Aidan Faminoff: ‘é bom sair do armário e não ter medo do verdadeiro eu’

Como resultado, o atleta diz não ter que carregar este 'fardo' de esconder a sexualidade fez com que seu nível de confiança aumentasse significantemente. 

Aidan Faminoff, 19 anos, está no segundo ano da Florida State University. Ele está se formando em Relações Internacionais e é um saltador ornamental na equipe de natação da universidade. Natural da Colúmbia Britânica, ganhou uma medalha de bronze no Campeonato Junior Pan Am de 2015 e um bronze nos Jogos Olímpicos Canadenses de 2016. Para a Outsports, contou com detalhes sobre seu processo de aceitação em ser gay.

Aidan Faminoff
Aidan Faminoff. Foto: reprodução/Outsports

“Eu sabia desde a sexta série que eu era gay. Eu nunca me senti confortável o suficiente para falar com alguém sobre isso até que eu estava na faculdade. Eu estava confuso sobre o porquê de eu ser atraído por homens. Durante todo o ensino médio e ensino médio, eu mantive isso para mim. Eu criei uma persona falsa para poder me sociabilizar com os alunos”, relembra.

aidanfaminoff
@aidanfaminoff

“Estava cansado de ouvir meus amigos tagarelando e falando sobre as meninas ‘gostosas’. Eu queria falar abertamente e naturalmente sobre minha atração pelos homens. Eu só queria deixar sair os sentimentos e emoções que estavam construindo. Aí ia praticar mergulho todos os dias depois da aula para fugir dos amigos, mas também ainda estava escondendo o meu verdadeiro eu. Mergulhar era uma maneira de tirar minha mente de todas as emoções e sentimentos de não expressar quem eu realmente era. Foi uma fuga por algumas horas durante o dia; assim minha mente descansaria enquanto eu me concentrava em me jogar de uma plataforma na piscina”, conta.

View this post on Instagram

👙

A post shared by AIDAN FAMINOFF🇨🇦 (@aidanfaminoff) on

“Dois anos depois, na Florida State University, olho para o momento exato em que finalmente me aceitei. Era 11 de outubro de 2016, National Coming Out Day. Naquele dia eu me assumi publicamente, compartilhando nas redes sociais com o mundo inteiro que eu era gay”, diz aliviado.

View this post on Instagram

Xoxo

A post shared by AIDAN FAMINOFF🇨🇦 (@aidanfaminoff) on

“Agora que finalmente estava livre e aberto ao público, me senti aliviado. Um peso foi tirado de mim. Recebi inúmeras mensagens que me apoiavam e contavam como eu era corajoso. Isso me fez sentir à vontade, mas também me fez continuar ajudando outros gays enrustidos. Eu queria que eles soubessem que está tudo bem sair do armário e não ter medo do verdadeiro eu”, pondera, em entrevista para Outsports.

View this post on Instagram

In need of a beach day soon 🏖🏖🏖

A post shared by AIDAN FAMINOFF🇨🇦 (@aidanfaminoff) on

Como resultado, o atleta diz não ter que carregar este ‘fardo’ de esconder a sexualidade fez com que seu nível de confiança aumentasse significantemente.

Alguns dias antes de sair do armário via redes sociais, Aidan contou a novidade para os pais. A aceitação deles foi a mais importante, segundo ele, pois a admiração que ele tinha era muito grande. Ele sabia que a mãe seria compreensiva, mas apenas ao pensar em dizer ao seu pai lhe dava ânsia.

View this post on Instagram

What goes best with 🍿?

A post shared by AIDAN FAMINOFF🇨🇦 (@aidanfaminoff) on

GAY E ATLETA

Ser um atleta abertamente gay na faculdade é completamente diferente do que no ensino médio. “No colégio eu era reservado e não queria expressar quem eu era. Senti que, se saísse do armário seria julgado e vítima de bullying. Mas na faculdade, o ambiente é diferente, mais acolhedor. Mesmo que eu tenha encontrado obstáculos, eu perseverei. Agora que sou uma pessoa abertamente gay e atleta, sinto o melhor que já senti ser aceito, bem-vindo e amado entre meus colegas e companheiros de equipe”, diz.

View this post on Instagram

Another day ~ Another practice

A post shared by AIDAN FAMINOFF🇨🇦 (@aidanfaminoff) on

“Me assumir publicamente me tornou um atleta melhor, porque estou mais confortável e dentro em meu verdadeiro eu. Estou me tornando a pessoa que sempre quis ser, e isso correspondeu à minha atitude em relação ao mergulho. É triste como temos que nos classificar em uma noção já preconcebida do que é normal. Nós, da comunidade LGBT, não devemos ter medo de assumir a sexualidade e mostrar o nosso verdadeiro eu. Depois que superei, me senti confortável em minha própria pele, percebi que não deveria ser um problema tão grande sair”, finaliza.

View this post on Instagram

Just another day at the office ☀️

A post shared by AIDAN FAMINOFF🇨🇦 (@aidanfaminoff) on

View this post on Instagram

Guard on duty 😋⛑

A post shared by AIDAN FAMINOFF🇨🇦 (@aidanfaminoff) on

Com informações de JimBuzinski e Outsports.