GAY BLOG BR by SCRUFF

Dia 15 de maio é celebrado o Dia do Orgulho de Ser Travesti e Transexual, com o objetivo de mostrar à sociedade que pessoas trans existem e não precisam viver na clandestinidade e nem à margem da sociedade.

“O Rio de Janeiro foi o berço de nascimento do movimento trans. Que já vinha sendo gestado em vários estados pelo país a fora.” – diz o post oficial da ANTRA no Instagram comemorando a data. “A data de hoje marca a construção coletiva de uma luta e de resistência.” – continua.

O dia também simboliza o nascimento da Associação de Travestis e Liberados (Astral), no dia 15 de maio de 1992, no Rio de Janeiro, que foi a primeira organização não governamental (ONG) do tipo na América Latina e foi base para a criação do Movimento Nacional de Travestis e Transexuais.

Dia 15 de maio é comemorado o Dia do Orgulho em Ser Trans/Travesti
Reprodução

Em sua maioria negras, nordestinas, semianalfebetas, as Travestis se reuniram para discutir formas de organização de uma resistência contra a violência policial, garantia do acesso a saúde e o enfrentamento da epidemia do HIV, proteção das profissionais do sexo, além das disputas com o Movimento Homossexual Brasileiro.

A Astral nasceu com seis mulheres: Jovanna Cardoso, Elza Lobão, Josy Silva, Beatriz Senegal, Monique do Bavieur e Claudia Pierry France.  Em 1995, eles cresceram e mudaram o nome para Rede Nacional de Travestis e Liberados, Rentral; depois mudou para Rede Nacional de Travestis, Renata e por fim, em 1998 virou a ANTRA – Articulação Nacional de Travestis.

O 15 de Maio passou a ser celebrado nacionalmente, desde 2017, como o Dia do Orgulho de Ser Travesti e Transexual, não anulando o 29 de janeiro, Dia da Visibilidade Trans, que já era ratificada no Brasil.

“Ambas [as datas] são importantes e somam forças para a luta das Travestis, Mulheres Transexuais, Homens Trans, e demais pessoas trans” – diz a ANTRA.

“Devemos celebrar cada conquista e a nossa própria trajetória com orgulho, altivez e reverência a quem nos antecedeu. Nada do que temos visto até aqui é um fenômeno, mas o resultado da resistência e organização de uma população marginalizada, que tem sido responsável por alçar o movimento LGBTI+ a um patamar elevado na busca por cidadania e respeito. Nossa história deve muito as travestis e o Brasil precisa reconhecer suas contribuições. O legado que elas nos deixam é de que a luta que vale a pena é aquela que muda as estruturas” – diz o post da ANTRA.

Junte-se à nossa comunidade

O app SCRUFF está disponibilizando gratuitamente a assinatura PRO no Brasil, com todas as funcionalidades premium. Seja Embaixador SCRUFF Venture para ajudar os LGBTs que estão visitando sua cidade. Tenha uma agenda atualizada das melhores festas, paradas, festivais e eventos. São mais de 15 milhões de usuários no mundo todo; baixe o app SCRUFF diretamente deste link.

Jornalista formado pela PUC do Rio de Janeiro, dedicou sua vida a falar sobre cultura nerd/geek. Gay desde que se entende por gente, sempre teve desejo de trabalhar com o público LGBT+ e crê que a informação é a a melhor arma contra qualquer tipo de "fobia"