Museu da Diversidade Sexual abriga a mostra ‘Solidão’; entrada é gratuita

Há inclusive obras retratando relacionamentos através de aplicativos, tratando-os como instrumentos reveladores da solidão

O Museu da Diversidade Sexual, da Secretaria da Cultura do Estado de SP, administrado pela organização social de cultura APAA, inaugura no dia 10 de outubro uma exposição intitulada “Solidão”. Com curadoria de Duilio Ferronato e Eduardo Besen, a coletiva conta com trabalhos de 17 artistas acerca da temática. A entrada é gratuita.

Museu da Diversidade Sexual
Obra de Sheila Goloborotko

Paulo von Poser aborda na série exposta os relacionamentos através de aplicativos, tratando-os como instrumentos reveladores da solidão, porém também mecanismos para que pessoas se encontrem. Em 12 caixinhas, dispostas como a página de exibição de perfis de um desses aplicativos, von Poser recorre a variadas técnicas para retratar o reflexo de si mesmo, olhando para a tela de um celular, e a sobreposição de imagens com a qual o usuário se depara. A obra contempla uma infinidade de nuances contidas nesse universo, passando por países com legislações proibicionistas e a comunicação de pessoas soropositivas.

Ida Feldman, por sua vez, faz uso da colagem digital para falar sobre a autossuficiência como método de driblar a solidão, com um toque de humor. “Na falta de um bom relacionamento, posso me virar muito bem – e às vezes até prefiro – me masturbando”, explica. A tônica, inclusive, é explicitada já no nome da obra: “Meu gozo é autossuficiente”.

“Ausência 2”, de Daniel Melim, foi desenvolvida com pintura e colagem sobre madeira, em grandes dimensões. “Eu abordei o tema solidão a partir da ausência do outro. O trabalho representa um casal, sendo que uma das partes é apenas uma silhueta, o contorno. A solidão é tratada aí a partir dessa perspectiva que a gente tem da presença ou da ausência do outro”, conta o artista.

Em “Solidão” estarão expostas também obras de Adams Carvalho, Alex Cerveny, António Teixeira, Cláudio Caropreso, Guilherme Gafi, Higo Joseph, Júlio de Paula, Jorge Morabito, Luma Assis, Magdalena Marciniak, Malu Pessoa Loeb, Sandra Martinelli, Sheila Goloborotko e Teresa Berlinck.

Obra de Magdalena Barciniak

“Solidão é um tema forte e nos faz pensar em diversos aspectos desse sentimento. Os trabalhos exibidos a abordam com visões muito particulares e distintas entre si: da solidão que se esconde por trás das ilusões que criamos em nossas redes sociais até olhares mais positivos sobre ela”, diz Luis Sobral, diretor da APAA. “Uma exposição revela muito mais do que as obras ali expostas. Em ‘Solidão’, podemos ver a importância da cultura em geral para enxergarmos assuntos sob diferentes perspectivas e os absorvermos com infinitas possibilidades de interpretação, o que nos torna mais ricos e receptivos à diversidade”, conclui.

Obra de Claudio Caropreso

Textos expositivos de: Aimar Labaki, Karina Dias e Sérgio Roveri

Serviço: Museu da Diversidade Sexual – “Solidão”
Abertura: 10 de outubro de 2017, quinta-feira, das 18h00 às 22h00
Período expositivo: de 10 de outubro de 2017 a 13 de janeiro de 2018
Artistas: Adams Carvalho, Alex Cerveny, António Teixeira, Cláudio Caropreso, Daniel Melim, Guilherme Gafi, Higo Joseph, Ida Feldman, Júlio de Paula, Jorge Morabito, Luma Assis, Magdalena Marciniak, Malu Pessoa Loeb, Paulo Von Poser, Sandra Martinelli, Sheila Goloborotko e Teresa Berlinck

Estação República do Metrô, piso mezanino
Rua do Arouche, 24, República – São Paulo
Funcionamento: de terça a domingo, das 10h às 18h
Entrada gratuita
Acessibilidade para deficientes físicos
http://www.mds.org.br/

Obra de Adams Carvalho

Leia também: Artistas explicam o significado de suas obras em Queermuseu