De acordo com uma matéria publicada no jornal britânico Daily Mail, alguns bispos da Igreja Católica na Alemanha declararam que a homossexualidade é uma forma normal de identidade sexual.

“A preferência sexual do homem se expressa na puberdade e assume uma orientação hétero ou homossexual. Ambas pertencem às formas normais de predisposição sexual, que não podem ou devem ser alteradas” – disse Heiner Koch, arcebispo de Berlim, à Agência Católica de Notícias.

A opinião foi embasada nos escritos “Amoris laetitia” do Papa Francisco, que comenta sobre casamento e família. De acordo com o Papa, qualquer forma de discriminação de pessoas devido a orientação sexual deve ser rejeitada.

Há muitas igrejas que acolhem e aceitam as pessoas como elas são. Imagem: Biel Sabatini
Há muitas igrejas que acolhem e aceitam as pessoas como elas são. Imagem: Biel Sabatini

Anteriormente, o papa criticou os fundamentalistas religiosos (via Reuters) que se baseiam na bíblia para realizar discursos de ódio, comparando-os ao Hitler.

“Não é coincidência que, às vezes, haja um ressurgimento de símbolos típicos do nazismo. É necessário confessar a vocês que, quando ouço um discurso de alguém responsável pela ordem ou pelo governo, penso nos discursos de Hitler em 1934,1936. Com a perseguição aos judeus, ciganos e pessoas com tendências homossexuais, hoje essas ações são típicas e representam ‘por excelência’, uma cultura de desperdício e ódio. Foi o que foi feito naqueles dias e hoje está acontecendo novamente” – disse.

HOMOSSEXUALIDADE E RELIGIÕES

Homossexualidade é um tema bastante polêmico dentro do nicho religioso, com inúmeras visões e correntes distintas. Foto: Carlos Latuff

Alvo de muitas polêmicas, a homossexualidade é condenada por fundamentalistas religiosos que argumentam que é pecado usando versículos da bíblia, em especial Levítico e Romanos. No entanto, há diversas correntes de pensamentos que não enxergam dessa forma, assim como cada religião (cristã ou não) tem sua própria visão sobre o assunto.

Para o judeu reformista Michel Schleisenger, membro da Congregação Israelita Paulista, em um debate no programa SuperPop da Luciana Gimenez, não podemos associar homossexualidade e pecado.

“O que é importante se perguntar nessa questão é: até que ponto uma pessoa é totalmente livre para escolher a sua tendência sexual? As pesquisas mais recentes e entrevistas de primeira pessoa de homossexuais nos indicam que essa escolha é menor do que se imaginava antigamente (…) Se existe uma programação pré-estabelecida, não se pode falar em pecado. Você não pode condenar uma pessoa como pecadora se ela nasceu baixinha ou se é alta demais, nem se tem olho castanho ou olho azul. Da mesma maneira você não pode condenar uma pessoa que nasceu com uma inclinação sexual determinada.” 

Já a pastora homossexual Lanna Holder, fundadora da igreja evangélica inclusiva “Cidade de Refúgio”, argumenta que é necessário acreditar na inclusão dos homossexuais dentro do ambiente evangélico. Por anos, Holder foi missionária da Assembleia de Deus e argumentava ter sido curada do homossexualidade. No entanto, ela eventualmente percebeu que o que estava fazendo era uma agressão contra ela mesma.

“Eu era o Silas Malafaia de saias. Por sete anos preguei contra a homossexualidade. Eu inicialmente entrei para igreja para mudar minha sexualidade. Eu achava que, por ser quem eu sou, iria para o inferno. Percebi que estava me agredindo, que aquilo não me representava. Procurei uma teologia mais inclusiva” – diz, em entrevista a Época, argumentando também que os discursos radicais contra homossexuais têm raiz na falta de esclarecimento sobre o Evangelho – Eles falam isso por sensacionalismo, para conseguir ibope. Não defendo a promiscuidade. Defendo minha vida ao lado de alguém que amo e com quem quero constituir família. Deus nos ama como nós somos” 

Dalai Lama, do budismo, diz que está tudo bem com a homossexualidade desde que ambos os lados concordem. Sua visão é endossada pelo mestre butanês Dzongstar Rinpoche, que argumenta que as pessoas não deviam ser “tolerantes”, mas respeitosas.

“Tolerância não é uma coisa boa… se você ‘tolera’, significa que você pensa ‘isso é errado, mas vou tolerar’. Você tem que ir além disso. Você precisa respeitar essa pessoa, de verdade”.

Chico Xavier, do espiritismo, disse em uma entrevista ao programa Pinga Fogo da extinta TV Tupi em 1971, que as variações da sexualidade são “condições da alma humana que não devem ser interpretadas como fenômenos atacáveis pelo ridículo da sociedade”. 

No Candomblé, a homossexualidade é aceita e registros históricos mostram que havia homossexuais nos terreiros pelo menos desde o século XIX.

Leia também: Igreja Episcopal da Escócia legaliza casamento gay

‘Blasfêmia e sátira estão em dois campos de sentido diferentes’, explica padre após vídeo do Porta dos Fundos

Jornalista formado pela PUC do Rio de Janeiro, dedicou sua vida a falar sobre cultura nerd/geek. Gay desde que se entende por gente, sempre teve um desejo de trabalhar com o público LGBT+ e crê que a informação é a melhor arma contra qualquer tipo de "fobia".

1 COMENTÁRIO