GAY BLOG BR by SCRUFF

Não foi só São Paulo que aderiu o combate a homotransfobia em suas estações do metrô. Em Salvador, Bahia, as escadarias das estações “Lapa” e “Aeroporto” foram pintadas nas cores do arco-íris para celebrar o dia internacional contra a LGBTIfobia em uma ação promovida pela CCR Metrô Bahia. As informações são do G1.

O governo do estado informa que tem promovido uma série de ações coordenadas pela Secretaria de Justiça, Direitos Humanos e Desenvolvimento Social (SJDHDS) para garantia de direitos, acesso à serviços e proteção contra violações.

Uma das mais recentes foi o lançamento do Guia Prático de Adequação de Nome e Gênero para transexuais e travestis que buscam a mudança do nome social em Salvador, mas que não sabem como iniciar o processo.

Em 2017 foi criado o Centro de Promoção e Defesa de Direitos LGBT e, ao longo de quatro anos, foram realizados cerca de 8,5 mil atendimentos e 4,6 mil acolhimentos do público LGBTQIA+.

O CPDD-LGBT funciona no Casarão da Diversidade, no centro de Salvador. O espaço abriga um conjunto de equipamentos, serviços, ações e iniciativas de cidadania e proteção da população LGBTQIA+.

Estações de metrô de Salvador têm escadarias pintadas com cores do arco-íris
Reprodução

Há exatos 31 anos, a OMS reconheceu que a homossexualidade não é doença

Neste dia 17 de maio, é comemorado o Dia Internacional do Combate à LGBTfobia. A data é uma homenagem ao dia em que a Organização Mundial de Saúde (OMS) retirou a homossexualidade da Classificação Estatística Internacional de Doenças e Problemas Relacionados com a Saúde, em 1990. Desde então, tem-se usado “homossexualidade” no lugar de “homossexualismo”.

Ao longo da história, a homossexualidade foi vista das mais diferentes formas pelos mais diferentes grupos sociais. Sendo aceita, admirada, tolerada ou condenada, de acordo com as crenças e valores de cada cultura.

Na sociedade judaico-cristã, durante anos, a homossexualidade foi vista como doença e perversão. Em 1952, a Associação Americana de Psiquiatria publicou, no primeiro Manual Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais, que a homossexualidade era uma “desordem” e diversos estudos passaram a ser feitos para comprovar, através da ciência, que o “homossexualismo” era um distúrbio mental. Como não houve nenhuma conclusão, e os estudos apontavam que a homossexualidade era inata do ser humano assim como a heterossexualidade, a Associação Americana de Psiquiatria retirou o “homossexualismo” da lista de transtornos mentais em 1973.

Dois anos mais tarde, a Associação Americana de Psicologia também decidiu retirar a orientação sexual como um transtorno mental, e passou a classificar como uma variação da natureza. Apesar disso, a OMS classificou, em 1977, o “homossexualismo” como doença mental, sendo esta retirada em 1990 durante a revisão da lista de doenças no dia 17 de maio, sendo um importante passo para a aceitação da sociedade e a luta contra a LGBTfobia.

Junte-se à nossa comunidade

O app SCRUFF está disponibilizando gratuitamente a assinatura PRO no Brasil, com todas as funcionalidades premium. Seja Embaixador SCRUFF Venture para ajudar os LGBTs que estão visitando sua cidade. Tenha uma agenda atualizada das melhores festas, paradas, festivais e eventos. São mais de 15 milhões de usuários no mundo todo; baixe o app SCRUFF diretamente deste link.

Jornalista formado pela PUC do Rio de Janeiro, dedicou sua vida a falar sobre cultura nerd/geek. Gay desde que se entende por gente, sempre teve desejo de trabalhar com o público LGBT+ e crê que a informação é a a melhor arma contra qualquer tipo de "fobia"