casal de lésbicas

Haruka e Michiru são o casal homoafetivo mais conhecido de Sailor Moon
Foto: Reprodução

Provavelmente o casal homoafetivo mais lembrado do anime, a Haruka é a Sailor Urano e a Michiru é a Sailor Netuno, e ambas têm a missão de salvar o mundo durante a terceira e a quinta temporada.

No entanto, chama a atenção a vida “civil” das duas, já que os episódios que temos o desenvolvimento das personagens, percebemos que a Urano faz o típico papel da lésbica mais masculinizada: gosta de usar roupas masculinas, dirige moto e tem trejeitos de homem, enquanto a Michiru é bem feminina.

Além disso, após os eventos trágicos da terceira temporada, o bebê “Hotaru” vai morar com as duas. Um caso de família homoafetiva.

Zoicite e Kunzite: Casal de homens gays

Foto: Reprodução

Sendo dois vilões da primeira temporada, o Zoicite e o Kunzite foram os primeiros personagens a terem uma relação homoafetiva no anime.

O relacionamento de ambos é pouco desenvolvido, já que o foco é a trama na luta deles contra as Sailors, além de ser uma exclusividade do desenho animado, já que o Mangá (quadrinhos japoneses) ambos são retratados como héteros.

Olho de Peixe: Transgênero

Foto: Reprodução

Visto nos primeiros episódios da quarta temporada, o Olho de Peixe é um vilão que acaba se convertendo para o bem. Designado e retratado pelos outros como homem, ele é bem afeminado e, em sua forma civil, se veste e se comporta como mulher, parecendo se sentir mais confortável dessa forma. Um típico caso de pessoa trans.

Sailor Starlights: Gênero Fluido

Estes são três personagens presentes na última temporada do desenho que, em sua forma civil são homens, porém quando se transformam em Sailors, viram mulheres. Dentro da comunidade de fãs já houve muito debate se elas se tratavam de transgêneros ou gênero fluido, só que o mais aceito é este último, já que transitam entre ambos os sexos livremente. Vale citar que, no mangá, elas são mulheres que se disfarçam de homens.

Fiore: Gay

Este é o vilão do longa-metragem “Sailor Moon R” e demonstra ter um carinho especial pelo Mamoru (conhecido no ocidente como Darien, o namorado da Sailor Moon). Tanto que logo em uma das primeiras cenas do filme (vídeo acima já está na minutagem correta), Fiore aperta a mão dele e a Usagi (conhecida por nós como Serena) diz: “Desculpa, mas ele é MEU namorado”. Em uma cena mais a frente, uma das sailors diz: “Parece que o Mamoru não faz sucesso só entre as mulheres”.

Sailor Moon: Bissexual ou Pansexual

Foto: Reprodução

E a própria Sailor Moon também não é hétero, pelo menos não no Mangá e nem no remake animado, que segue mais a história dos quadrinhos.  Em uma das primeiras cenas em que a Haruka, citada anteriormente, aparece, ela dá um beijo na boca da Serena (ou Usagi no Japão) e, em seguida, mesmo ela sendo apaixonada pelo Mamoru, aparece um desenho dela com corações nos olhos.

Há um episódio no desenho dos anos noventa com teor mais cômico que também explora ela se apaixonando pela Haruka, porém achando que era um homem cisgênero. Muitos fãs teorizam de que a Sailor Moon, mesmo tendo uma história de amor com Mamoru, é pansexual.

Rei e Minako (Live-Action): Lésbicas

Bem menos conhecido entre nós, a primeira temporada de Sailor Moon também foi adaptada para Live Action, no melhor estilo dos super-heróis que víamos na Manchete. Apesar de ter os mesmos personagens do desenho e do mangá, o Live Action acaba apresentando uma nova história, sendo uma espécie de reboot.

Nessa encarnação, a Rei (Sailor Marte) e Minako (Sailor Vênus) possuem um forte vínculo afetivo que, muitos teorizam, se tratar de uma relação romântica.

Agradecimentos ao grupo Sailor Moon Brasil no Facebook pelas informações e esclarecimento de dúvidas.

Google Notícias
Jornalista formado pela PUC do Rio de Janeiro, dedicou sua vida a falar sobre cultura nerd/geek. Gay desde que se entende por gente, sempre teve um desejo de trabalhar com o público LGBT+ e crê que a informação é a melhor arma contra qualquer tipo de "fobia".