GAY BLOG BR by SCRUFF

Há dezesseis anos, a Prefeitura de São Paulo organiza anualmente um casamento coletivo para formalizar a união de centenas de casais ao mesmo tempo. O evento, tradicional na cidade, ganhou pela primeira vez uma versão LGBT+.

O Casamento Coletivo Igualitário aconteceu na manhã deste domingo (26), no Clube Homs, na Avenida Paulista. Vinte e dois casais participaram do evento, embora 39 estivessem inscritos.

A cerimônia, laica, foi celebrada pela atriz Nicoli Miranda, que convidou noivos e noivas ao palco para fazer o juramento e assinar as certidões simbólicas de casamento – as verdadeiras foram assinadas em dezesseis diferentes cartórios da cidade, gratuitamente, no sábado (25).

Os documentos foram entregues pelos secretários de Direitos Humanos e Cidadania Eloisa Arruda e de Assistência e Desenvolvimento Social Filipe Sabará.

Disseram sim 36 mulheres lésbicas, 26 homens gays e 1 homem transsexual.

O evento, no Clube Homs, oficializou a união de 22 casais LGBT+
O evento, no Clube Homs, oficializou a união de 22 casais LGBT+

A coordenação de políticas LGBT da Secretaria Municipal de Direitos Humanos fez questão de destacar que o evento teve custo zero para os cofres públicos. Um edital aberto em setembro convidou empresas a patrocinar o evento.

Além da iniciativa privada, a Sabesp contribuiu doando garrafinhas de água aos noivos e convidados. Ministério Público, OAB e Defensoria Pública do Estado de São Paulo deram o suporte institucional.

O cearense Raimundo Nonato de Lima e o boliviano Jesus Reinaldo foram o décimo quarto casal a dizer sim. Juntos há mais de dois anos, planejavam oficializar a união no ano que vem, mas viram no Casamento Coletivo Igualitário uma oportunidade de economizar para comprar a casa própria.

“É uma ocasião especial e emocionante, ainda mais porque o casamento gay ainda não é reconhecido no meu país”, disse Reinaldo, modelista de 31 anos que está no Brasil desde os 17.

LGBT
einaldo (à dir.) e Lima: um dos casais contemplados (Paulo Lopes/Sec. Municipal de Direitos Humanos e Cidadania/Divulgação)

Ele levou dois meses para fazer sua roupa e a do marido – os modelos eram diferentes, mas as cores combinavam. Os dois se casaram na presença de alguns amigos e do irmão de Reinaldo, único parente do modelista que vive no Brasil.

As paulistanas Stela Marys Sisti e Fabiana Medeiros estão juntas há dez anos e já haviam assinado o contrato de união estável em 2011, mas decidiram se casar na esperança de que o novo regime ajude no processo de adoção.

“Já faz alguns anos que planejamos construir a nossa família e esse é o primeiro passo”, diz Fabiana Medeiros.

Para elas, o evento representa uma luta que também é coletiva. “Todos aqui estão no mesmo barco, querem a mesma coisa. Esperamos que o casamento nos permita ser reconhecidas perante a sociedade e aos familiares, que não aprovam nossa orientação sexual”, completa Stela.

Apesar da dificuldade de algumas famílias em aceitar a homossexualidade, não era raro ver pais e avós assistindo à cerimônia. Familiares e amigos lotaram o salão principal do Clube Homs e formaram uma plateia de pelo menos de 150 pessoas.

O advogado Marcelo Gallego, assessor jurídico de políticas LGBT da prefeitura, também aproveitou a oportunidade de dizer sim e oficializou a união com o companheiro Lúcio Serrano.

Em 2012, quando estava à frente da Secretaria Estadual de Direitos Humanos, Eloisa Arruda foi responsável pela primeira assinatura coletiva de contrato de união estável LGBT, já que na época o casamento civil igualitário ainda não era reconhecido.

O cenário mudou em 2013, quando o Conselho Nacional de Justiça determinou que todos os cartórios do país realizassem a união civil entre pessoas do mesmo sexo.

Em entrevista a VEJA SÃO PAULO, a secretária negou que tenha enfrentado obstáculos ou comentários preconceituosos durante a preparação do evento.

“Se houve críticas, eu não vi. Como defensora de uma sociedade plural e diversa, preciso respeitar as críticas, mas é importante deixar claro que vamos continuar reiterando o direito das pessoas se expressarem e celebrarem o amor”, declarou ela.

Ao final da cerimônia, Nicoli Miranda deixou clara a possibilidade de uma próxima edição no ano que vem.

O Casamento Coletivo Igualitário terminou com os convidados se servindo de pedaços de bolo e assistindo ao cortejo de saída dos noivos para a Avenida Paulista – tudo ao som da versão instrumental da música Bad Romance, da cantora Lady Gaga.

Com informações de VEJA SP

Junte-se à nossa comunidade

O app SCRUFF (Google Play ou App Store) está disponibilizando gratuitamente a versão PRO no Brasil, com todas as funcionalidades premium. Seja Embaixador SCRUFF Venture para ajudar os gays que estão visitando sua cidade. Tenha uma agenda atualizada das melhores festas, paradas, festivais e eventos. São mais de 15 milhões de usuários no mundo todo; baixe o app SCRUFF diretamente deste link.

4 COMENTÁRIOS