Diretamente da cidade de Oxnard, Califórnia, onde os músicos Roddy Bottum e Joey Holman escolheram para passar este período de isolamento social, o duo conversou por live no Instagram do GAY BLOG BR com o colunista Joaquim Leães de Castro sobre o novo projeto musical intitulado MAN ON MAN. Perguntados por que o nome do projeto é escrito com letras maiúsculas, o casal respondeu espirituosamente que é porque eles são grandes.

Na entrevista, Roddy, que também é tecladista do Faith No More, lembrou de sua passagem no Rock in Rio em 1991, onde teve a impressão de ter se tornado muito famoso do dia para noite no país por conta da exibição do show em rede nacional. Na ocasião, Bottum também lembra que conheceu o cantor Prince, o qual é muito fã, de uma maneira inusitada.

"Achei que Prince flertava comigo, mas era apenas os cílios postiços dele que eram pesados", conta o integrante gay do Faith No More
Prince (reprodução)

Em uma balada, no Rio, o tecladista havia visto Prince numa área VIP e pediu para o segurança se podia entrar para conhecer o cantor. Após ter sua entrada autorizada, Roddy conta que Prince tinha um cheiro muito bom de lavanda, tinha uma voz fina e que chegou a pensar que estava recebendo flertes dele, pois o cantor estava usando cílios postiços muito pesados e consequentemente piscava muito para ele.

Assista à live na íntegra:

View this post on Instagram

@manonmanmusic

A post shared by GAY BLOG BR (@gayblogbr) on

OUTING

Roddy Bottum falou abertamente sobre ser gay pela primeira vez em uma entrevista para o The Advocate em 1993, a mais antiga publicação destinada ao público LGBTQIA+ dos Estados Unidos. Antes de sair do armário, ele teve uma breve relação amorosa com Courtney Love no início dos anos 80, na época em que ela cantava para a banda Faith No More. Ambos permanecem amigos até hoje.

Já em 1999, um outro artigo da The Advocate, explorando sobre a banda Imperial Teen, Roddy Bottum disse que as letras fazem diversas alusões a “pronomes masculinos e uso de batons para falarem sobre amor”, saindo do padrão das músicas que retratavam o amor gay na época.