Cantor de Cingapura, onde ser gay é ilegal, desabafa sobre sair do armário

Mesmo com leis homofóbicas em Cingapura, o cantor em ascenção Wils lançou um clipe onde revela sua publicamente sua sexualidade

Wils se descobriu gay aos 13 anos. Quando chegou aos 30, disse a si mesmo que não poderia mais viver minha vida sendo outra pessoa. Em 2011, o cantor saiu de Cingapura e foi trabalhar em um álbum na Espanha.

Na Ásia, ser gay é ilegal em 23 nações, incluindo Cingapura. Butão, Brunei, Gaza (no território palestino ocupado), Índia, Sumatra Meridional e Achém (na Indonésia), Iraque, Irã, Kuwait, Líbano, Malásia, Maldivas, Mianmar, Omã, Paquistão, Catar, Arábia Saudita, Sri Lanka, Síria, Turcomenistão, Emirados Árabes Unidos, Uzbequistão e Iêmen prendem LGBTs apenas por estarem existindo.

Mesmo com a lei homofóbica, o cantor cingapuriano Wils lançou um clipe onde revela sua sexualidade publicamente. Em entrevista ao Gay Star News, contou um pouco sobre sua história.

Em Cingapura, Wils lembra que na infância ouvia pessoas chamando gays de ‘ah gua’, uma equivalência da palavra ‘bicha’ ou ‘desmunhecado’. “Eu acho que a parte mais difícil para muitas pessoas LGBTQIA na Ásia é que não queremos revelar nossa sexualidade porque isso traria ‘vergonha’ à nossa família. E nós nunca queremos incomodar nossas famílias por causa de nossa sexualidade. Mas as coisas estão mudando e as pessoas estão aceitando muito mais agora”, desabafou na entrevista.

Apesar de ainda não ter voltado ao país desde que assumiu, o cantor conta que foi positiva a reação dos amigos mais próximos. Ao ser perguntado como as pessoas podem ajudar a comunidade LGBT+ nesses países homofóbicos, o cantor disse que a redes sociais são grandes aliadas.

“[Podem ajudar] compartilhando posts amigáveis ​​para LGBT. Entre em contato com as pessoas quando souber que eles precisam de ajuda. É com isso que nossos irmãos menos afortunados no exterior precisam: saber que estão seguros, não sozinhos e aceitos”, recomendou.

Assista ao seu último clipe:

Comente