Ricardo Bueno, 39, e Bernardo Ramos, 30, se conheceram quando um deles curtiu a foto do outro no Instagram. Ricardo é de Minas Gerais, e Bernardo é de São Paulo, mas o encontro aconteceu no Rio de Janeiro. O amor foi à primeira vista. Se as redes sociais uniram o casal, ela também serviu como instrumento de trabalho para eles, mais precisamente de Bueno, que deixou a fisioterapia de lado para se dedicar ao Instagram e ao TikTok.

GAY BLOG BR by SCRUFF
casal feliz
Ricardo (dir) e Bernardo – Os Sabores do Mundo (acervo pessoal)

Juntos, criaram em 2014 o perfil Os Sabores do Mundo, onde rodavam os quatro cantos do planeta, abordando suas impressões turísticas (dicas de hotéis e passeios) e também suas vivências gastronômicas. Não demorou muito para a dupla conquistar milhares de seguidores no Instagram e também no Youtube. Mas eles não mostravam a intimidade deles como um casal, mas como desbravadores.

Com o sucesso nas mídias sociais, eis que surge a pandemia do Covid-19, que impossibilitou a todos de viajar e de comer fora, duas coisas que o casal fazia com regularidade. De mãos atadas, sem poder criar conteúdo, eles apelaram para o TBT (uma hashtag usada pelos usuários de redes sociais para mostrar fotos do passado. A sigla é um termo em inglês chamado Throwback Thursday), mas ambos sentiam falta de mostrar assuntos inéditos. Foi quando eles descobriram o TikTok, no ápice do confinamento.

Os Sabores do Mundo (acervo pessoal)

Sem poder pegar um avião ou ir a restaurantes , o casal resolveu abordar temas LGBT no popular aplicativo chinês de criação e compartilhamento de vídeos curtos. Em menos de sete meses, Os Sabores do Mundo já contava com 80 mil seguidores, que desta vez, assistiam aos vídeos sobre o casal gay, retratando situações cotidianas do universo LGBT com muito bom humor e leveza.

Os Sabores do Mundo – acervo pessoal

O êxito no TikTok não se repetiu no Instagram, embora no passado nunca tivessem escondido o relacionamento entre eles, a partir do momento que o casal deu esse salto, teve que lidar com os julgamentos dos “juízes da internet”.  De imediato, perderam 20 mil seguidores no Instagram. Bueno lamenta: “Continuamos perdendo. Porque as pessoas estavam acostumadas a ver fotos da gente viajando, mas sem demonstrar carinho, afeto um pelo outro. A gente não postava dessa forma, principalmente por causa do emprego do meu namorado, que é em um ambiente muito machista, mas tempos depois, ele resolveu chutar o balde e resolvemos começar a postar”.

A reação dos haters não impediu que a dupla continuasse investindo em conteúdo LGBT também no Instagram. Atualmente, além dos vídeos curtos de humor, eles fazem lives com pessoas das mais diversas áreas.

Confira a entrevista com a dupla com exclusividade para o GAY BLOG.

Os Sabores do Mundo (acervo pessoal)

Quando surgiu a pandemia, vocês estavam viajando?

Fomos para Galápagos e amamos! Mas no último dia de viagem uma das atrações da ilha foi fechada por conta do coronavírus. Bateu aquele frio na barriga, medo de não conseguir voltar para casa, e de fato foi o que aconteceu. No dia 16 de março, embarcamos em um avião de Galápagos para Quito (Equador), mas quando chegamos lá, fomos impedidos de seguir viagem. Nosso voo foi cancelado. Acabamos ficando 15 dias a mais no Equador. Presos em Quito, sem conseguir voltar para casa, pois as fronteiras terrestres do país foram fechadas e não haviam mais voos comerciais para o Brasil. Até que um belo dia, o governo do Brasil em parceria com a Gol mandou um avião para nos resgatar.

Você e seu namorado começaram no Instagram há seis anos, falando sobre viagens e gastronomia a um público fiel. No entanto, veio a pandemia e prejudicou bastante a criação de conteúdo. Este foi o motivo para vocês migrarem para o TikTok?    

Na verdade, começamos há cinco anos (falta uns meses para completar seis anos). Criamos o Instagram logo no início do namoro. A intenção era contar um pouco de nossa história através de nossas viagens pelo Brasil e pelo mundo. Quando veio a pandemia, primeiro nós fizemos muitos TBTs, na tentativa de continuar produzindo conteúdo, mas não poderíamos imaginar que isso ia durar tanto tempo, então acabamos ficando sem conteúdo. Nesse meio tempo, conhecemos o TikTok, e resolvemos nos aventurar por lá também, e deu muito certo. Lá nós quisemos abordar outra temática, já que estávamos impedidos de viajar. Foi quando começamos a falar sobre a temática LGBT. E logo em seguida, resolvemos trazer isso para o Insta. Começamos postando algumas fotos demonstrando carinho (beijo/abraço), e aos poucos fomos trazendo vídeos produzidos no TikTok também, que abordam a temática LGBT de forma leve e humorada.

por do sol
Os Sabores do Mundo (acervo pessoal)

A reação negativa dos seguidores do Instagram revela de certa forma um preconceito escondido, já que eles estavam “acostumados” a vê-los viajando e dando dicas de gastronomia, e quando a temática mudou para a vida pessoal de um casal homossexual, não lidaram bem com isso…   

Ficamos perplexos com o crescimento rápido no TikTok, sinalizando que estávamos no caminho certo. Daí tínhamos plena confiança que seria um sucesso no Insta também. Mas pelo visto muitas pessoas nos seguiam por conta das dicas de restaurantes/viagens, e não estavam nem um pouco interessadas em saber um pouco mais da nossa vida de casal.

