Desfile: LED aposta em coleção-protesto no SPFW #46

"Arretada” foi o nome dado pelo estilista e designer Célio Dias para o novo trabalho, que tece uma crítica ao modelo hegemônico da masculinidade

Em seu terceiro desfile no TOP 5, a marca mineira aposta novamente em uma coleção-protesto, dessa vez inspirada no ‘Cabra Macho’ nordestino.

Ficha Técnica Campanha
Estilo: Célio Dias
Bolsas: DIWO
Sapatos: Nuu Shoes
Acessórios: BOX19
Óculos: MOON
Jeans: PTGE + LED
Apoio: Vicunha


Em terras de Lampião, o conservadorismo e a resistência às diferenças fazem vítimas diariamente. A intolerância impera, provoca transtornos e leva à morte, e as tentativas de encarar a homossexualidade esbarram em uma muralha de ignorância que parece ser intransponível. E é inspirada nesse contexto, o conceito do “cabra macho” nordestino, que a LED apresentou seu terceiro desfile dia 23 de outubro, no São Paulo Fashion Week.

“Arretada” foi o nome dado pelo estilista e designer Célio Dias para o novo trabalho, que tece uma crítica ao modelo hegemônico da masculinidade, que carrega em seu estereótipo traços de força e virilidade mas também de violência e intolerância. “A matriz que estrutura a homofobia é a mesma que define socialmente masculinidades aceitáveis. É também a mesma que coloca mulheres em condições de vulnerabilidade, e que busca anular o diferente: por meio de chacotas, piadas e desqualificação,” afirma Célio dias, criador e estilista da LED. “Trazemos uma coleção ainda mais madura que a última, buscando expandir a discussão do gênero, colocando em xeque e avaliação, dessa vez, o padrão de masculinidade socialmente aceitável e o que ela carrega consigo muitas vezes, como o reforço à violência.”

Dentro desse conceito, a LED aposta pela primeira vez em ilustrações e traz a força e graciosidade dos veados em algumas de suas peças, hora em ilustrações e horas em bordados, ambas sendo trabalhos manuais já tão marcantes nas coleções da marca.