GAY BLOG BR by SCRUFF

Na 25ª edição da Parada LGBTQIA+ de São Paulo, neste domingo 6 de junho, a Agência Aids promoveu o Camarote Virtual Solidário articulando debates com médicos e ativistas, além do grande objetivo de arrecadar cestas básicas para pessoas vivendo com HIV e AIDS em situação de vulnerabilidade.

Três médicos especialistas em Aids, Dr. Fábio Mesquita, médico epidemiologista que faz parte da OMS, e os infectologistas Dr. Vinicius Borges (Dr. Maravilha) e a Dra. Zarifa Khoury, comentaram os avanços no tratamento contra a Aids no Brasil e no mundo.

“Amanhã (7), começa uma agenda global na ONU para retomar a questão da Aids e isso é muito importante. O Brasil foi o primeiro país, de média e baixa renda, a oferecer os medicamentos antirretrovirais cumprindo a Constituição, uma grande conquista na implementação de políticas públicas, desde 1995 em nível nacional”, contou Dr. Fábio Mesquita, que traçou uma retrospectiva histórica da construção da política de Aids no Brasil.

A adesão ao tratamento, nos anos 1980, foi difícil. “Havia resistência aos medicamentos e seus efeitos colaterais. Testemunhamos muitos suicídios, era terrível”, lembrou Dra Zarifa Khoury.

Passados 40 anos, os avanços foram muitos: do tratamento com 16 medicamentos, atualmente é prescrito com dois comprimidos. “As vivências do passado nos ensinaram muito, mas ainda há problemas sociais graves para as pessoas com HIV e Aids. Quando criei o Dr. Maravilha nas redes sociais foi para ajudar a enfrentar o preconceito e a autoestima da população LGBT que vive com HIV. Quero olhar pessoas e não o vírus”, explicou Dr Vinicius Borges.

“A pergunta hoje é ‘Tenho HIV e agora?’ É a realização de sonhos porque é possível viver com medicamentos e ter qualidade de vida. O desafio é vencer o estigma. Desde do início, os gays sofriam discriminação porque Aids era considerada ‘peste gay’ é ainda hoje muitas pessoas não seguem o tratamento por medo da opinião da sociedade”, diz Dra Zarifa.

Dr Fábio Mesquita ressaltou que a questão deve ser esclarecer as informações erradas sobre a Aids, melhorar a informação para que as pessoas sofram menos, como faz a Agência Aids e o Dr Maravilha. “Fora do Brasil, o preconceito em países pobres ainda é muito grande. A imprensa trabalha para mudar esse conceito. Foram testadas vacinas, sem grande retorno, mas a ciência requer investimento. Veja a capacidade de recursos para a Covid, pois atinge todas as classes sociais e raças. Por isso, houve grande mobilização da ciência para chegar à vacina. É possível diminuir a transmissão e a mortalidade (700 mil óbitos em 2020). Com a Covid-19, houve impacto no tratamento e no cumprimento da mandala de prevenção”, explicou o epidemiologista.

Dr Maravilha completou: “É preciso combater o negacionismo em todas às áreas, valorizar a ciência, democratizar o tratamento”.

Assista na íntegra:

A doação de cestas básicas para pessoas com HIV e AIDS em situação de vulnerabilidade, hospedada pelo Camarote Virtual Solidário da Agência Aids, está disponível até 25 de junho: https://linktr.ee/agenciaaids.

18º Camarote Virtual Solidário

A Parada do Orgulho LGBTQIA+ de São Paulo celebra neste domingo (6), a 25ª edição com uma programação inteiramente virtual com o tema HIV/Aids: Ame + Cuide + Viva +. A Agência de Notícias da Aids montou seu 18º Camarote Solidário, também virtual, numa live com ativistas e especialistas que discutiram o cenário dos 40 anos da Aids.

Com apresentação da jornalista Roseli Tardelli, da Agência Aids, e a drag Dindry Buck, o presidente do Sesc, Danilo Santos de Miranda, abriu o camarote afirmando que patrocinar o Camarote é apoiar a causa LGBTQIA+ é uma questão de afirmar o propośito de educação que mostre às pessoas o que somos é o que fazemos. “Olhar dentro de nós de maneira igualitária é entender onde estão as barreiras e como trabalhar as questões que possam tirar o Brasil desse atraso, com pensamento da Idade Média, é combater a igualdade. O Sesc sempre trabalhou com ações e artistas que criam provocação que faz a sociedade refletir”, ressaltou.

O Sesc afirma ter como política interna o respeito aos direitos civis das pessoas, com o reconhecimento de relacionamentos hétero ou homoafetivo, com direito de seguros para toda família. “Sugerimos que todas as empresas tirem o resquício de “cancelamento” e combata a homofobia. Sem solidariedade não temos saída”, contou Danilo Miranda.

Ativismo

Alessandra Nilo, diretora da ONG Gestos, em Pernambuco, criada para lideranças na periferia e para grupos de defesa da Aids, deu seu depoimento no ativismo para desmitificar o preconceito com HIV: “Foi um movimento multidisciplinar com parcerias estratégicas. Houve muita discriminação desde o início, brigamos pelo reconhecimento da existência. Fico contente que a população LGBT se afirme, trazendo a Aids no foco, num momento que quase não se fala mais em prevenção da Aids porque a preocupação passou a ser a Covid”, disse Alessandra Nilo.

Veriano Terto, vice-presidente da ABIA (Associação Brasileira Interdisciplinar de Aids), lembrou que a história de luta é o ativismo pelos medicamentos foram fundamentais para chegar hoje, com um trabalho de solidariedade e criar espaços de escuta e de transmissão do conhecimento. “O movimento de Aids agrega pessoas de todas as idades e com lutas paralelas como às questões raciais e trans. Essa característica deve servir de exemplo na construção de vitórias na saúde”, explicou Veriano.

Roseli Tardelli, da Agência Aids, lembrou que a intersecção de demandas alinha o enfrentamento de distorções contra o HIV: “Só em 2013, a ONU registrou numa declaração de HIV/AIDS o reconhecimento de pessoas trans. É um momento histórico. Todos podem conversar como superar os obstáculos, desde a discriminação de mulheres trans pobres até o pedido de medicamentos para todos. A questão da prevenção é importante”, ressaltou.

A luta por direitos deve ser centrada nos grandes temas, defendeu Alessandra Nilo: “O ativismo faz a correção de rumos de políticas públicas para todos”.

Junte-se à nossa comunidade

O app SCRUFF está disponibilizando gratuitamente a assinatura PRO no Brasil, com todas as funcionalidades premium. Seja Embaixador SCRUFF Venture para ajudar os LGBTs que estão visitando sua cidade. Tenha uma agenda atualizada das melhores festas, paradas, festivais e eventos. São mais de 15 milhões de usuários no mundo todo; baixe o app SCRUFF diretamente deste link.