A drag queen Chi Chi DeVayne, ex-participante da 8ª temporada de Ru Paul’s Drag Race, morreu nesta quinta-feira, dia 20 de agosto, aos 34 anos. A informação foi divulgada no canal Out.

Chi Chi Devayne estava no hospital para tratar uma pneumonia e recentemente publicou nos stories do Instagram um post pedindo para que os fãs rezassem por ela. Um pouco antes, em julho, ela foi hospitalizada por uma crise de insuficiência renal, e em 2018 ela foi diagnosticada com esclerodermia, doença autoimune no tecido conjuntivo.

DeVayne se destacou em Drag Race por suas belas performances de lip-sync, sendo que uma de suas apresentações mais famosas foi da música “And I´m telling You I´m Not Going”, de Jennifer Hudson. Ela também ficou muito conhecida por ser uma pessoa gentil e amável com as pessoas a sua volta.

Morre Chi Chi Devayne de "RuPaul´s Drag Race" aos 34 anos
Reprodução

Chi Chi DeVayne é o nome de drag de Zavion Davenport, que nasceu no dia 24 de setembro de 1985 em Shreveport, Louisiana, nos Estados Unidos. Segundo ela, desde criança ela já era performática.

“Eu era uma pequena performática. Meu tio fazia show de talentos com todos os meus primos, e minha mãe disse algo para mim. Ela me levou para a ginástica, e eu estava em uma companhia de dança com meus 20 anos.”

Já na fase adulta, ela disse que tinha uma vida “pesada”: carregava uma arma, vivia se metendo em encrencas e também participou de gangues. Sua primeira participação em RuPaul´s Drag Race veio na temporada de 2016 e depois participou do podcast RuPaul: What´s the Tee with Michelle Visage. No ano seguinte, ela fez parte de uma turnê de Drag Queen durante o natal, junto com outros nomes famosos como Sasha Velour, Shea Coulee, Kim Chi, Latrice Royale, Farrah Moan, Naomi Smalls e Eureka O´Hara.

Em 2018, ela foi convidada a retornar para o reality show que deu projeção a sua carreira, na terceira temporada da série “All Stars“. Ela foi eliminada no quarto episódio, ficando em sétimo lugar.

Google Notícias
Jornalista formado pela PUC do Rio de Janeiro, dedicou sua vida a falar sobre cultura nerd/geek. Gay desde que se entende por gente, sempre teve um desejo de trabalhar com o público LGBT+ e crê que a informação é a melhor arma contra qualquer tipo de "fobia".