Imagino que vocês receberam uma avalanche de comentários de haters dizendo as piores coisas…      

Sim. Perdemos cerca de 20 mil seguidores e continuamos perdendo a cada dia. Em um primeiro momento ficamos tristes/impactados, mas depois entendemos a importância do que estávamos fazendo. Falar sobre esse assunto era algo necessário. E de agora em diante, nunca mais vamos deixar de abordar a temática LGBT. Pela primeira vez, depois de tantos anos, começamos a lidar com haters. Muitos comentários extremamente agressivos (tanto no TikTok como no Instagram). Em alguns momentos, chegamos a receber mais de 500 comentários negativos em um único dia. Na maioria das vezes, os comentários vinham acompanhados de citações bíblicas, o que nos deixava intrigados. Como alguém pode seguir os passos de Jesus e não saber amar e respeitar o próximo?

É uma reação muito dúbia, não acha? O mesmo público que elogiava as fotos de suas viagens a dois e provavelmente já soubessem que se tratava de um casal gay, de repente passa a atacá-los a partir do momento que vocês expõem algo que, de certa forma, já era sabido por eles. 

Nós nunca escondemos que somos um casal. Durante as viagens, era comum mostrarmos o quarto do hotel, por exemplo, e lá estava uma grande cama de casal. A única diferença é que não postávamos fotos demonstrando afeto. Então, só podemos entender que as pessoas sempre souberam que somos um casal, e até aí estava ok nos seguir, mas desde que não vissem fotos assim.

casal
Ricardo (esq) e Bernardo – Os Sabores do Mundo (acervo pessoal)

Você (Ricardo) mora em uma cidade pequena em Minas Gerais (Araújos), de quase 9 mil habitantes. Como é a repercussão na sua cidade ? Afinal, você tem mais seguidores do que toda a população local.   

Então… (risos). Acredito que praticamente todo mundo da cidade saiba das nossas redes sociais. É comum as pessoas me pararem na rua para comentar sobre um vídeo ou um destino turístico. Nunca soube de críticas negativas, por aqui fomos bem aceitos.

Um dos seus vídeos no TikTok, sobre brinquedos de criança, teve 2 milhões e seiscentos mil visualizações, 400 mil likes, e no Instagram meio milhão de visualizações. Já deu pra ganhar um bom dinheiro com as duas redes sociais?  

Bom dinheiro? Não mesmo (risos)! Vira e mexe fazemos publiposts, e isso dá uma graninha, mas nada que podemos contar todos os meses. Não dá para pagar nossas contas com isso. O que acontece na grande maioria das vezes são permutas em hotéis/resorts e restaurantes.

casal na praia
Ricardo e Bernardo – Os Sabores do Mundo (acervo pessoal)

As lives no Tik Tok são monetizadas e você já fez várias. O Tik Tok é uma plataforma mais rentável do que o Youtube que também monetiza? 

No YouTube a monetização está relacionada aos vídeos e, no TikTok, às lives. O que ganhamos em um mês no TikTok, pode levar uns três meses no YouTube. Então, sim, consideramos mais rentável.

Falando um pouco sobre o canal antes da pandemia, vocês já visitaram 33 países. Quais vocês dois gostaram mais e quais curtiram menos? 

Gostamos muito de destinos mais exóticos, como Namíbia, Cuba e Bósnia. O que mais gostamos foi a Namíbia. Uma viagem incrível (durante 17 dias) rodamos mais de 4.000 km, acampados, fizemos safáris (sem guia), visitamos um tribo himba (um povo que passa barro no corpo e no cabelo), visitamos o deserto, um cânion. Foi surreal. Temos tudo no nosso canal no YouTube (Os Sabores do Mundo). Que menos gostamos? Puxa! Nunca pensei muito sobre isso, pois cada lugar oferece uma experiência, e nós sempre estamos abertos a uma nova cultura. Mas se tivesse que escolher um país seria Bolívia, por conta da falta de higiene, cheguei a perder quase 5 kg lá porque não conseguia me alimentar bem. Ao mesmo tempo foi um dos lugares mais lindos que já visitei (Salar de Atacama). Essa foi uma viagem que fiz antes de conhecer o Bernardo e ele tem muita vontade de ir lá, logo eu irei mais uma vez (risos).

