De acordo com informações apuradas pela Gamehall, o The Last of Us Part II não será lançado em praticamente todos os países do oriente médio por contar com conteúdo LGBT e cenas de nudez, sendo que ambos são proibidos em locais onde impera o islamismo.

Por essa razão, jogos anteriores que tinham cenas com personagens nus chegaram a ser censurados por desenvolvedoras como a Ubisoft. Alguns outros games de sucesso, como The Witcher 3, também teve seu conteúdo alterado pela desenvolvedora CD Projekt.

Como o romance lésbico entre as duas protagonistas faz parte da “trama central” do game, não é algo que os desenvolvedores simplesmente podem “cortar”, e, portanto, o jogo não será lançado por lá. A exceção fica por conta de Israel, sendo o único país do Oriente Médio não islâmico.

Já no resto do mundo, The Last of Us Part II chegará no dia 19 de junho e é exclusivo para PlayStation 4.

Personagens gays em The Last of Us Part II

A primeira demonstração de um gameplay do game veio na E3 de 2018, finalizando com um beijo lésbico entre a protagonista Ellie e a personagem Dina. Após os eventos do primeiro jogo, ficou uma dúvida entre os gamers se a personagem era, de fato, lésbica.

Procurada pela IGN norte-americana, a co-escritora do game, Halley Gross, disse que a orientação sexual da personagem é importante para a história do game, já que demonstra o cotidiano da personagem e, portanto, não seria honesto omitir o fato dela ser lésbica.

“Ellie é gay. Ela nasceu gay. Essa é quem ela é. E para explorar quem ela é como adolescente e como uma adulta, não honraremos a personagem ao esconder um lado dela. Nós queremos participar com ela como uma personagem completa. Ela também é uma ótima atiradora e uma ótima lutadora, mas ela tem 19 anos. 19 é uma idade divertida.”

Artista lança clipe e game com releitura feminista LGBTQI+ de Super Mario Bros

Google Notícias
Jornalista formado pela PUC do Rio de Janeiro, dedicou sua vida a falar sobre cultura nerd/geek. Gay desde que se entende por gente, sempre teve um desejo de trabalhar com o público LGBT+ e crê que a informação é a melhor arma contra qualquer tipo de "fobia".