GAY BLOG BR by SCRUFF

This article is also available in: Español

No início dos anos 70, homossexuais na Argentina eram internados em hospitais psiquiátricos, torturados e presos pela polícia; ridicularizado e assediado pela família, igreja, escola e local de trabalho. Diante disso, um grupo de homossexuais decidiu enfrentar politicamente a moralidade repressiva da sociedade. A história está no documentário “Amor y Revolución”, em cartaz até domingo (18) no festival “É tudo Verdade”, pela plataforma Sesc Digital. O acesso é gratuito.

Com direção de Ernesto Ardito, o doc mostra como alguns homossexuais fundaram a Frente de Libertação Homossexual (a organização que plantou a bandeira da libertação sexual e da luta contra a repressão policial que perseguia qualquer indício de dissidência dos corpos) e outros decidiram aderir a organizações revolucionárias.

Reprodução

O paradoxo, escreve o site GPS audiovisual, é que sua dissidência sexual também fez com que fossem discriminados e separados por muitos partidos de esquerda. O espírito de transformação social da época ainda não estava pronto para eles.

Com o advento da ditadura e a sentença de morte para os homossexuais, virá a mais sinistra homofobia. As histórias dos sobreviventes são uma fonte fundamental de denúncia, que vão mostrar o quanto o ser humano pode ir em sua sede de intolerância.

“Muitos não conhecem a história dos protagonistas da luta histórica pela conquista desses direitos. Por isso, a principal motivação do filme foi construir uma ponte de memória entre as duas gerações. E que se percebe que a luta nunca pode baixar os braços, porque a intolerância persiste além das ditaduras, o nazismo persiste além do Holocausto. A construção de um outro diferente daquele a ser destruído está na base de muitas ordens e sempre volta à superfície. O nazismo está associado a monstros humanos como Hitler, Mengele ou Videla. Mas os monstros são muito poucos para serem realmente perigosos; mais perigosos são os homens comuns que constroem um nazismo diário. Primo Levi, o escritor italiano sobrevivente de Auschwitz afirma que ‘Tudo o que aconteceu pode acontecer de novo, que as consciências podem ser seduzidas e nubladas de novo: as nossas também'”, disse ao site GPS o diretor Ardito.

Ernesto Ardito/ Reprodução

This article is also available in: Español

Junte-se à nossa comunidade

O app SCRUFF (Google Play ou App Store) está disponibilizando gratuitamente a versão PRO no Brasil, com todas as funcionalidades premium. Seja Embaixador SCRUFF Venture para ajudar os gays que estão visitando sua cidade. Tenha uma agenda atualizada das melhores festas, paradas, festivais e eventos. São mais de 15 milhões de usuários no mundo todo; baixe o app SCRUFF diretamente deste link.

Jornalista pela Universidade Federal de MS, foi repórter de economia e hoje, além de colaborar para o Gay Blog Br, é servidor público em Joinville (SC). Escreveu ''A Supremacia do Abandono'', livro disponível em amazon.com.br.