Namíbia
Ricardo e Bernardo – Os Sabores do Mundo (acervo pessoal)

América do Sul, África ou Europa? Onde estão os melhores destinos em termos de paisagem e custo? 

Com certeza América do Sul. Passagens super acessíveis e hospedagem também. Recentemente estivemos no norte da Argentina (Jujuy e Salta) e essa foi uma das viagens mais baratas que fizemos.

Alguns países que vocês visitaram, como o Marrocos, são bastante intolerantes em relação a homossexuais. Já passaram por alguma situação no exterior envolvendo preconceito?

Com relação a nossa sexualidade, acredito que não. Sempre que viajamos, nós tentamos buscar informações sobre como é essa questão naquele país, e assim tomamos os devidos cuidados. Esse foi o caso do Marrocos. Lá, os LGBT podem ser presos só por serem quem são. Então o que fizemos? Reservamos todos os quartos de hotéis com camas separadas e jamais demonstramos carinho em público. E assim deu tudo certo. Agora, xenofobia vira e mexe acontece na Europa, infelizmente.

Marrocos
Os Sabores do Mundo (acervo pessoal)

Você é formado em fisioterapia, inclusive você teve uma clínica durante um longo tempo. Pensa um dia em voltar para essa área?   

Eu acho que fazemos a escolha da profissão muito jovens, e eu creio que me equivoquei um pouco quando escolhi. Trabalhei 15 anos dando aulas de pilates, mas eu não me considerava uma pessoa feliz e realizada profissionalmente. Foi quando resolvi largar tudo e me aventurar mais a fundo nas redes sociais.  Se penso em voltar? Hoje não penso nisso, mas nunca digo nunca.

Recentemente, vocês participaram de uma ação publicitária de O Boticário, como um casal gay. Como foi essa experiência? E na sua cidade (Araújos), como foi a repercussão?

Foi muito emocionante receber esse convite, pois ficamos com receio de perder parcerias/campanhas por termos nos exposto mais nas redes, pelo fato de falarmos sobre questões LGBT. E uma empresa nos chamar para contar nossa história foi muito motivador. A repercussão na minha cidade foi super positiva mais uma vez. Não tenho do que reclamar. Minas é realmente um estado conservador, mas eu acredito muito que aos poucos as pessoas estão aprendendo a respeitar as diferenças. Certa vez, eu estava contando um pouco de nossa história (nos stories do Insta) e falei sobre episódios de homofobia, daí um supermercado aqui da minha cidade escreveu uma carta super formal e nos enviou junto com uma cesta de produtos. Isso me deixou com os olhos marejados! Foi lindo o gesto!

Ricardo e Bernardo – Os Sabores do Mundo (acervo pessoal)

E por falar em relacionamento, vocês estão juntos há cinco anos mas moram em cidades diferentes (Ricardo, em MG, e Bernardo, em SP). Não pensam em morar juntos? 

Sim. Depois de muitos aviões, enfim, estamos planejando esse passo. Provavelmente em 2021 vamos conseguir concretizar esse sonho. Mal podemos esperar por isso.

Você acredita que o trabalho que vocês fazem no Tik Tok e Instagram, abordando a temática LGBT, possui de certa forma um cunho social de ajudar jovens a se aceitarem mais e ver que sair do armário não é algo tão difícil assim?

Nestes últimos sete meses de muito conteúdo LGBT, tanto nos vídeos e lives no TikTok, e também no Insta, eu fiquei surpreso em saber o quão difícil é para muitos jovens se assumirem. Eu que sou da década de 1980, achei que isso havia mudado bastante, mas quase diariamente recebo mensagens de pessoas que pensam que sofrem de depressão, que não se amam/não se aceitam, que pensam em tirar suas vidas, que se automutilam etc. Já chorei muitas vezes durante uma live diante de tanta crueldade e sofrimento. Recebi muitos depoimentos lindos de pessoas que se aceitaram depois de assistirem meus vídeos – isso foi um choque. Então, eu entendi nosso papel nessa nova jornada. Lutar contra o preconceito é algo duro, você recebe muita bofetada, mensagens pesadas e ameaçadoras, surgem muitos haters, mas eu tenho plena certeza que o bem que a gente faz é muito maior que tudo isso. E se eu sei que ajudei muitos jovens a se aceitarem, se amarem e resgatarem sua autoestima, isso aquece o coração e me faz sentir um ser humano melhor.

Para acompanhar Ricardo e Bernardo nas redes sociais: Youtube, Instagram e TikTok.

@ossaboresdomundo

🌈🌈🌈 #balada #yags #boate

♬ Gimme Gimme Gimme – The Party Hits All Stars

Junte-se à nossa comunidade

O app SCRUFF está disponibilizando gratuitamente a assinatura PRO no Brasil, com todas as funcionalidades premium. Seja Embaixador SCRUFF Venture para ajudar os gays que estão visitando sua cidade. Tenha uma agenda atualizada das melhores festas, paradas, festivais e eventos. São mais de 15 milhões de usuários no mundo todo; baixe o app SCRUFF diretamente deste link.