Desde a última semana, Kaká di Polly tem sido umas das personalidades mais citadas entre os LGBT+ nas redes sociais após não ter sido convidada para participar da Primeira Parada Virtual de São Paulo, que aconteceu no domingo, 14 de junho.

- CURTA A PÁGINA DO FACEBOOK -

No dia seguinte ao evento, a veterana gravou um vídeo em seu Facebook indignada com a organização da Parada SP. Sua pergunta retórica “Cadê o meu convite” virou até um hit.

Com a repercussão de seus vídeos e sua entrevista, veio à tona um post de Kaká feito em janeiro de 2019 onde se mostrava esperançosa com o resultado das eleições presidenciais. Após ser cobrada por internautas, nesta segunda-feira, para se posicionar sobre sua visão política, di Polly oficializou sua resposta em carta aberta e alertou sobre fake news e oportunismos em cima de sua imagem.

Leia a carta na íntegra:

PARADA VIRTUAL / BOLSONARO / KAKÁ DI POLLY – CARTA ABERTA A COMUNIDADE LGBTQIA+

Olá! Antes de mais nada, #respeiteaminhahistoria e me diga #kdomeuconvite?

Nos últimos dias, curiosamente, fui lembrada.

Infelizmente, não pela minha história de luta pelos direitos de nossa comunidade, mas sim, por exigir o reconhecimento que me é devido, por parte desses que aí estão usufruindo daquilo que eu e meus amigos construímos lá atrás, em 1997, quando muitos que estão lendo esse texto nem haviam nascido ou, se quer, sabiam o que era a Parada do Orgulho LGBTQIA+.

Depois da minha live da segunda 15/06, no Facebook, criticando o fato de que a “1ª a Parada Virtual LGTBQIA+ de São Paulo” havia IGNORADO os nomes que construíram este caminho, inúmeros sites e pessoas me acessaram querendo entrevistas, matérias, babados e confusões.

Alguns, com o real intuito de me ouvir… Outros, sem meu consentimento, usando minha imagem e meu nome para ganhar visualizações.

Pois bem… Eu respeito muito todos estes novos blogueiros, youtubers e celebridades instantâneas que a internet criou, mas eu não sou desta era de facilidades em que pode-se impulsionar anúncios e conteúdos para conquistar likes e seguidores, tanto que nunca o fiz e nem o farei.

Cada pessoa que me segue nas redes sociais, veio através do suor de anos de luta pela causa, de enormes desgastes físicos, financeiros e emocionais. Investimentos de uma vida inteira, para que hoje, vocês possam “divar” pelas redes sociais, no conforto e segurança de seus lares.

Esta semana, após ter minhas lives misteriosamente deletadas pelo Facebook e ser bloqueada pela rede social, comecei a apresentar minhas lives pelo Instagram.

Já na primeira live, ontem, 22/06, pessoas que CLARAMENTE não se informam e não me seguem em minhas redes sociais, partiram para o ataque, me acusando de “apoiar Jair Bolsonaro”.

Eu não nego… Sim, votei nele. Estava cansada, esperando e acreditando em mudanças.
Mas quem me segue de fato e não veio ao mundo para plantar sementes ruins, sabe muito bem que há algum tempo ME ARREPENDI do meu voto… Venho deixando isso BEM CLARO em minhas redes sociais.

Há de se ter MUITA HOMBRIDADE para reconhecer um erro e muita sabedoria para mudar de opinião.

Sim, solicitei a minha equipe que removesse do meu site o post em que eu comemorava um “novo governo”, pois para mim, o tal post não faz mais sentindo algum.

Não estou satisfeita e nem conformada com a situação política atual do meu país.

O fato de eu ter votado “errado”, não desmerece a minha luta, não desfaz a minha história e NÃO É JUSTIFICATIVA, como alguns alegaram, para eu ser IGNORADA durante a tal parada virtual.

Aliás, aos que afirmam que este teria sido o motivo, quero saber como justificam os outros tantos nomes que foram esquecidos.

Não diferente do restante do nosso país, nossa honrada comunidade parece ter memória CURTA, a não ser que lhe seja conveniente, não é mesmo?

Os julgamentos vindos de quem NÃO CONHECE a minha história são tão irrelevantes quanto as fake news, que seguem a mesma lógica ‘ilógica’: julgar, condenar, publicar e atacar, sem checar fontes, sem ter conhecimento algum de causa. Corrupção disfarçada de militância!

Pode-se esquecer e ignorar quem iniciou o movimento LGBTQIA+XZWZ no Brasil, mas se uma dessas pessoas votou errado, dá-lhe ataque, cospe-se no prato que comeu, agride-se quem sempre lutou INCANSAVELMENTE por nossos direitos.

Se a polícia, se as agressões físicas e verbais não me calaram durante décadas, não serão biscoiteiros de plantão e desinformados que me calarão.

Eu NÃO PRECISO de associações que EXCLUEM pessoas. Eu FAÇO associações. Associações de amigos, de pessoas interessadas SOMENTE na nossa luta e na nossa verdade.

Espero que os mesmos sites e pessoas que saíram por aí replicando notícias sensacionalistas usando meu nome e minha imagem, sem qualquer crédito ou autorização, hajam como eu e tenham a HOMBRIDADE de republicar esta carta aberta.

Continuarei com meus bordões de guerra contra a homofobia e contra todos os tipos de preconceitos.

#kdomeuconvite

Atenciosamente

Carlos Alberto Policarpo
Kaka di Polly – Ator, Drag Queen e Psicólogo.

Kaká di Polly, Silvetty Montilla e Salete Campari farão live para celebrar Dia do Orgulho

Google Notícias

1 COMENTÁRIO