Oskar Arngarden, um padre luterano sueco de 35 anos, anda fazendo sucesso nas redes sociais com treinos de CrossFit. Sua conta no Instagram já possui mais de 158 mil seguidores e conta diversas fotos de seu corpo fitness tatuado legendadas com versos bíblicos. Segundo ele, não existe conflito entre as duas práticas:

“Estamos entrelaçados por corpo, alma e espírito, e se uma parte se sente mal, ela se espalha sobre as outras. Portanto, me envolver em atividade física não significa que as outras partes de mim como pessoa e crente possam ser deixadas de lado”, revela em uma entrevista ao The New York Post.

Oskar concilia suas atividades como sacerdote e fisiculturista (Foto: Hot Gaming)
Oskar concilia suas atividades como sacerdote e fisiculturista (Foto: Hot Gaming)

O padre inclusive diz que as pessoas precisam se conscientizar de que os exercícios são, de fato, muito importante.

“Fazemos um grande desserviço se acreditamos que a atividade física está errada (a menos que exagere, é claro) Por isso, não negligencie seu corpo, mas cuide dele. Pois o corpo é uma criação de Deus que recebemos como presente. Onde honramos e agradecemos a Ele com todo o nosso povo, e não apenas com partes individuais. Então exercite-se e faça-o com alegria!”, diz.

Ainda na mesma entrevista, ele também comenta sobre como gerencia seu tempo com ambas as vocações:

“As vezes me perguntam como eu organizo meu tempo com os treinamentos e a religião, e se a malhação não toma um tempo de coisas’ mais importantes’. mas de alguma forma acredito que o próprio treino me dá mais tempo para minha religiosidade. Me dá resistência e força para estudar mais e dar o meu melhor no trabalho como um sacerdote. Acho um erro que vejam ambos como oponentes. Pelo contrário: ambos se complementam (…) não dá só um resultado positivo no corpo, mas também na vida comum. E isso é um fato biológico”

E ele finaliza dizendo que sua grande dica para os fiéis da igreja: “se você quiser ter mais energia para ler a bíblia, treine mais”.

Jornalista formado pela PUC do Rio de Janeiro, dedicou sua vida a falar sobre cultura nerd/geek. Gay desde que se entende por gente, sempre teve um desejo de trabalhar com o público LGBT+ e crê que a informação é a melhor arma contra qualquer tipo de "fobia".